A desigual distribuição da riqueza global num único gráfico

riqueza, A desigual distribuição da riqueza global num único gráfico
Créditos: Ibrahim Rifath (Unsplash)

Embora muitos países ocidentais estejam a aproveitar o crescimento da sua percentagem da população vacinada para levantar as restrições, ao analisar os números globais percebe-se que ainda há um longo caminho a percorrer para alcançar essa imunidade de grupo que permite o tão esperado regresso à normalidade. De acordo com dados do Our World, 43,7% da população mundial está vacinada, mas apenas 2% das pessoas que vivem em países com menores rendimentos per capita receberam pelo menos uma dose.

Esta desigualdade que se vê na campanha de vacinação entre as diferentes nações também tem parte da sua origem na distribuição desigual da riqueza mundial entre a população. E essa lacuna foi perfeitamente retratada pela VisualCapitalist no gráfico abaixo.

riqueza, A desigual distribuição da riqueza global num único gráfico
Fonte: VisualCapitalist

No gráfico, que foi elaborado a partir dos dados do relatório sobre a riqueza global elaborado anualmente pelo Credit Suisse, verifica-se como 1,1% da população detém 45,8% da riqueza mundial. No extremo oposto, 55% da população mundial partilha 1,3% da riqueza mundial.

O impacto da COVID-19

Estas percentagens escandalosas ocorrem também num contexto de crescimento da riqueza global, apesar da crise da COVID-19. Especificamente, o Credit Suisse calcula em 7,4% o crescimento observado em 2020 e em 6% o auge o da riqueza por adulto alcançando um novo recorde de 79.952 dólares E isso tem sido influenciado sobretudo pelos diferentes estímulos que as economias têm recebido dos governos e dos bancos centrais. Estímulos que também tiveram um impacto positivo nos diferentes mercados de valores, fazendo disparar a riqueza financeira dos investidores.

De facto, o número global de milionários aumentou em 5,2 milhões passando a ser de 56,1 milhões. E desses milionários, o grupo que mais cresceu foi o de pessoas com um poder de compra muito elevado: cresceu 24%.

Não em vão, nos piores momentos da crise COVID-19 muitos especialistas alertaram para a forma como o mundo enfrentou o risco e que uma recuperação económica não ocorreria mais sob a forma de W ou V, mas sob a forma de um K. Isto implicaria uma primeira fase (o primeiro traço do K) em que tudo cai em equilíbrio, e uma segunda em que há uma pequena parte da economia que concentra o crescimento em detrimento de uma mais ampla que aprofunda a sua recessão.