Allfunds apresenta resultados recorde quatro meses depois da sua entrada na bolsa

Allfunds, Allfunds apresenta resultados recorde quatro meses depois da sua entrada na bolsa
Juan Alcaraz. Créditos: Cedida

A plataforma B2B wealthtech do Allfunds Group publicou os seus primeiros resultados como empresa cotada- entrou no mês de abril na Bolsa de Amesterdão-. Durante os primeiros seis meses de ano 2021, obteve ganhos líquidos ajustados de 117,4 milhões de euros, mais 94% do que no mesmo período de 2020, segundo dados publicados esta sexta-feira.

A receita foi de 247 milhões de euros, o que representa um aumento de 40% interanual sobre uma base proforma, enquanto o EBITDA ajustado foi de 181 milhões de euros, o que implica uma margem EBITDA ajustada de 73%.

Quanto aos ativos sob gestão, estes aumentaram 16,4% no primeiro semestre do ano para 1,34 biliões de euros (1). Deste património, 881.000 milhões provêm de ativos orgânicos e 467.000 milhões correspondem a ativos adquiridos. Além disso, a empresa destacou os bons dados alcançados em termos de fluxos: no primeiro semestre do ano obtiveram subscrições líquidas no valor de 51.000 milhões de euros dos seus atuais clientes e 34.000 milhões de novos clientes, aos quais devemos adicionar os 49.000 milhões dos fluxos que correspondiam ao bom desempenho dos mercados.

Para estes números de crescimento também contribuíram o aumento dos acordos que a plataforma assinou no primeiro semestre após ter incorporado na plataforma 99 novos fundos de investimento e 47 novos distribuidores.

A rota prevista para o segundo semestre

“A primeira metade do ano foi um período de forte crescimento e de resultados financeiros recorde para a Allfunds. Os nossos fortes resultados são um reflexo da nossa liderança de mercado e do nosso compromisso com os nossos clientes”, afirmou Juan Alcaraz, CEO da Allfunds na apresentação dos resultados. Concretamente, sublinhou que “pela primeira vez em três anos, vimos fluxos líquidos que representam 23%, em comparação com a base anualizada, no início do período de AuM e o nosso negócio orgânico registou um CAGR de 32% desde o primeiro semestre de 2017 até ao mesmo período em 2021”, refere.

Como explicado na conferência de imprensa após a apresentação dos resultados, para a segunda metade do ano, a empresa mantém o roteiro que já apresentou na sua entrada na bolsa, embora com duas alterações: a margem de lucro da plataforma, que foi superior à estimada e a taxa efetiva de impostos porque está agora na faixa mais alta e terá de ser revista.

Quanto às linhas de negócio, há quatro pontos em que apoiam o seu crescimento: o crescimento secular do mercado (aumentar a arquitetura aberta e o seu serviço de outsourcing), continuar a ganhar quota de mercado através da expansão noutros mercados, manter iniciativas que incentivem esse crescimento como o Connect, Blockchain ou a plataforma sub-advisory AllSolutions, e crescimento através de operações empresariais tanto a nível da plataforma como do produto.

China e EUA concentram os seus planos de expansão

Especificamente, no que diz respeito à expansão internacional, Alcaraz apontou duas grandes áreas, como os EUA e a China. “Vamos estar na China Continental onde até agora não estávamos e onde já temos 16 clientes. Acreditamos que é a área geográfica onde temos um interesse especial”, diz Alcaraz. Quanto aos EUA, e após abrir o seu primeiro escritório em Miami no início deste ano, o seu objetivo é agora tornar-se a primeira plataforma de distribuição offshore nos EUA. E não exclui também a entrada no mercado onshore dos EUA, embora não antes de 2022.

Desde que se estreou na bolsa, os investidores valorizaram a empresa de forma muito positiva. Prova disso é que as suas ações valorizaram 43% em apenas quatro meses e também tem sido positiva a reação dos investidores a estes primeiros resultados apresentados como uma empresa cotada: a meio da sessão as ações sobem mais de 9% marcando um máximo histórico.


(1) Calculado como a soma dos fluxos dos clientes existentes e dos novos clientes sobre o AUM orgânico da Allfunds só no começo do período, que ascende a 746.000 milhões de euros, excluindo o AUM adquirido procedente da carteira BNPP Other que será transferido durante 2021 e 2022.