Amundi: estaremos às portas de uma mudança de regime do mercado?

europa fundos
Photo by Cosmin Serban on Unsplash

Novos equilíbrios geopolíticos, os impactos das medidas fiscais sem precedentes em resposta à COVID-19 e as narrativas que orientam os mercados e as suas possíveis mudanças. Foram muitos os temas aprofundados no Amundi World Investment Forum deste ano. O evento digital contou com a abertura de Valerie Baudson, a primeira participação no Forum da CEO. Baudson está otimista com a recuperação que prevê que não será um retorno à situação pré-pandémica. “O nosso grupo num período difícil consolidou a sua posição de liderança na gestão de ativos global. Demonstrámos resiliência num contexto altamente desafiante”, disse. “Temos programado crescer na Europa e no mercado asiático, em particular na China. Outros motores de crescimento serão o desenvolvimento de serviços tecnológicos e investimentos responsáveis​​”, acrescentou.

Geopolítica: qual o lugar da Europa?

O debate concentrou-se no atual cenário geopolítico, num mundo que parece cada vez mais polarizado com os EUA de um lado e a China do outro. A Europa encontra-se na difícil situação de encontrar o seu lugar entre as duas superpotências. E a isso soma-se a incerteza devido às próximas eleições na Alemanha e em França. “A resposta à emergência da COVID-19 foi rápida e coesa e favoreceu uma maior integração, graças à quebra do tabu sobre a divisão da dívida. A Europa está a evoluir graças às crises e tudo isto não seria concebível antes da pandemia. O roll out da vacinação foi um primeiro passo para abordar questões de saúde e políticas públicas do ponto de vista da comunidade”, explicou Durão Barroso, ex-presidente da Comissão Europeia e ex primeiro-ministro português.

Keyu Jin, professor de economia da London School of Economics falou da necessidade de um maior diálogo entre os EUA e a China. Segundo o especialista, a eleição de Biden dará um maior peso à diplomacia, mas os desafios económicos, sobretudo no campo da tecnologia, vão continuar. Uma posição com a qual concorda Mark Esper, do McCain Institute e ex secretário de estado da Defesa dos EUA. “É inevitável que a China cresça. A questão não é como vai crescer, mas como vai integrar a sua presença nas relações globais”. Do ponto de vista do investimento, segundo Vincent Mortier, da Amundi, isto traduz-se numa maior atratividade dos ativos chineses no longo prazo, que estão a tornar-se cada vez mais importantes para as carteiras. Enquanto no lado europeu, Kasper Elmgreen prevê oportunidades para ferramentas e investimentos ESG e investimentos contra as alterações climáticas, segmentos nos quais o Velho Continente é pioneiro no mundo.

O peso da política de despesa

Para Carmen Reinhart, vice-presidente e responsável de economia do World Bank, a pandemia teve impactos que não devem ser subestimados nas pequenas empresas e nas famílias, o que tornou necessárias as intervenções do Estado. “Mas quando a emergência passar, os riscos não vão acabar”, explicou. “Foi uma recuperação rápida para as economias desenvolvidas, mas há problemas de atraso para os mercados emergentes, mesmo para países-chave como Índia e Brasil que ainda lutam para controlar o vírus.

Em geral, as incertezas quanto à sustentabilidade da dívida também são esperadas para o setor emergente”, acrescentou. Stephanie Kelton, professora de economia da SUNY Stony Brook University introduziu o tema da inflação na discussão: “A Fed, ao estabelecer as suas novas metas, parece ansiosa por uma inflação acima de 2% por um determinado período de tempo. Nesta perspetiva, é difícil prever como se vai comportar e com quais instrumentos vai intervir para mitigar a pressão inflacionária”, disse. Para Ken Taubes, da Amundi, o risco de inflação é real. Além disso, a médio e longo prazo, o especialista espera um crescimento do PIB dos Estados Unidos, amparado pelos planos de estímulo do governo Biden. Incertezas relacionadas com a inflação e com o peso da dívida pública também emergem da análise de Monica Defend, num contexto em que os ativos de risco vão continuar a apresentar-se num ambiente de baixos retornos.

O debate foi encerrado com a intervenção de Robert Shiller, vencedor de um prémio Nobel, professor de Yale e especialista em narrativas que lideram os mercados e que se impõem de forma viral e muitas vezes difícil de prever. Atualmente, coexistem diferentes narrativas interconectadas: a estagnação secular, os ruidosos anos 20 para o otimismo pela inovação tecnológica e o das políticas monetárias que vão permanecer acomodatícias por muito tempo. As mudanças ocorridas nestas narrativas, segundo Pascal Blanqué, podem levar a uma mudança de regime e a um retorno a um cenário de inflação mais alta como nos anos 70.