As duas grandes mudanças que estão a ocorrer na Índia têm consequências muito importantes para os investidores

India, As duas grandes mudanças que estão a ocorrer na Índia têm consequências muito importantes para os investidores
Créditos: Sylwia Bartyzel (Unsplash)

Atenção às duas grandes mudanças que estão a ocorrer na Índia porque têm consequências muito importantes para os investidores. Afetam tanto o seu mercado de ações como o mercado de obrigações. Começando pelo segundo, espera-se que as obrigações soberanas indianas sejam incluídas nos índices de obrigações globais (em moeda local) quando houver uma alteração na fiscalidade local. Esta inclusão de obrigações indianas nos índices deverá começar em 2022.

A Morgan Stanley estimou recentemente que a inclusão nos índices de obrigações JP Morgan GBI EM e Bloomberg Barclays Global Aggregate resultaria em entradas de capital de 40 mil milhões de dólares em 2022-23, seguidas de entradas anuais de 18.500 milhões de dólares durante a próxima década.

Como explica Ken Akintewe, responsável de dívida soberana asiática na abrdn, esta inclusão será um marco importante para o investimento global de obrigações, e deverá proporcionar benefícios significativos tanto para a Índia como para os investidores nos próximos anos.

No nível mais básico, melhorando o acesso a um grande mercado de obrigações governamentais locais grande e líquido de 1,1 biliões de dólares. É o terceiro maior da Ásia depois do Japão e da China. E isto representa uma expansão muito significativa do conjunto de oportunidades de investimento. No entanto, são algumas das características mais específicas do mercado indiano que podem revelar-se mais interessantes para os investidores de obrigações globais. Em particular, o especialista acredita que existem três características positivas que realmente se destacam.

Baixa correlação com outros mercados

Em primeiro lugar, as obrigações do governo indiano têm uma baixa correlação com outros mercados de obrigações regionais e globais. Isto é algo que aumenta os potenciais benefícios da diversificação. “Uma razão bem conhecida para isso é o nível relativamente baixo da integração económica global da Índia. Cerca de 75% do seu crescimento é gerado a nível nacional”, afirma.

Na sua opinião, trata-se do nível historicamente muito baixo de propriedade estrangeira. “Isto contribuiu para que as obrigações indianas pareçam bastante imunes a grandes mudanças no sentimento global dos investidores”. Este tem sido um dos argumentos mais citados na Índia para permitir aos investidores estrangeiros um maior acesso aos seus mercados obrigacionistas. No entanto, os decisores políticos julgam que uma abertura limitada agora compensará quaisquer potenciais desvantagens deste tipo.

Exposição a uma economia grande e em rápido crescimento

Outro benefício fundamental para os investidores da inclusão no índice de obrigações da Índia é a oportunidade melhorada de ganhar exposição a uma economia muito grande e em rápido crescimento, com fundamentais melhorados. A este respeito, Akintewe sublinha que há numerosas tendências positivas que podem ser citadas. Por exemplo, fatores como a melhoria do perfil de crescimento (ajudado por uma trajetória de oito anos de reformas), o reforço da balança de pagamentos, o aumento da credibilidade do banco central e a redução significativa da volatilidade da moeda.

“De facto, em alguns aspetos, apesar de ser de investment grade, a dívida pública indiana está bastante subvalorizada neste momento. Como exemplo, a Índia tem uma classificação creditícia soberana inferior à da Itália. Isto acontece apesar de ter um rácio dívida/PIB cerca de 70 pontos percentuais mais baixo”, indica.

Alto retorno obrigacionista

Por último, para o especialista, talvez a coisa mais atrativa para os investidores em obrigações globais, tendo em conta o ambiente prolongado de retornos globais muito baixos, é a atratividade do elevado retorno das obrigações indianas.

“O retorno da dívida pública local a 10 anos da Índia, acima de 6%, compara favoravelmente com o de muitos outros mercados emergentes maiores com uma classificação semelhante. Além disso, a taxa de aumento dos retornos em comparação com a rentabilidade das Treasuries a 10 anos, que ronda os 1,5%, e as bund yields, que continuam negativas, constituiriam, sem dúvida, uma forte atratividade para muitos investidores que procuram rendimentos em todo o mundo”.

Comparação da yield a 10 anos (%) de uma seleção de obrigações soberanas de mercados emergentes em moeda local

India, As duas grandes mudanças que estão a ocorrer na Índia têm consequências muito importantes para os investidores

A megaprivatização de empresas em curso

A incorporação do mercado de obrigações indiano em índices globais não é a única mudança que ocorre no país. Há também uma grande privatização de empresas. Como explicam na Goldman Sachs AM, na primeira fase da megacampanha de privatização, o governo pretendia angariar 1,75 biliões de rupias durante o ano fiscal em curso. No total, esperava-se que um bilião viesse de privatizações diretas, enquanto 750 mil milhões de desinvestimentos.

“No início de 2020, o mercado esperava a venda total da companhia aérea nacional (Air India); o segundo maior comercializador de combustíveis do país (BPCL); a maior empresa de contentores de carga ferroviária (ConCor), três bancos estatais e uma companhia de seguros. O desinvestimento da maior empresa estatal de seguros de vida (LIC) também era esperado”, exemplificam a empresa americana.

No entanto, tanto o ritmo ordinário do processo como a pandemia afetaram os prazos esperados. Foi noticiado pela última vez que o Governo central estava significativamente abaixo da meta de desinvestimento para o ano fiscal em curso, que terminava em março de 2022. “Mas os participantes no mercado parecem entusiasmados para ver como o Executivo indiano continua a resolver os impedimentos que encontra para continuar com o processo de privatização”, sublinham a entidade.