Bitcoin: cinco dos maiores especialistas da AXA IM dão a sua opinião sobre a criptomoeda

Bitcoin, Bitcoin: cinco dos maiores especialistas da AXA IM dão a sua opinião sobre a criptomoeda
Créditos: Aleksi Räisä (Unsplash)

A bitcoin volta a destacar-se. A sua evolução disparou o interesse pelo ativo, o que fez com que os clientes de algumas gestoras pedissem às entidades a sua opinião. Assim o asseguram na AXA Investment Management que, para atender a este pedido, colocou cinco dos seus especialistas a expor as suas opiniões sobre a criptomoeda.

Chris Iggo, diretor de Investimentos de Core Investments:

“Acho difícil colocar a bitcoin numa estrutura de investimento tradicional. Não existe um modelo para o seu valor, uma vez que não gera nenhum fluxo de caixa económico. Ao contrário de outras moedas tradicionais, não há vínculo com as condições económicas nacionais ou com as políticas fiscais e monetárias. Não paga rendimentos ou dividendos e não há mecanismos de cobertura do seu valor.

Bitcoin, Bitcoin: cinco dos maiores especialistas da AXA IM dão a sua opinião sobre a criptomoeda

Os fluxos para a bitcoin são impulsionados pela especulação de futuros ganhos no preço ou para satisfazer alguma necessidade de eludir as instituições tradicionais dos sistemas de pagamento, talvez em alguns casos por razões que não são legais. Alguns fluxos são impulsionados por uma perspetiva política em torno da sustentabilidade das moedas e os sistemas de pagamento existentes. A minha opinião seria a de depositar mais confiança num sistema monetário e bancário regulado pela lei, que existiu durante centenas de anos, do que num token digital de recente criação que proporciona pouca segurança tradicional ao titular.

Ainda que a tecnologia possa confirmar todas as transações que têm lugar na cadeia de blocos, a moeda carece de base legal, o que limitará o seu uso nas atividades bancárias tradicionais, como os empréstimos. Com poucas garantias da sua estabilidade futura e dado o impacto do meio ambiente da sua existência, na nossa opinião, a bitcoin não se ajusta aos requisitos de um investidor responsável.”

Gilles Moëc, economista chefe e diretor de Research:

"A Comissão de Comércio de Futuros de Matérias-Primas (CFTC) dos EUA trata a bitcoin como uma matéria-prima e, de facto, esta é provavelmente a referência correta. Tal como o petróleo ou os metais preciosos, a quantidade total de bitcoin é, em última instância, finita. Isto significa que se a procura não muda, o seu preço deverá subir continuamente. Mas as matérias-primas de oferta finita costumam ter um uso não financeiro.

Bitcoin, Bitcoin: cinco dos maiores especialistas da AXA IM dão a sua opinião sobre a criptomoeda

O ouro pode ser utilizado para a joalharia, e o petróleo para propulsar veículos, o que, se os gostos e a tecnologia não mudarem, proporciona uma procura mínima para estes produtos, o que significa que o seu preço não vai cair para zero.

Que utilidade tem a bitcoin? Fundamentalmente, é um sistema de pagamento que compete com outros sistemas deste tipo. Não existe nenhuma procura mínima estrutural por bitcoin. O seu preço pode cair para zero. As oscilações nos seus preços podem refletir a preocupação dos investidores com a qualidade das moedas tradicionais, se estiverem preocupados com a criação monetária excessiva no quadro de uma política monetária não convencional, ou se estão incomodados com o facto de alguns governos usarem a sua moeda como fonte de poder, por exemplo, através de sanções. Mas, na minha opinião, apresentar a bitcoin como uma moeda alternativa adequada é enganoso.

Há pelo menos uma matéria-prima de oferta finita que se utilizou durante muito tempo como moeda: o ouro (e a prata). Mas o mesmo motivo pelo qual o mundo acabou por desistir do ouro como âncora do sistema monetário é o mesmo motivo pelo qual a bitcoin não pode ser usada com segurança como moeda de referência. O sistema do ouro falhou porque os bancos centrais ricos em ouro não tinham a obrigação de o emprestar aos países devedores.

A liquidez do sistema era demasiado restrita e contribuiu para crises financeiras massivas. Mais recentemente, em março de 2020, o mundo recordou-se do porquê de os bancos centrais desempenharem um papel crucial em tempos e incerteza massiva: podem criar liquidez sem limites. O problema com a bitcoin não é tanto não haver um “gerador” central que possa regular a liquidez, mas que opera sob uma escassez programada."

Vincent Vinatier, Framlington Equities, gestor de carteiras – FinTech e Finanças:

"Não apoiamos especialmente as criptomoedas em geral. Do meu ponto de vista, a bitcoin não é um ativo para se investir: não há fluxos de caixa, nem valor residual, nem valor de uso, e é muito volátil para ser usado como meio de pagamento. É um ativo especulativo que pode valer 10 ou 10 milhões de dólares. Fundamentalmente, acreditamos que muito do interesse público na bitcoin é impulsionado pelo seu desempenho recente e a sua adoção por alguns participantes da indústria é especulativa.

Bitcoin, Bitcoin: cinco dos maiores especialistas da AXA IM dão a sua opinião sobre a criptomoeda

A ideia de que a bitcoin não está correlacionada com outros ativos não é verdade, é altamente correlacionado com uma tecnologia específica. Mas quando a inflação começar a subir e as taxas de juro recuperarem, os investidores provavelmente conseguirão obter um retorno decente sobre outros ativos e o apetite por bitcoin e outras criptomoedas diminuirá.

No entanto, onde estamos mais positivos é na tecnologia blockchain, uma vez que tem várias aplicações promissoras, como a negociação de moedas. Também esperamos que moedas digitais “oficiais” se materializem nos próximos anos; o Banco Central Europeu, a Reserva Federal e o Banco Popular da China, entre outros, estão a estudar isso. Mas estas são as chamadas “stablecoins”, que são apoiadas em ativos tangíveis e, portanto, estão a um mundo de distância do bitcoin."

Christophe Herpet, diretor global de AXA Fixed Income e Buy & Maintain:

"Há uma distinção entre o "dinheiro", o ativo que é trocado, e o "mecanismo de troca", o processo pelo qual um ativo é transferido. A bitcoin não é uma nova classe de dinheiro, é um novo tipo de mecanismo de troca, que pode suportar uma variedade de formas de dinheiro, bem como tipos de ativos. A capacidade de conduzir trocas eletrónicas sem uma contraparte confiável (uma característica definidora da bitcoin) é radicalmente nova.

Bitcoin, Bitcoin: cinco dos maiores especialistas da AXA IM dão a sua opinião sobre a criptomoeda

Ao contrário das moedas tradicionais, cujos agregados monetários crescem exponencialmente (graças à política dos bancos centrais), a bitcoin está limitada a 21 milhões de unidades. Isso torna-a num stock de valor em relação às principais moedas, que valem cada vez menos em termos reais devido às políticas monetárias. Na minha opinião, o preço desta criptomoeda será menos volátil quanto mais perto estivermos do máximo.

Mas antes disso, os seus movimentos podem ser impressionantes, pois o valor desse mecanismo de negociação não é conhecido. O fundador da Tesla, Elon Musk, planeia aceitar a moeda como pagamento pelos carros da Tesla e analistas veem isso como uma grande mudança, já que algumas empresas e casas de investimentos seguem os pequenos comerciantes no tema da bitcoin."

Paul Flavier, diretor global da Rosenberg Equities:

"É legítimo preferir uma moeda estável, segura e líquida para servir de reserva de valor e de meio de pagamento, dois dos principais atributos de uma moeda. Embora possa mudar, a bitcoin nos seus primeiros anos parecia sofrer de inúmeros problemas, principalmente (além do fator da falta de liquidez) a instabilidade.

Bitcoin, Bitcoin: cinco dos maiores especialistas da AXA IM dão a sua opinião sobre a criptomoeda

Tornou alguns investidores muito ricos, mas a sua natureza extremamente volátil é o oposto do que é esperado (ou desejado) de uma moeda. No geral, é interessante ver a empatia da economia digital com os comportamentos especulativos. O segundo problema tem a ver com a falta de segurança: os hackers e a opacidade das plataformas tornam real o risco de se perder tudo. Não é exatamente garantido pela Federal Deposit Insurance Corporation, enquanto em termos de combate à lavagem de dinheiro, a rastreabilidade da bitcoin é uma oportunidade realmente perdida.

Poderá a bitcoin ser uma classe de ativos do futuro? É possível que a bitcoin desenvolva algumas características de uma moeda ou ativo tradicional no futuro. Porém, mesmo com o aumento do interesse das instituições financeiras pela criptomoeda, a sua volatilidade de preços, a sua existência além dos acordos legais tradicionais, bem como sua falta de fundamento em qualquer atividade económica fundamental, podem fazer desta uma longa jornada, incerta e árdua.

Talvez a maior preocupação dos investidores responsáveis ​​a longo prazo seja o impacto ambiental indireto. À medida que a comunidade de investimentos se esforça para descarbonizar as carteiras de investimento, podemos ter certeza de que o futuro fornecimento e a comercialização de cripto-tokens poderão contribuir para as metas de zero carbono? Como o meio ambiente está atualmente, não estamos nada convencidos."