Carlos Capela (Federated Hermes): "Se o que oferece uma gestora é uma commodity, não pode cobrar comissões elevadas"

Federate Hermes, Carlos Capela (Federated Hermes): "Se o que oferece uma gestora é uma commodity, não pode cobrar comissões elevadas"
Créditos: Foto cedida pela Federated Hermes

Há dois anos, a Federated Hermes, gestora resultante da fusão da Federated Investors com a Hermes IM , decidiu dinamizar o seu negócio na Península Ibérica com a instalação de um escritório de representação local. Foi inaugurado em julho de 2020, em plena pandemia, e colocou à frente da mesma Carlos Capela, que presta serviço aos investidores portugueses, espanhóis e de andorra.

A prova do crescimento na região está no facto de nos últimos meses ter ampliado a sua equipa com a contratação de Melanie Lang, que se juntou à equipa de vendas de uma gestora que já conta com quase 650.000 milhões de dólares em ativos geridos a nível global e cuja plataforma de votação por procuração e engagement, EOS, supervisiona um património líquido de 1,75 biliões de dólares.

Segundo Capela, notaram uma mudança significativa nas preferências dos clientes durante esse período. Embora os clientes finais continuem com um perfil mais conservador do que em outros mercados, notaram que o seu perfil risco-retorno tem vindo a mudar no que diz respeito às obrigações. “Houve um salto para posições mais agressivas, pois muitas pessoas tiveram sucesso em aumentar o seu perfil de risco nos últimos anos”, diz. E embora reconheça que agora há uma preocupação maior com a questão das avaliações, “há pouco movimento, já que a alternativa em rendimento fixo é assumir um retorno negativo”, afirma. De facto, tem notado um aumento do interesse pelas obrigações emergentes como forma de concretizar aquela rentabilidade cada vez mais difícil de obter no mercado de dívida.

O que o investidor ibérico pede?

“O que o investidor ibérico nos pede são estratégias emergentes, mas também percebemos entradas de dinheiro em fixed income flexível e em high yield sustentável”, afirma. E destaca que, principalmente por parte dos clientes mais institucionais, vem-se percebendo um maior interesse por ativos alternativos. “Parecia uma aberração para nós que não fossem tão levados em consideração, mas agora toda a gente já está a falar sobre isso, é uma questão de educação financeira”, diz.

Na verdade, está convencido de que esses tipos de ativos são essenciais para o bom desempenho do setor de gestão. Principalmente para empresas ativas como a Federated Hermes, por se tratar de um tipo de investimento dificilmente replicável. “Acho que a indústria está a caminhar para um modelo de investimento passivo combinado com gestão ativa nos mercados mais ineficientes, onde o alfa pode ser gerado”, diz. E alerta: “Se o produto oferecido por uma gestora for uma commodity, não se pode cobrar altas comissões”.

ESG, no seu DNA

Juntamente com o aumento de ativos alternativos ilíquidos, também destaca a importância que o ESG está a ganhar entre os distribuidores. Interesse que têm mais do que coberto. Em primeiro lugar, porque a gestora, que há alguns anos era apelidada de "hippie da cidade", presidiu à comissão de redação dos PRI (Princípios para o Investimento Responsável) da ONU. E, em segundo lugar, graças à EOS, uma prestadora de serviços de stewardship fundada pela gestora em 2004 e que tem 1,75 biliões de dólares sob supervisão por meio do seu envolvimento corporativo e serviços de votação por procuração.

Com esta ferramenta, o que se busca é alcançar um maior envolvimento com as empresas, uma vez que investidores com menor capacidade em ESG delegam o engagement com as empresas para atingir diferentes objetivos em termos de sustentabilidade de forma colaborativa. Com este ramo de negócio como parte da gestora, é normal que todos os seus fundos sejam classificados como artigo 8 ou 9 de acordo com o Regulamento SFDR.

Em relação aos planos que a empresa tem para a Península Ibérica, Carlos Capela está tranquilo, pois, sendo uma empresa familiar, evita o curto prazo e pensa em prazos mais longos. “Nenhuma meta anual foi definida, mas o que eles querem é que o escritório seja lucrativo e isso dá muita tranquilidade”, afirma.