Cinco questões-chave sobre o contexto macroeconómico atual respondidas em cinco gráficos

Elena Domecq. Créditos: Cedida (J.P. Morgan AM)

Os últimos dados macroeconómicos confirmam a teoria da J.P. Morgan AM de há alguns meses: já vivemos o melhor da recuperação.  Os números do crescimento do terceiro trimestre são ligeiramente mais fracos do que no primeiro semestre do ano. Mas está longe de ser uma bandeira vermelha. Para Elena Domecq, da equipa de Clientes e Estratégia para Portugal da J.P. Morgan AM, são dados que fazem todo o sentido.

Primeiro, porque era difícil manter um ritmo de crescimento tão elevado.  Em segundo lugar, porque não devemos esquecer que a pandemia ainda não acabou. Recordemo-nos que no verão a variante Delta estava a varrer as principais economias europeias. E isso, inevitavelmente, tem impacto na economia. Esta crescente fraqueza económica não alterou de todo as previsões da J.P. Morgan AM. “Continuamos a ter uma visão muito construtiva.  Acreditamos que o crescimento se manterá acima da tendência, tanto este ano como no próximo”, disse. Isto significa que não há riscos no horizonte? Não. Embora a tese a longo prazo permaneça sólida, Elena Domecq reconhece alguns obstáculos a curto prazo que terão de ser monitorizados.

1. A pandemia ainda não acabou

Um risco ainda latente são os últimos golpes da pandemia.  O ritmo da vacinação está a ser o mesmo entre os países desenvolvidos e os países emergentes. E as cadeias de produção ressentem isso, com a consequente escassez no fornecimento de bens. Tudo isto tem consequências diretas no crescimento económico.

2. A política monetária e fiscal está de saída

“Não faz sentido continuar a aplicar a mesma política monetária do que quando estávamos no meio da crise”, afirma Elena Domecq. E face a uma recuperação tão rápida como a que vivemos, era de esperar que as políticas e os estímulos também se esgotassem antes do que em outras crises. Embora a J.P. Morgan não espere fortes aumentos de taxas, insistem que mais cedo ou mais tarde veremos uma normalização moderada.

3. O que se passa na China?

Elena Domecq é clara: a China não está a mudar o seu modelo político.  Na opinião da especialista, as medidas tomadas pelo Governo chinês nos últimos meses seguem um caminho claramente marcado: o do crescimento sustentável.  O que o próprio governo chamou de prosperidade partilhada. “Temos de perceber de onde vem a China, explica Elena Domecq. É um país que durante anos alcançou um crescimento próximo dos dois dígitos. Agora, está disposto a abdicar de parte desse boom em troca de uma maior igualdade entre a sua população. “Estão à procura de um crescimento de qualidade”, explica.

Dito isto, é inevitável que este novo modelo económico tenha um impacto. Será crucial compreendê-lo e marcá-lo em cada setor para prever corretamente o risco.

4. Até onde chegará a inflação

Não se fala de previsões macroeconómicas sem mencionar a inflação. E o debate está aberto. Neste momento, na J.P. Morgan AM continuam a considerar que a inflação atual é transitória. Com efeito, nas perspetivas que apresentam, o ritmo de crescimento dos preços irá abrandar a partir de agora, mas ainda acreditam que permanecerá em níveis próximos ou acima de 2%. “Este ciclo económico será provavelmente caracterizado por uma inflação mais elevada do que no anterior”, prevê Elena Domecq.

5. Os lucros empresariais apoiam as ações

As ações continuam a ser o ativo preferido da J.P. Morgan AM, especialmente em comparação com as obrigações, onde permanecem subponderados em duration. Dito isto, não devemos ignorar os atuais níveis das valuations. Por enquanto, o motor dos mercados bolsistas continua a ser os lucros das empresas. Na conferência anterior, Elena Domecq disse que a chave para manter as subidas nos mercados foi a época de resultados. E, por agora, parece que estão a ser cumpridos e até a superar as expetativas. No entanto, também espera que o último trimestre do ano seja menos espetacular do que o início de 2021.