COP26 entre luzes e sombras. A análise das gestoras internacionais sobre o que foi decidido até agora

COP26, COP26 entre luzes e sombras. A análise das gestoras internacionais sobre o que foi decidido até agora
Créditos: Nasa (Unsplash)

Faltam apenas alguns dias para o fim da COP26 em Glasgow, onde líderes mundiais de governos, empresas e sociedade civil se reuniram para encontrar acordos para combater as alterações climáticas. Foram dados alguns passos importantes: o compromisso de parar a desflorestação até 2030; o plano patrocinado pelos EUA e pela UE - a que cem países aderiram - para reduzir as emissões de metano em 30% em dez anos; o bloqueio ao financiamento da indústria fóssil, onde 25 países vão parar os seus projetos financiados no estrangeiro com combustíveis fósseis até ao final de 2022 e, finalmente, o acordo de 40 países para deixar de usar carvão,  embora os principais consumidores, nomeadamente os Estados Unidos e a China, o tenham abandonado.

Mas as expetativas em torno do encontro são elevadas e, de muitas partes, o pedido de um maior esforço é dirigido de muitos quadrantes. Mais esforço. Principalmente à luz dos dados divulgados nos últimos dias pela Agência da ONU para meio ambiente (UNEP), que destacou que em 2021 as emissões de CO2, após a queda devido à pandemia, tiveram uma recuperação mais forte do que o esperado de volta aos níveis de 2019.

Eis as opiniões de alguns especialistas das gestoras internacionais sobre o que tem sido feito até agora e sobre os desafios ainda em aberto para os últimos dias da COP26.