Cumprir critérios ESG e, ao mesmo tempo, investir em mercados emergentes? Está aberto o debate

ISR, Cumprir critérios ESG e, ao mesmo tempo, investir em mercados emergentes? Está aberto o debate
Créditos: Josh Hild (Unsplash)

Existem instituições mais fracas e com menos proteção para os acionistas minoritários e, portanto, é mais difícil elaborar uma estratégia de investimento responsável. Foi assim que o Ministro das Finanças norueguês se referiu ao investimento em mercados emergentes. Na revisão anual da estratégia do fundo soberano, Jan Tore Sanner abriu o debate sobre a relação (ou falta dela) entre os mercados emergentes e o ESG.

Anunciaram que o fundo soberano do país, o maior do mundo, não adicionará mais mercados emergentes ao seu índice de referência. Esta decisão técnica limitará a exposição do fundo de pensões a esta classe de ativos. Na verdade, a Arábia Saudita e a Roménia foram duas regiões que entraram recentemente no índice FTSE Global All Cap do índice FTSE Russell, a referência atual, e agora serão deixadas de fora do fundo norueguês.

Para Anthony Kettle, gestor sénior da BlueBay AM, esta noção de que os mercados emergentes e o ESG não podem andar de mãos dadas é falsa. O especialista reconhece o desafio da falta de transparência para algumas empresas de mercados emergentes. “Mas também é justo dizer que certas métricas de avaliação do ESG estão altamente correlacionadas com os níveis de ganhos. Algo que, portanto, pode afetar desproporcionalmente os países mais pobres, provavelmente os que mais precisam de capital”, argumenta.

Também reprova que a abordagem um tanto estática das classificações ESG das agências tenha perpetuado ainda mais essa perceção. “Não distinguem entre o instantâneo do nível atual de risco ESG e a materialidade da direção atual da trajetória dos emissores emergentes”, insiste.

Os emergentes estão a abrir-se à evolução do ESG

Porque partir de uma base mais baixa na escala ESG não significa que não há potencial. De facto, segundo a experiência do gestor, acontece precisamente o contrário. Segundo conta, os emissores de países emergentes tendem a estar mais abertos a dialogar sobre temas ESG.

Uma possível explicação estará no facto de que não têm tantas fontes alternativas de financiamento. Isto dá mais poder aos compradores/credores de dívida. Não obstante, também notaram que, em muitos casos, o compromisso desempenha um papel positivo importante no momento de aumentar a consciência entre os emissores de mercados emergentes no que concerne o valor da transparência e o diálogo aberto, assim como as práticas de mercado e os desenvolvimentos neste campo.

“Os governos dos mercados emergentes também estão a ver cada vez mais o impacto que o ESG pode ter nas opiniões dos investidores. E, portanto, nos seus custos de endividamento, o que abre mais oportunidades de diálogo sobre estes temas”, conta Kettle.

A seu ver, parte deste processo quanto à ISR nos emergentes já se nota. “Certos setores conseguem, naturalmente, credenciais ESG mais sólidas. O setor das energias renováveis na Ásia na América Latina foi uma área de crescimento chave”, destaca o gestor. Outros setores, em particular os que consomem muitos recursos, têm perfis mais desafiantes, mas na sua opinião os emergentes mostraram-se mais recetivos a tratar de melhorar as suas classificações ESG. Por exemplo, recentemente viram um aumento na emissão de obrigações vinculadas à sustentabilidade, particularmente do setor industrial, que se encontra no extremo de maior risco do espectro ESG. O setor das telecomunicações é outro que tem um exemplo positivo de compromisso ESG.

Uma questão de tamanho

Por último, destaca o facto de que nos mercados emergentes não podem ser ignorados os avanços do investimento sustentável. Como bem ressalta, o universo dos mercados emergentes representa aproximadamente 60% da economia mundial e 75% do crescimento mundial, quase o dobro de há 20 anos. Também representa mais de dois biliões de dólares, ou aproximadamente uma quarta parte do mercado mundial de obrigações. “O papel deste segmento de emissores inevitavelmente voltará a ser mais significativo nos desenvolvimentos económicos e sociais globais, incluindo a capacidade de avançar para objetivos ESG mais vastos”, sentencia.

E já se está a notar um crescimento no mercado de obrigações emergentes. Nos últimos anos, viu-se uma onda de emissão de obrigações é ESG, que falam desde as green bonds até à sustentabilidade vinculada aos laços sociais. Esta tendência foi ganhando terreno até nos setores mais tradicionais (como as energias renováveis), com a emissão de empresas de cimento, de peças para automóveis e petroquímicas. “Isto não só demonstra que a relevância do debate está a crescer, mas que também oferece aos investidores um conjunto de oportunidades mais amplo de setores nos quais investir, no espaço favorável aos ESG”, afirma Kettle.

Emissões de mercados emergentes ESG

ISR, Cumprir critérios ESG e, ao mesmo tempo, investir em mercados emergentes? Está aberto o debate
Fonte: Bank of America, abril de 2021. Dados em milhões de dólares americanos.

A força desta tendência mostra a rapidez com que o mercado pode aproveitar novas oportunidades, e o reconhecimento do valor ESG como ponto de venda chave na obtenção de capital é um avanço positivo”, sentencia o gestor. Não obstante, detalha também que existem algumas preocupações, muitas delas válidas com respeito ao greenwashing.