Diversificação das cadeias de abastecimento: quem beneficia especificamente?

cidade_industria_economia
Créditos: Vlad Busuioc (Unsplash)

Durante a crise da Covid, partes fundamentais das cadeias de fornecimento globais entraram em colapso, levando à escassez de tudo, de material e equipamentos médicos a móveis e peças de automóveis. As tensões entre os Estados Unidos e a China, bem como a invasão da Ucrânia pela Rússia, também destacam o risco de depender de um único fornecedor para suprimentos críticos, como energia, alimentos e chips de computador.

De acordo com Christophe Braun, diretor de Investimentos da Capital Group, muitas empresas aprenderam com essa situação e agora estão a procurar diversificar ainda mais as suas cadeias de fornecimento. “Por exemplo, alguns estão a deslocar a sua produção para o seu local de origem ou para outros países. Embora seja impossível substituir a China como a maior base industrial do mundo, muitas empresas estão agora à procura de locais adicionais”, afirma. Há quatro áreas que poderão beneficiar desta diversificação das cadeias de abastecimento nos próximos anos:

Beneficiário n.º 1: Índia

Christophe Braun vê a Índia como o país que mais poderá beneficiar da diversificação da cadeia de abastecimento, graças à sua proximidade com a China, mão de obra qualificada e economia orientada para negócios em rápido crescimento. “O governo indiano tomou medidas ousadas para incentivar a expansão das instalações de fabricação, especialmente no setor de smartphones, onde a Apple, por exemplo, está a trabalhar com empresas como a Foxconn para construir os iPhones mais recentes”. O profissional espera que o setor industrial acelere na próxima década, o que deve impulsionar o crescimento da economia do país e impulsionar outros setores, como bancos, energia e telecomunicações. “A Índia está provavelmente melhor posicionada hoje do que a China há 20 anos”.

Beneficiário n.º 2: México

Assim como a Índia, o especialista destaca que a proximidade do México com uma das maiores economias do mundo o torna um lugar atrativo para expandir a produção e a logística. Muitas empresas americanas migraram para o país na década de 1990, após a aprovação do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA). Este processo foi acelerado na sequência do acordo sucessor do USMCA, ratificado pelos EUA, Canadá e México em 2020. As exportações anuais do México para os Estados Unidos aumentaram consideravelmente nos últimos anos.

“Embora muito disso se deva à influência de empresas americanas, a China também está a aumentar a sua presença no país. Por exemplo, o Grupo Hisense, um dos maiores fabricantes de eletrodomésticos da China, está atualmente a construir um parque industrial de 260 milhões de dólares em Monterrey para produzir frigoríficos, máquinas de lavar roupa e ares-condicionados para o mercado dos EUA.  No setor automóvel, a BMW e a Nissan também expandiram recentemente as suas capacidades a sul da fronteira dos EUA”.

Beneficiário n.º 3: provedores de automação

Christophe Braun acredita que um dos maiores obstáculos à diversificação da capacidade produtiva global é a escassez de mão de obra existente, especialmente nos países desenvolvidos. “No entanto, a automação baseada em inteligência artificial deve responder a esse problema”, diz o especialista. Muitos países asiáticos podem liderar o caminho com os seus altos níveis de automação industrial, e os EUA e a Europa provavelmente seguirão. Ambas as regiões têm espaço para crescimento”, afirma, o que oferece perspetivas positivas para empresas líderes no setor global de robótica, como a Keyence no Japão, a Schneider Electric em França e ABB na Suíça.

Além disso, a Amazon está a desenvolver a sua própria tecnologia de Inteligência Artificial. “A Amazon tem um novo dispositivo robótico de pick-and-pack chamado Sparrow que pode pegar em mais de 60 milhões de produtos diferentes e embalá-los em caixas de envio. Assim, qualquer seleção é feita numa questão de segundos”, afirma Braun. Há apenas sete anos, os robôs experimentais da Amazon só podiam lidar com um pequeno número de itens, e cada recolha levava alguns minutos. Braun acredita que esta tecnologia está a avançar mais rápido do que muitos pensam, e o seu valor ainda não está refletido nos preços das ações de grandes empresas americanas e europeias.

Beneficiário n.º 4: empresas multinacionais

Embora possa parecer bastante contraditório, as multinacionais que mais beneficiaram do ritmo acelerado da globalização no passado podem estar mais bem preparadas para um período de desglobalização. “As maiores e mais dominantes empresas do mundo alcançaram esta posição por uma razão: muitas vezes têm a experiência e os recursos necessários para se adaptarem melhor às mudanças nos padrões de negócios do que as empresas menores que operam apenas em mercados individuais”.

Na sua opinião, as multinacionais bem geridas vão manter as suas instalações de produção internacional e base de clientes internacionais, mas vão integrar cada vez mais redundâncias locais nas suas operações. Braun chama-lhe multilocalização. Isso inclui mover algumas partes da cadeia de fornecimento de volta para os Estados Unidos, continuar a terceirizar outras partes e construir novas instalações de produção em áreas-chave em todo o mundo.