Fatores cíclicos e estruturais que explicam o bom comportamento da bolsa japonesa no primeiro semestre

japao asia noticia
Créditos: David Edelstein (Unsplash)

A bolsa japonesa tem sido uma das grandes revelações do ano. Valorizou em quase 30%, situando-se entre as que mais subiram no primeiro semestre do ano. O Nikkei foi o que teve melhor desempenho à escala mundial nos últimos seis meses, ganhando quase 8%, em comparação com o MSCI AC World que subiu 2,5%. Como resultado, quase regressou aos máximos em relação às ações globais que alcançou no ano passado. Está em máximos não observados desde 1989.

Para Wolf von Rotberg, estratega de ações na J. Safra Sarasin Sustainable AM, é muito claro o que explica a força mostrada pelas ações japonesas durante este período. “O iene japonês é mais importante do que qualquer outro fator para explicar a evolução das ações nipónicas, não só de uma perspetiva cíclica, mas também a longo prazo. De facto, os recentes máximos do mercado de ações japonês coincidiram com mínimos do iene ponderado pelo comércio”.

Iene e COVID, fatores cíclicos

Segundo explica, a divisa japonesa tem sido impulsionada por movimentos na extremidade longa da curva do Tesouro norte-americano, uma vez que a curva de yields japonesa está ligada ao controlo da curva de yields do Banco do Japão. A sua expetativa é que o Banco do Japão flexibilize o controlo da curva de yields nos próximos trimestres e que as yields norte-americanas diminuam. “Isto faz com que seja provável que o iene se fortaleça nos próximos seis a 12 meses”.

Outro fator cíclico que pode explicar o melhor desempenho relativo da bolsa de Tóquio é assinalado por Masaki Taketsume, gestor de fundos de ações japonesas da Schroders e Taku Arai, diretor de Investimentos em Ações Japonesas na entidade. “A economia japonesa demorou a reabrir depois da pandemia da COVID-19. Isto inspira confiança no crescimento dos lucros corporativos este ano, juntamente com valorizações atrativas para todo o mercado de ações japonês”, afirma.

A grande mudança estrutural

Mas, além disto, há uma mudança estrutural no Japão depois do apelo da Bolsa de Tóquio, no início do ano, para que as empresas se concentrem em alcançar um crescimento sustentável e em melhorar o valor corporativo, dirigido especialmente às empresas com um rácio preço/valor contabilístico inferior a um. Espera-se que as empresas anunciem os seus planos no prazo de um ano e os renovem anualmente. “Isto é mais importante como desenvolvimento estrutural a longo prazo”, afirmam.

Basicamente, um rácio preço/valor contabilístico inferior a um indica que os investidores têm uma visão mais cética da rentabilidade futura da empresa e do seu potencial de crescimento. Por isso, as autoridades bolsistas salientaram especificamente que uma empresa deve perseguir um ROE mais elevado, ao mesmo tempo que mede e gere o custo do capital. “Estes são exatamente os temas sobre os quais os investidores globais querem falar com a administração da empresa e acreditamos que isto está finalmente a ter um reconhecimento oficial por parte das empresas japonesas”.

Atualmente, existem muitas empresas cotadas no Japão com rácios P/VC inferiores a um. E - segundo Masaki Taketsume e Taku Arai - isto significa que existem muitas empresas com potencial para se valorizarem mais, se convencerem os investidores que o devem fazer.

Distribuição das empresas do Topix em função do seu rácio P/Valor Contabilístico

Como as empresas podem aumentar o seu rácio P/VC?

O pedido da Bolsa de Tóquio menciona especificamente medidas como o reforço de iniciativas como o investimento em I+D (e capital humano que conduza à criação de propriedade intelectual e ativos intangíveis que contribuam para o crescimento sustentável), o investimento em equipamentos e instalações e a reestruturação da carteira de negócios. Outro método consiste em aumentar os retornos para os acionistas, através de dividendos ou recompras (em que a empresa recompra as suas próprias ações).

“Começamos a ver vários exemplos durante a época de resultados do ano no Japão, entre maio e junho, o que foi uma agradável surpresa. Para o último ano fiscal, que terminou em março de 2023, o valor dos planos de recompra de ações anunciados pelas empresas registaram máximos históricos, superando o nível dos dois últimos exercícios”, sublinham os especialistas da Schroders.

Posição líquida em caixa

“A boa notícia é que as empresas japonesas estão bem posicionadas para adotar algumas ou todas estas medidas. A percentagem de empresas com uma posição de tesouraria líquida, ou dinheiro no balanço superior ao seu passivo, é de 50%. Isto dá a essas empresas margem para investir no seu negócio, ou aumentar a rentabilidade para os acionistas, ou talvez ambos”, indicam. De facto, já há indícios encorajadores de que muitas empresas japonesas estão a seguir o apelo da Bolsa de Tóquio e estão a aumentar os seus benefícios para os acionistas.

“O Japão continua a ser um dos nossos mercados favoritos. Há uma grande possibilidade de que o seu mercado tenha entrado numa fase de aumento secular a longo prazo. As perspetivas ascendentes a longo prazo para as empresas japonesas ainda não foram totalmente consideradas e, como tal, existem oportunidades convincentes, particularmente para os investidores ativos e comprometidos em permanecer no mercado”, conclui Carl Vine, codiretora de Investimentos de Ações na Ásia Pacífico da M&G Investments.