Inflação nos EUA marca máximos não vistos em 30 anos: poderemos continuar a falar de um aumento transitório?

inflação, Inflação nos EUA marca máximos não vistos em 30 anos: poderemos continuar a falar de um aumento transitório?
Créditos: Luca Micheli (Unsplash)

Esperava-se um dado elevado, mas não tanto. Esta quarta-feira, foi publicado o dado do IPC nos EUA que deixou alguns analistas sem palavras e os mercados a negociar a possibilidade de que a natureza transitória que acompanha sempre a palavra inflação desapareça. Concretamente, os preços subiram 0,9% em outubro face a setembro, muito mais do que os 0,6% esperados. E este número elevou o valor interanual do IPC para 6,2%, que é já o valor mais alto desde 1991.

Mas o mais preocupante é que este aumento não só se verificou nos dados gerais da inflação, mas também na inflação subjacente, que se situou em níveis de 4,6%, também o maior nos últimos trinta anos. “O mais significativo são os dados da inflação subjacente. Isto porque até agora o principal argumento a favor da inflação transitória baseou-se no facto de as subidas terem acontecido principalmente em elementos de elevada volatilidade, como a energia ou os alimentos, que podem cair rapidamente com a mesma força com que subiram”, afirma Victor Alvargonzález, da Nextep finance.

Embora a subida da energia tenha sido o que teve maior impacto neste novo aumento de preços, não foi o único. “Os preços das casas aumentaram 0,5%. Os preços dos bens básicos, que incluem muitos itens afetados pelos bottlenecks da cadeia de abastecimento, aumentaram 1% após um aumento muito menor de 0,2% em setembro”, comenta David Kohl, economista-chefe da Julius Baer. “O relatório do IPC de outubro mostrou que os preços de uma vasta gama de produtos de retalho aumentaram mais do que o previsto. Isto aconteceu à medida que os consumidores antecipavam as suas compras de férias e a aceleração das categorias de alojamento nos últimos dois meses também foi mais forte do que o previsto”, afirma Tiffany Wilding, economista norte-americana da PIMCO.

Quanto tempo a paciência da Fed vai durar

É esta generalização aliada à elevada taxa de inflação que leva muitos especialistas a questionarem-se se esta transição que a Fed de Powell usa para justificar as suas taxas a 0% começa a estar mais próxima da utopia do que da realidade. “Este longo período de transição tem pressionado a Reserva Federal e, no entanto, duvidamos que aja antes do final de 2022. Não só há um longo período de inflação acima do objetivo nas previsões da Fed, como o seu foco prioritário na obtenção do máximo de emprego sugere que a Fed manterá uma postura mais paciente”, disse Seema Shah, responsável de Estratégia da Principal Global Investors. Neste momento, na PIMCO, contemplam duas subidas de taxas em 2022 e mais três ou quatro aumentos em 2023.

Outra coisa será o impacto que estes aumentos têm nos consumidores, que podem atrasar as suas compras face ao aumento dos preços, e aos investidores, que podem começar a procurar refúgios para os proteger do aumento dos preços. De facto, o ouro acumulou desde quarta-feira um aumento próximo de 2%. Segundo o Capital Group, é a partir do nível de 6% que se tem verificado um impacto negativo da inflação nos mercados de obrigações e ações.