Mais um mês de grande atividade no universo de fundos imobiliários nacional

casas_noruega
Créditos: Simon Williams (Unsplash)

Em junho de 2023, o agregado dos ativos geridos por fundos de investimento imobiliários nacionais (fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI)) atingiu 12.463,1 milhões de euros, o que representa um crescimento de 0,84% ou 104,1 milhões face a maio. Contudo, o crescimento deu-se praticamente apenas no universo dos fundos fechados, nomeadamente os FII e FEII fechados. O conjunto dos fundos abertos recuou 0,54% para os 4.529,88 milhões de euros.

Em junho, foi constituído o fundo especial de Investimento Imobiliário Florestas de Portugal, gerido pela Fidelidade, e duas sociedades especiais de investimento imobiliário, a ZW CAPITAL, gerida pela Imorendimento, e a Predipalma - Empreendimentos Imobiliários, gerida pela Predipalma - Empreendimentos Imobiliários.

Deu-se também no mês a transferência de gestão do fundo especial de investimento imobiliário fechado OFFICE PARK EXPO, da Libertas para a Sierra IG, e a gestão da sociedade de investimento imobiliário OBVI INVESTMENTS passou da Insula Capital para a LYNX AM.

Como consequência deste último movimento, a Lynx AM continua a reforçar a sua quota de mercado e a consolidar o lugar de terceira maior gestora de fundos imobiliários nacional. O mercado é liderado pela Square AM, com 12,7%, pela Interfundos, com 8,1%, e pela já referida Lynx Asset Managers, com 7,4%.

No mesmo período, foram ainda liquidados o fundo de investimento imobiliário GNB alta Vista e o fundo de gestão de património imobiliário FUNGEPI NB II, ambos geridos pela GNB Real Estate.