O problema na Europa não é a trajetória da dívida, mas do défice

défice, O problema na Europa não é a trajetória da dívida, mas do défice
Stephane Déo. Créditos: Cedida (Ostrum AM)

Nas últimas duas décadas, o nível da dívida continuou a subir, mas as taxas continuaram a descer. Então, o que se passa com o serviço da dívida? Isto é: o que se passa com os pagamentos que devem ser feitos pelos estados europeus que se endividaram? Para 2022, os dados das últimas perspetivas da OCDE mostram que, para vários países da zona euro, a sua dívida aumentará este ano. Mas todos verão também o seu serviço de dívida reduzido.

Sem entrar em muitos pormenores nos cálculos, na Ostrum AM, filial da Natixis IM, analisaram linha por linha os valores emitidos pelo Tesouro francês e atingiram um valor menos favorável, com uma queda de apenas 1.500 milhões. Um número que continua a ser substancial, mas mais modesto. “Sem dúvida, um efeito do recente aumento das taxas que reduz a poupança em novas emissões”, explica Stéphane Déo, responsável de Estratégia de Mercado da entidade.

Algumas simulações do serviço da dívida

Na sua opinião, a trajetória da dívida não é fundamentalmente afetada pelo nível das taxas, que se mantém muito baixo e, portanto, muito favorável. “O problema é o nível de défice. O défice projetado para a zona euro, segundo dados da OCDE, mantém-se nos 3,8%, um valor claramente excessivo para estabilizar o rácio dívida/PIB. Depois temos de introduzir outro conceito, o de um défice estabilizador”, defende. Este é o nível de défice para um determinado nível de dívida, taxas de juro e crescimento, que estabilizará a relação dívida/PIB.

“Um défice maior criaria um aumento da dívida, portanto, um aumento do serviço da dívida, ou seja, um défice maior e, portanto, uma aceleração da dívida. Um caminho exponencial que não é sustentável”, adverte.

Na empresa calcularam estes défices estabilizadores para os países da zona euro. Em primeiro lugar, note-se que, segundo a OCDE, o défice está a melhorar este ano em 2,8 pontos percentuais. “É um número muito significativo. No entanto, ainda teremos de eliminar quase um ponto do défice para alcançar o equilíbrio. O objetivo deve ser fazer ainda melhor para que a dívida caia num período de recuperação”.

défice, O problema na Europa não é a trajetória da dívida, mas do défice
Fonte: Ostrum AM.

Os três grupos de países

As disparidades por país também são significativas. Essencialmente, há três grupos. A primeira, a dos maus alunos arrependidos. “São a Grécia e Portugal. Têm um elevado nível de dívida, mas uma posição orçamental favorável e, portanto, uma trajetória descendente do rácio dívida/PIB”.

O segundo, é o dos maus alunos impenitentes. Aqui estão a Bélgica, França, Espanha e Itália. “Com uma dívida elevada, mais de 100% do PIB, mas também um défice excessivo que não estabiliza o rácio e, portanto, a necessidade de um ajuste orçamental de pelo menos um ponto percentual do PIB”.

O terceiro grupo é o dos bons alunos. Nestes enquadram-se a Holanda, Irlanda, Alemanha e Áustria. “Têm rácios de dívida abaixo da média da UE e uma necessidade relativamente baixa de ajuste orçamental”.

défice, O problema na Europa não é a trajetória da dívida, mas do défice
Fonte: Ostrum AM.

Na sua opinião, estes níveis de défice são insustentáveis e devem ser eliminados o mais rapidamente possível durante períodos de forte crescimento. “Em teoria, estes défices excecionais estavam relacionados com a crise pandémica e, portanto, são de natureza puramente cíclica ou temporária e devem desinflar rapidamente. Na prática, parece que alguns Estados conseguiram transformar uma boa parte deste défice cíclico num estrutural, por exemplo, mantendo certas medidas de emergência”.

Trata-se de um objetivo louvável de apoio ao crescimento, mas a curto prazo, uma vez que coloca as finanças públicas em trajetórias que simplesmente não são sustentáveis. “O risco é, então, que, mais uma vez, o orçamento tenha de ser reforçado quando o mercado entrar em pânico, ou seja, durante a próxima crise. Em suma, caminhamos alegremente para uma política procíclica: sempre expansionista enquanto a economia recupera, e restritiva durante a próxima crise”, argumenta.