Esta semana vou estar de olho... no euro/dólar

Filipe Garcia_IMF
Créditos: Cedida

Esta semana vou estar de olho... é da autoria de Filipe Garcia, CESGA, economista da IMF - Informação de Mercados Financeiros.

Após os fortes ganhos acumulados em 2020, o Eur/Usd tem vindo a estabilizar em 2021. O câmbio tem vindo a lateralizar no intervalo (largo) entre os 1,16 e 1,24 dólares desde o início do ano. A volatilidade, implícita e observada, tendo vindo a cair desde o pico registado no início da pandemia e já se encontra novamente bem abaixo da média histórica. Esta estabilização pode ser vista como um acumular de energia dado que, no passado, a subida de volatilidade nunca foi gradual. Pelo contrário, houve disparos de volatilidade que surpreenderam o mercado.

Fonte: Refinitiv

A evolução do par cambial, nos últimos meses, tem acompanhado essencialmente as expectativas relativamente à evolução das políticas monetárias do BCE e Fed, persistindo ainda alguma incerteza em redor das mesmas, assim como da situação pandémica. Observa-se uma correlação interessante entre a evolução do Euro/Dólar e a evolução do diferencial de taxas de juro reais. Aliás, a evolução desse diferencial parece abrir espaço a uma valorização adicional do dólar. O facto de parecer cada vez mais provável que a Fed inicie mais cedo do que o BCE o longo processo de normalização da política monetária dá suporte ao dólar.

Tecnicamente a situação é interessante. O Euro/Dólar está nos últimos dias a tentar ressaltar novamente do suporte na zona de 1.16-1.17 dólares, uma zona que já foi alvo de vários testes ao longo dos últimos anos. Caso o suporte permaneça intacto, o Euro/Dólar poderá continuar sem direção e entre 1.17 e 1.19 dólares (a resistência mais próxima), como tem feito nas últimas semanas. No entanto, e por isso é que vou estar de olho no Euro/Dólar, a importância deste suporte merece ser destacada e sempre que o câmbio se aproxima destes níveis, a atenção deve ser redobrada.

Fonte: Refinitiv