O investimento em infraestruturas como resposta às necessidades globais

Jeremy Anagnos Nordea

TRIBUNA de Jeremy Anagnos, gestor da carteira da estratégia Global Listed Infrastructure da Nordea. Comentário patrocinado pela Nordea AM.

Infraestruturas: crescimento fundamental com um sólido impulso estrutural

A pandemia de COVID-19 afetou profundamente as economias e veio destacar a necessidade de uma abordagem  aos problemas de sustentabilidade no presente. Os governos por todo o mundo identificaram o gasto em infraestruturas, como serviços públicos, redes de telecomunicações e sistemas de transporte – como uma forma de resposta a estes dois tópicos. Nos Estados Unidos, o governo de Biden propôs um plano de investimento multimilionário com uma fatia importante a ser alocada ao financiamento em infraestruturas, enquanto que a União Europeia incluiu uma importante parcela de investimento no seu pacote de recuperação da pandemia de COVID-19.

Não obstante, a procura por sustentabilidade e o apoio à recuperação económica são fatores favoráveis à aceleração da tendência de crescimento subjacente ao investimento em infraestruturas. Mesmo em período pré-pandemia, a OCDE estimou uma lacuna no investimento em infraestruturas globais na ordem dos 6,3 biliões de US dólares anuais, necessários até 2030 para atingir os seus objetivos de desenvolvimento.

A estratégia Global Listed Infrastructure da Nordea Asset Management, gerida pela CBRE Clarion Securities, especialista em real assets, está perfeitamente posicionada para identificar esta oportunidade de crescimento no mercado. A equipa de investimentos especializada em infraestruturas listadas globais da CBRE Clarion Securities é constituída por um total de oito profissionais com uma experiência média no setor de 17 anos.

A descarbonização, o motor do crescimento ecológico

À medida que se atualizam os ativos de infraestruturas mais antigos, os seus substitutos são mais eficientes e limpos. O caminhar para uma maior sustentabilidade está a impulsionar o enorme investimento nas redes elétricas. “Prevê-se que os investimentos anuais venham a aumentar  em 50% entre 2020 e 2030, o que se traduzirá em lucros e dividendos bastante interessantes”, afirma Jeremy Anagnos, gestor de carteira da estratégia Global Listed Infrastructure da Nordea. As empresas de serviços públicos estão a substituir as centrais elétricas de carvão por energias renováveis. A tecnologia de armazenamento em baterias e a modernização das redes de distribuição elétrica – projetadas para enviar eletricidade em apenas uma direção, agora requerem a capacidade de capturar a produção gerada por painéis solares domésticos – oferecem oportunidades significativas para as empresas que estejam dispostas a investir nestas melhorias. “As empresas de serviços públicos integradas nas quais nos centramos, como o grupo italiano Enel, estão a facilitar esta transição. Este tipo de inovação é fundamental para que a sociedade transite para um futuro energético mais limpo”, observa James Crutcher, analista sénior da CRBE Clarion. Nos Estados Unidos, o pacote de infraestruturas de Biden propõe créditos fiscais ou financiamento para investimentos em energias limpas, infraestruturas elétricas e na sua distribuição.

Rentabilidades blindadas contra a inflação

O forte desempenho a longo prazo das empresas de infraestruturas listadas em comparação as ações em geral não se baseou no aumento nos múltiplos de valorização derivados da queda nas rentabilidades dos títulos de obrigações, mas foi o resultado do aumento na taxa de crescimento dos lucros subjacentes do setor.

Embora as empresas de infraestruturas listadas sejam frequentemente consideradas um investimento semelhante aos títulos de obrigações, que apresenta um bom desempenho em tempos de queda nas yields das obrigações, também se veem apoiadas em períodos de maior inflação. Mais de 80% do universo de ativos listados tem mecanismos explícitos ou implícitos para transferir a inflação para o utilizador final mediante quotas ou tarifas. No contexto atual, no qual o risco de inflação está mais orientado para subidas do que para descidas, esta é uma característica valiosa.

Avaliação – interessante em virtude de diversas variáveis

Ainda que, no geral, as infraestruturas listadas ofereçam proteção face a quedas e uma rentabilidade superior em contextos de maior volatilidade do mercado de ações, este não foi o cenário observado durante 2020. Apesar dos lucros da maior parte dos subsetores de infraestruturas terem permanecido relativamente estáveis ​​no último ano, os investidores concentraram-se nos segmentos mais afetados, como os aeroportos, cujo tráfego caiu entre 80% e 90%. Isto fez com que o segmento das infraestruturas listadas apresentasse níveis de avaliação em mínimos históricos em comparação com ações globais, obrigações corporativas e ativos de infraestruturas não listados.

Em comparação com as ações globais, as empresas de infraestruturas listadas negociaram historicamente com um prémio próximo dos 10%. O setor regista agora um desconto na ordem dos 15%, o maior desde a ultima crise financeira mundial. Em comparação com os mercados de obrigações, as rentabilidades dos dividendos de empresas de infraestruturas listadas não sofreram com a compressão experiênciada pela dívida corporativa, portanto, o spread da rentabilidade relativa entre eles e a dívida corporativa apresenta-se a níveis históricos.

Simultaneamente, as empresas de infraestruturas listadas, registam um desconto de 25% face às transações com ativos de infraestrutura não listados. “Esta diferença baseia-se na quantidade de capital do mercado privado à espera de ser investido, o que distorce as valorizações dos ativos. O potencial de fusões e aquisições dos ativos listados não pode ser ignorado”.

Infraestruturas para responder às necessidades globais

“As infraestruturas são a espinha dorsal de qualquer economia, pois geram impactos sociais, ambientais e económicos positivos – como a contribuição para a redução das emissões de gases com efeito de estufa, revitalizar zonas desfavorecidas e melhorar o acesso aos serviços”, recorda Anagnos. Quer esteja à procura de crescimento com avaliações razoáveis, proteção contra a inflação ou de dar um passo em direção a uma maior sustentabilidade, certifique-se que tem em conta a estratégia Global Listed Infrastructure da Nordea.

Nordea Asset Management é o nome funcional do negócio de gestão de ativos conduzido pelas seguintes entidades legais: Nordea Investment Funds S.A. e Nordea Investment Management AB (“as Entidades Legais”) e as suas sucursais, subsidiárias e escritórios de representação. Este documento tem o objetivo de prover o leitor com informação sobre as capacidades específicas da Nordea. Este documento (ou qualquer visão ou opinião expressa no mesmo) não representa um conselho de investimento nem uma recomendação de qualquer produto financeiro, estrutura de investimento ou instrumento, para entrar ou sair de certa operação ou para participar em qualquer estratégia de negócio em particular. Este documento não é uma oferta de compra ou venda, nem um pedido de adesão a uma oferta para comprar ou vender nenhum valor ou instrumento ou participar em qualquer estratégia comercial.  Tal só poderá ser feito através de um Offering Memorandum, ou através de um contrato similar. O presente documento não poderá ser reproduzido ou divulgado sem autorização prévia.  © As Entidades Legais aderentes à Nordea Asset Management e todas as suas sucursais, subsidiárias e escritórios de representação.