Para onde se desloca a guerra Rússia-Ucrânia: a visão de uma gestora que a viu chegar

guerra, Para onde se desloca a guerra Rússia-Ucrânia: a visão de uma gestora que a viu chegar
Créditos: Artem Kniaz (Unsplash)

Um cisne negro como uma guerra em solo europeu é quase impossível de prever. Quase. Tim Ash, estratega sénior de dívida soberana de mercados emergentes na BlueBay AM, há muito que fala sobre o risco geopolítico que estava a aumentar.  Em janeiro deste ano, o especialista atribuiu 90% de probabilidade a uma invasão completa da Ucrânia pela Rússia. Infelizmente, a sua análise revelou-se exata. 

“Acho difícil ver algo mais do que uma escalada da Rússia com a Ucrânia das posições atuais”, insistiu Ash numa análise enviada aos clientes em janeiro e captada por alguns meios de comunicação. O estratega citou três razões. Primeiro, que não via espaço para um compromisso entre as grandes potências. Em segundo lugar, a dificuldade de Putin em aceitar os resultados da Revolução EuroMaidan em 2013-2014. “Penso que o primeiro-ministro letão Arturs Krišjānis Kariņš resumiu as coisas muito bem esta semana quando brincou que Moscovo não tem medo das forças da NATO, mas da democracia ucraniana”, disse Ash. E, em terceiro lugar, considerou que o momento era muito oportuno para Putin em termos do seu desejo de mudar fundamentalmente os cenários geopolíticos de estado/orientação e segurança da Ucrânia na Europa, através de conflitos. "É agora ou nunca", argumentou.

A análise top-down, com a incorporação da sua própria investigação sobre movimentos políticos, é um dos pontos fortes da BlueBay. Como os seus gestores nos disseram em entrevistas anteriores, as relações políticas são uma parte essencial do seu processo. Assim, entraram no dia 24 de fevereiro (dia da invasão da Ucrânia) com uma posição curta sobre o rublo.

Para onde se move a guerra Rússia-Ucrânia

Dito isto, o curso atual do conflito não se enquadrava nos cálculos de Ash. "Ficámos surpreendidos com a força do exército ucraniano", disse Kaspar Hense, gestor sénior do BlueBay Investment Grade Euro Government Bond e do BlueBay Investment Grade Euro Aggregate Bond Fund. Nas suas primeiras análises, contemplaram um conflito que duraria uma ou duas semanas.

O que veem agora é que a Europa corre um risco significativo de entrar em recessão grave se o embargo ao gás for realizado. Mas, ao mesmo tempo, a Rússia está a ter dificuldades em manter forças nesta guerra. Segundo Hense, estimam que pelo menos metade do seu arsenal se tenha evaporado. E daí o pequeno progresso na invasão. Na região de Donbas, por exemplo, estimam que há cerca de 100.000 soldados russos a combater 100.000 ucranianos. “Normalmente, num confronto, o exército atacante precisa de uma vantagem de 3 para 1”, afirma o gestor.

Assim, a análise de Ash aponta para uma possível estagnação da guerra e não excluem uma redução do conflito. “Porque o exército russo está muito enfraquecido. A questão é quanto tempo pode ser sustentado”, explica Hense.

Imerso numa guerra económica

Mas nem todos os fatores podem ser excluídos. Por exemplo, o uso de armas de destruição maciça. Neste conflito, a incerteza é elevada. É por isso que nas suas carteiras Hense opta por uma postura cautelosa. Já estavam na defensiva contra a previsão de uma maior volatilidade nas yields, e agora o risco económico do conflito não convida a riscos. Assim, permanecem aquém dos periféricos e favorecem alguns nomes em mercados emergentes como a Roménia e o México.

Estamos numa guerra económica”, diz o gestor. Um dos conselheiros de Putin comentou há algumas semanas que seria uma loucura para a Europa implementar o embargo ao gás russo. A Rússia não vê a UE capaz de o fazer, porque isso significaria empurrar a região para uma recessão económica. Mas, por sua vez, custa à Rússia cerca de sete a 20 mil milhões de dólares por dia para manter esta guerra. "Bem acima da sua conta-corrente, cerca de 40 mil milhões por mês”, diz Hense. Se a Rússia cortasse o fornecimento à Europa, a receita evaporaria e enfrentaria um défice de 300.000 milhões por mês. Sem dúvida insustentável, na opinião do especialista.