Que fundos os investidores europeus estão a comprar e a vender

ETF, Que fundos os investidores europeus estão a comprar e a vender
Créditos: Benjamin Child (Unsplash)

Sem surpresas, o primeiro trimestre de 2022 foi, globalmente, um período negativo para a indústria europeia de gestão de ativos. Os problemas acumulam-se: aumento dos preços das matérias-primas, perturbações na cadeia de abastecimento, inflação elevada, guerra na Ucrânia... Dadas as incertezas que observam na economia, espera-se que os investidores europeus desfaçam as suas posições em fundos de longo prazo para depositar o seu dinheiro em produtos do mercado monetário. Mas, analisando os dados em profundidade, isso também não aconteceu. Pelo menos, de uma forma tão exacerbada como se poderia esperar.

ETF, Que fundos os investidores europeus estão a comprar e a vender
Fonte: Refinitiv. Entradas líquidas registadas pelas diferentes categorias no primeiro trimestre de 2022.

De acordo com dados da Refinitiv, os fundos monetários, onde os investidores estão habituados a refugiar-se em caso de turbulência, registaram saídas líquidas de 113.600 milhões de euros, em comparação com os 25.000 milhões de entradas líquidas registadas pelos restantes produtos. Isto explica a razão pela qual o balanço registado pela indústria europeia de gestão de ativos no primeiro trimestre foi negativo, com os reembolsos a ascenderem no total a 88.600 milhões.  Os reembolsos foram muito fortes, tanto no que concerne os monetários em euros, como em dólares.

ETF e fundos indexados, os grandes vencedores

Se há um tipo de veículo que foi reforçado neste primeiro trimestre, estes são veículos geridos passivamente. Tanto os ETF como em fundos indexados receberam, entre janeiro e março, entradas líquidas de dinheiro. Os primeiros registaram receitas líquidas de 38.200 milhões de euros, enquanto os últimos 17.600 milhões de euros.

“O facto de os investidores europeus estarem a comprar produtos passivos em tempos de turbulência no mercado não é surpreendente. É comum em períodos com condições de mercado difíceis. Neste momento, os investidores preferem produtos transparentes e líquidos nas suas carteiras porque querem saber o que têm e poder vendê-los rapidamente”, explica Detlef Glow, diretor de Análise da Refinitiv para a EMEA.

ETF, Que fundos os investidores europeus estão a comprar e a vender

Os ETF que mais vendem são estratégias de ações globais onde, no entanto, os fundos geridos ativamente também continuam a atrair dinheiro. Entre janeiro e março, capturaram cerca de 18.000 milhões. Também os mistos são outra categoria de produto que os investidores europeus continuam a comprar. No primeiro trimestre receberam quase 8.000 milhões líquidos. Ou os fundos income de ações, que registaram captações líquidas de 6.700 milhões de euros.  Nestas três categorias de produtos, a gestão ativa continuou a superar a gestão passiva nas captações líquidas.

O mesmo não acontece nas ações americanas, onde continua a tendência dos últimos anos para substituir o fundo ativo pelo produto passivo. Entre janeiro e março, os 10.000 milhões de dólares que os ETF receberam contrastavam com as ligeiras saídas registadas pelos produtos de gestão ativa. Este fenómeno foi também registado no primeiro trimestre nas obrigações. Especificamente, na categoria da dívida americana, onde as entradas de 5.000 milhões registadas pelos ETF nesta classe de ativos não foram acompanhadas por produtos de gestão ativa, que sofreram saídas tímidas.

Saídas nas obrigações

Na sequência da forte correção nos mercados de obrigações, que já é comparada com o massacre nas obrigações em 1994, os investidores europeus desfizeram posições nesta classe de ativos.

Os maiores resgates foram observados nos produtos de obrigações globais. Destes, saíram 8.800 milhões. Os investidores venderam também produtos de obrigações europeias, com saídas líquidas de 7.000 milhões de euros, bem como estratégias de crédito europeu, das quais saíram 5.000 milhões de euros.  Em todas estas categorias, os cash flows têm-se concentrado em produtos de gestão ativa, tendo os ETF mantido os um balanço praticamente plano.