Saker Nusseibeh (Federated Hermes): “A sustentabilidade é uma tendência imparável”

Saker_Nusseibeh_federated_Hermes
Saker Nusseibeh. Créditos: Cedida (Federated Hermes)

Não só as métricas financeiras, mas também, e sobretudo, os fatores ESG devem ser parte integrante da filosofia de investimento.  Isto é afirmado enfaticamente por Saker Nusseibeh, CEO da Federated Hermes, numa entrevista recente à FundsPeople.  “Assimilar esta premissa foi a base do lançamento do nosso fundo Global ESG em 2007”, confessa. O seu papel, no entanto, não é simplesmente selecionar empresas com métricas de ESG elevadas, segundo conta.

Procuram também empresas que necessitem de melhorar as suas práticas de gestão de riscos ambientais ou de governance, ou de abordar questões relacionadas com o mundo do trabalho. “O ESG engloba todas as empresas que têm potencial para gerar valor através da sua própria melhoria, além de contribuir para a proteção da saúde da comunidade e do planeta”, sentencia.

Uma bolha de sustentabilidade no horizonte?

Comparar energia limpa com o boom tecnológico dos anos 90 é uma analogia útil. “Nos últimos meses tem havido uma preocupação crescente com as bolhas ligadas ao mundo dos investimentos responsáveis”, reconhece. No passado maio, a MSCI salientou como os ETF de energia limpa estão agora tão sobrelotados como estavam as ações de tecnologia no auge do boom de 1999.

Na viragem do século, a Internet já estava a mudar o mundo da informação, fornecendo novas formas de comunicar e redirecionar os canais tradicionais de atividades empresariais. “Da mesma forma, as fontes de energia limpas estão a permitir a transição essencial e inevitável das formas tradicionais de produção. Da energia centrada no carbono para as fontes mais limpas”, argumenta Nusseibeh. No início da era da Internet vimos a bolha das dotcom e em alguns nichos do mundo do investimento responsável, como destaca a MSCI, estamos a assistir a dinâmicas semelhantes e à possibilidade de bolhas”, reconhece.

O que vê claramente é que estas mudanças sociais, uma vez iniciadas, não podem ser travadas. Na sua opinião, o investimento responsável é uma evolução estrutural dos investimentos, muito maior do que um pequeno fundo indexado, e o mundo está finalmente a aperceber-se disso. E, consequentemente, a indústria de gestão de ativos também está a ser transformada.

SFDR: novas regras do jogo

Este ano, a legislação da SFDR entrou em vigor. Um novo regulamento que procura reorientar o capital para atividades mais sustentáveis. Este é um passo muito apreciado por Nusseibeh. “Traz muita clareza necessária em termos de classificação de fundos, dando ao investidor a transparência de que precisam. É um bom começo”, afirma.

No entanto, reconhece duas preocupações.  Em primeiro lugar, a falta de atenção à importância da gestão para proporcionar um melhor desempenho sustentável. “Todo o conceito de propriedade responsável é um elemento crucial. Serve tanto para ter melhores retornos como para melhorar o mundo em que vivemos”, insiste.

Em segundo lugar, a legislação, como muitas vezes acontece, esconde em si algumas incertezas para as quais estão tecnicamente sujeitas a regulamentos sem, no entanto, dispor das normas técnicas que permitam às empresas aplicar plenamente os regulamentos. “Isto cria um risco de greenwashing de curto prazo, uma vez que as gestoras têm atualmente de classificar os fundos de acordo com a sua interpretação dos regulamentos”, explica.