Tom Levering (Wellington): “A invasão da Ucrânia pela Rússia vai acelerar a transição energética da Europa”

Wellington Enduring Assets, Tom Levering (Wellington): “A invasão da Ucrânia pela Rússia vai acelerar a transição energética da Europa”
Tom Levering. Créditos: Cedida (Wellington)

A inflação, a subida das taxas e as fortes incertezas geopolíticas devido à guerra entre a Rússia e a Ucrânia são os principais fatores de risco para os investidores na atual fase do mercado, num cenário de elevada turbulência e baixa visibilidade do futuro. Neste contexto, devido a várias das suas características intrínsecas, as infraestruturas podem ser uma opção vencedora para os investidores. “No campo das infraestruturas, muitas das empresas reguladas têm a capacidade de ajustar os preços de acordo com a inflação”, afirma Tom Levering, gestor do Wellington Enduring Assets que ostenta o Rating FundsPeople 2022.

“Por vezes, esta ligação entre os preços e a inflação é explícita e contratual; noutras alturas está implícita e quando os custos aumentam, a empresa consegue manter um nível de retorno acordado através do aumento dos preços”, explica. Quanto ao impacto das taxas de juro, Levering admite que uma subida acentuada e inesperada seria provavelmente um fator negativo para o setor a curto prazo. “No entanto, muitos ativos de infraestruturas regulados são normalmente autorizados a passar quaisquer custos excedentes para o consumidor final, permitindo que os lucros permaneçam intactos”, explica.

E um terceiro argumento apresentado por Levering. Devido às incertezas geopolíticas, a maioria das infraestruturas cotadas têm uma ciclicidade limitada, o que, na sua opinião, oferece imunidade relativa em caso de recessão económica.

Filosofia do Wellington Enduring Assets

O Wellington Enduring Assets é uma estratégia com um foco global, sem um índice de referência e focada nas infraestrutura líquidas. O fundo visa investir em empresas com ativos físicos duradouros que o gestor acredita que têm vantagens competitivas e lucros estáveis. “Um dos nossos elementos característicos é a nossa orientação mais defensiva, que se traduz numa melhor proteção contra quedas. Este aspeto decorre da nossa preferência por atividades reguladas sobre empresas com maior sensibilidade aos preços das matérias-primas ou ciclos de negócio", explica o especialista da Wellington.

“Graças ao nosso principal indicador de avaliação patenteado, a que chamamos rentabilidade intrínseca, tentamos quantificar o potencial de retorno anual prospetivo de cada investimento, acrescentando a criação de valor e quaisquer impulsos positivos derivados da inflação e da dinâmica até ao cash flow anual dos preços”, explica.

Embora prefiram ações com uma rentabilidade intrínseca quantitativamente elevada, avaliam este indicador num contexto mais amplo. Consideram outros fatores importantes, como a estabilidade e duração do cash flow, a solidez do balanço, a qualidade da gestão, o custo do capital no país de origem, as taxas de inflação locais e o impacto global no risco de carteira. “Até à data, este indicador está no topo da sua faixa histórica”, conta.

Tailwinds para as infraestruturas

Enquanto a carteira é construída com base na seleção de valores individuais, o Wellington Enduring Assets está posicionado em dois principais temas seculares: descarbonização e macrodados.

Em primeiro lugar, o apoio dos governos a nível mundial, nomeadamente nos EUA, na UE e na China, à descarbonização do fornecimento de energia, do seu ponto de vista, deverá proporcionar oportunidades para um crescimento elevado e duradouro das redes elétricas, da produção de energia limpa e de baixo carbono.Em segundo lugar, o setor das infraestruturas de dados (torres de telemóveis, redes de banda larga e telecomunicações móveis) mostra um potencial de crescimento elevado e a longo prazo, impulsionado pela crescente procura de dados e apoio governamental.

Além disso, o especialista espera que a descarbonização acelere ainda mais durante a próxima década, dado o desejo da Europa de reduzir a dependência das fontes de energia russas. “Embora a COVID-19 tenha acelerado a digitalização em todo o mundo, acreditamos que a invasão russa da Ucrânia acelerará a transição energética da Europa”, prevê Levering.

As ações nestes setores representam uma parte importante do fundo. Esta dinâmica resultará num apoio significativo ao setor dos serviços públicos europeus. Estas empresas terão de triplicar a capacidade eólica e solar e aumentar significativamente os investimentos nas suas redes elétricas, modernizar as infraestruturas e melhorar as interconexões internacionais, analisa. “Além disso, terão de investir mais em infraestruturas de gás, incluindo terminais de gás natural liquefeito, e preparar-se para o hidrogénio verde”, diz.

Atualização da carteira do Wellington Enduring Assets

Os serviços públicos são a maior exposição do fundo hoje em dia. Isto porque o gestor acredita que estão atualmente mais bem posicionados para beneficiarem da aceleração da descarbonização. Outra área de foco, como acima explicado, é a infraestrutura de dados, com operações nos EUA, UE e Ásia. Apesar de possuir algumas empresas de transporte, o fundo tende a ter ponderações mais baixas do que os seus concorrentes e índices.

Por último, detêm também três empresas canadianas no segmento de energia a médio prazo, devido à sua menor sensibilidade às matérias-primas. “Investimos recentemente em algumas startups.  A RWE é uma empresa de serviços públicos com sede na Alemanha que está a transformar o sua combinação de produção de energia de combustíveis fósseis para energias renováveis. Isto faz com que seja uma das principais empresas empenhadas em reduzir as emissões de CO2 na Europa”, conta o gestor. “A AES é uma empresa norte-americana que está a fechar centrais de energia fóssil enquanto investe significativamente em energias renováveis”, continua. “Constatámos que empresas como a RWE e a AES, empresas com planos  concretos de redução de poluentes , oferecem uma exposição significativa ao crescimento das renováveis, mas a avaliações que normalmente são muito mais atrativas do que as dos puros desenvolvedores de energias renováveis”.