Análise dos fundos ELTIF europeus em 2023: mercados e perspetivas

imobiliário ativos
Créditos: Grant Lemons (Unsplash)

O mercado europeu de fundos de investimento a longo prazo (ELTIF) cresceu mais de 50% em 2022 em comparação com o ano anterior. A Scope estima o volume em cerca de 11.300 milhões de euros no final de 2022, com entradas de 4.000 milhões. Andrea Vathje, analista da Scope Funds Analysis, foi o autor do estudo. O seu trabalho mostra, em primeiro lugar, que no final do ano havia um total de 77 ELTIF à disposição dos investidores, mais 23 do que em 2021.

Entre os provedores há sete empresas que lançaram os seus primeiros ELTIF em 2022. As gestoras mais ativas que oferecem os seus produtos a investidores privados são a Amundi, a Azimut, a BlackRock, a Commerz Real, a Generali Investments, a Eurazeo (que adquiriu a ID Invest em 2018), a Muzinich, a Neuberger Berman e a Partners Group. Um total de 44 ELTIF estão registados junto da autoridade supervisora luxemburguesa. Além disso, no primeiro trimestre de 2023, outros cinco novos ELTIF foram acrescentados à oferta.

Número de novos ELTIF

Tal como em 2021, os volumes comercializados distribuem-se uniformemente entre fundos de private equity, infraestruturas e dívida privada. Os fundos de private equity e de dívida privada dominam em termos de número de produtos, mas os ELTIF de infraestruturas destinam-se principalmente a clientes institucionais, sendo, por isso, muito maiores.

Volume comercializado em ELTIF para investidores privados por países

Volume comercializado por classe de ativos

Os produtos que também podem ser distribuídos a investidores privados ganharam relevância. Com um capital comercializado de 2.500 milhões de euros no ano passado, a sua quota do volume total do mercado passou de 54% para 60%. Os fluxos para produtos puramente institucionais aumentaram para 1.500 milhões de euros, o que representa 40%, em comparação com 46% em 2021.

O maior mercado por volume comercializado é o francês, que duplicou no ano passado para cerca de 3.800 milhões de euros. O mercado francês é caracterizado por produtos destinados exclusivamente a clientes institucionais, mas a distribuição de ELTIF a clientes privados sob a forma de apólices de seguros de vida ligados a fundos de investimento tem vindo a aumentar.

Em termos de atividade de retalho, a Itália continua a ser o mercado mais importante. Cerca de 95% do volume total de 2.600 milhões de euros corresponde a produtos principalmente vendidos a clientes particulares. As isenções fiscais continuam a ter um efeito positivo. 

O mercado alemão desenvolveu-se com relativamente pouca visibilidade comparativa em 2022. KlimaVest continua a ser distribuído com sucesso e as unidades de banca privada dos principais bancos distribuem ELTIF, mas não foram desenvolvidas muitas redes de distribuição ou bancos privados novos. As perspetivas, no entanto, são mais positivas: muitos produtos estão a ser lançados ou em fase de planeamento e mais fundações, family offices e até os primeiros broker pools estão interessados nos ELTIF.

Volume comercializado por país

O futuro do mercado

A alteração da norma relativa aos ELTIF também está a dar um impulso. Os participantes no mercado esperam muitos produtos novos graças a significativas simplificações para os gestores e distribuidores de ativos. A incorporação de clientes e a liquidação também deverão melhorar, uma vez que os provedores externos entraram no mercado com plataformas digitais que, por exemplo, estão a ajudar a que os processos, em grande medida manuais, se tornem escaláveis.

“As experiências de Itália e França mostram que os incentivos fiscais para os clientes particulares são muito favoráveis aos investimentos em ELTIF. Por isso, faria mais sentido que mais países, como a Alemanha, introduzissem incentivos fiscais para os ELTIF, a fim de dar início a investimentos significativos de ativos privados na transição da economia europeia para a neutralidade de CO₂”, explica Andrea Vathje.