Análise retrospetiva: foi isto que aconteceu nos mercados quando a Fed aumentou as taxas em 1994

Fed, Análise retrospetiva: foi isto que aconteceu nos mercados quando a Fed aumentou as taxas em 1994
Créditos: Raúl Nájera (Unsplash)

A estratégia monetária da Fed desempenha um papel determinante para os mercados financeiros. Num ambiente de subidas de taxas... o que devem os investidores esperar quando se trata do desempenho das grandes classes de ativos? Um estudo retrospetivo conduzido pela Ostrum, uma subsidiária da Natixis Investment Managers, analisa o comportamento dos mercados de ações, obrigações, ouro e dólar nos ciclos anteriores de aumentos de taxas aplicados pela autoridade monetária dos EUA. Começamos com o que aconteceu em 1994.

Nesse ano, a economia americana estava a recuperar da recessão de 1990, de um choque petrolífero e da consequente intervenção militar no Iraque. A crise de savings & loans, que durava desde o endurecimento monetário do início da década de 1980, escureceu o panorama e forçou o governo a apoiar o setor financeiro na sequência do ajuste dos preços imobiliários. Seguiu-se uma recuperação do desemprego típica dos efeitos da histerese de uma crise financeira.

A lenta recuperação económica forçou a Fed a ser cautelosa antes de iniciar o ciclo de subida das taxas. A taxa dos Fundos Federais tinha sido reduzida para 3%. As taxas reais zero representavam então uma posição de política monetária muito acomodatícia, dada a memória do risco de inflação e das elevadas taxas reais na década de 1980. Além disso, a autoridade monetária ainda tinha um objetivo quantitativo para a base monetária.

A importância da comunicação

Quando uma profunda recessão atingiu a Europa em 1993, os participantes do mercado debateram quando a Fed iria iniciar o seu ciclo monetário. A autoridade monetária não emitiu um comunicado de imprensa após o FOMC. Em retrospetiva, a experiência do endurecimento de 1994 levou Alan Greenspan a tomar medidas para melhorar a comunicação do banco central. Quando a Fed subiu a sua taxa pela primeira vez a 4 de fevereiro de 1994, as expetativas de subidas desapareceram e a volatilidade das taxas diminuiu muito.

“Portanto, esta foi uma grande surpresa, especialmente porque o ciclo estava longe de ser linear: três aumentos de 25 pontos base, depois dois de 50, um novo de 75 e um último movimento de 50. No total, 300 pontos base num ano. A ação errática da Fed até 1994 teve um impacto memorável nos mercados”.

O gráfico abaixo mostra a evolução da yield da obrigação T a 10 anos, a inclinação da curva (spread de 2-10 anos), os spreads do mercado de crédito investment grade nessa altura, num período que vai de 60 dias úteis antes do primeiro aumento até 60 dias depois. A data 0 representa o dia do primeiro aumento da taxa dos fundos federais.

Fed, Análise retrospetiva: foi isto que aconteceu nos mercados quando a Fed aumentou as taxas em 1994

O segundo gráfico olha para o S&P 500, o dólar contra um cabaz de moedas (índice DXY) e o preço do ouro. A série mostra alterações em pontos base (primeiro gráfico) ou em percentagem (segundo gráfico) em relação ao seu nível no dia do primeiro aumento. O aumento de 25 pontos base a 4 de fevereiro de 1994 fez com que o mercado caísse. A yield norte-americana a 10 anos subiu 127 pontos base em dois meses (no dia 41). “Como muitas vezes durante as fases de endurecimento, a curva de yields achatou-se. Assim, o spread de 2 a 10 anos caiu 30 pontos base no 57º dia após um aumento de três.

Fed, Análise retrospetiva: foi isto que aconteceu nos mercados quando a Fed aumentou as taxas em 1994

Os spreads de crédito mantiveram-se inalterados. Nas ações, a aceleração das yields das obrigações reflete-se numa queda do S&P 500 (-6,8% no dia 41). “Portanto, o primeiro aumento nos fundos federais pesou nas ações. É interessante notar que a subida das taxas da Fed foi bastante desfavorável para o dólar, que perdeu quase 5% em dois meses após a primeira subida. O ouro foi afetado pelo aumento da taxa e caiu 3% em três meses. Sem dúvida, o endurecimento monetário reduziu a perceção de riscos inflacionistas”, concluem.