Começa o tapering da Fed: as reações das gestoras internacionais

Fed, Começa o tapering da Fed: as reações das gestoras internacionais
Jerome Powell. Créditos: Cedida

O tapering começa nos Estados Unidos. Como esperado pelo mercado, a Reserva Federal anunciou na sua reunião de novembro que vai começar a reduzir as suas compras de ativos. O ritmo esperado é de 15 mil milhões de dólares a menos por mês. Isto será dividido entre 10 mil milhões de dólares em obrigações do Tesouro e cinco mil milhões de dólares em valores apoiados por hipotecas. É um ritmo que pode ser adaptado caso as circunstâncias macro, como uma inflação mais elevada, assim o exigirem.

Inflação desafia a Fed

É um primeiro passo para a normalização, mas tem sido apenas gestão das expectativas dos mercados, já que o tom da sua política monetária se mantém, sem dúvida, acomodatício. Normalizar sem irritar os mercados é um sucesso. Vamos lembrar-nos da explosão de raiva da última grande crise financeira. Mas a Fed ainda não superou todos os obstáculos. “Os desafios políticos daqui em diante serão formidáveis, dada a incerteza em torno do mercado de trabalho dos EUA, a dinâmica da inflação e a escala e velocidade apropriadas dos movimentos futuros das taxas de juro a partir dos níveis anormalmente baixos de hoje.” Destaca Paul O'Connor, responsável de Multiativos na Janus Henderson.

Um grande desafio. Aqui, Tiffany Wilding e Allison Boxer, economistas da PIMCO, estão totalmente de acordo. As especialistas concordam com Powell que a elevada inflação atual provavelmente se dissipará. Mas também reconhecem que parece que demorará mais para se dissipar do que se pensava inicialmente. E a inflação que permanece elevada por mais tempo, mesmo que atribuída a fatores temporários, aumenta o risco de que as expectativas de inflação de longo prazo também se ajustem para cima. Algo que a Fed deseja evitar.

E isto coloca Powell e o resto do FOMC numa posição complexa. “Provavelmente, os próximos meses testarão a paciência dos responsáveis pela formulação de políticas. Vemos um risco significativo de que as expectativas dos membros da Fed relativamente a aumento das taxas continuem a ser antecipadas quando as próximas projeções económicas forem divulgadas em dezembro”, preveem Wilding e Boxer. Ainda assim, após os dados económicos recentes melhores do que o esperado, queda do desemprego e inflação ainda alta e persistente (acima da meta da Fed), não está claro porque a Reserva Federal continua a usar medidas extraordinárias para apoiar a economia”, acrescenta Brian O 'Reilly, responsável de Estratégia de Mercado da Mediolanum International Funds.

A verdadeira questão: quando virão os aumentos das taxas?

Os gestores concordam em esperar um Powell inevitavelmente mais hawkish. Por enquanto, o seu argumento para permanecer acomodatício é que a economia ainda atingiu o pico de emprego e a inflação acabará por cair à medida que os desequilíbrios entre oferta e procura se dissipem. “Embora eu simpatize com alguns dos argumentos, acho que a Fed ainda está muito otimista sobre a velocidade com que se espera que esses desequilíbrios sejam reduzidos. E, enquanto isso, salários mais altos e rendas mais altas provavelmente colocarão mais pressão de subida na inflação subjacente”, argumenta Raphael Olszyna-Marzys, economista internacional do Bank J. Safra Sarasin.

Neste ritmo, a Fed terá terminado as compras em meados de 2022. Portanto, a grande questão é: quando vão subir as taxas? E aqui está a grande luta com os mercados. Jerome Powell permanece firme num discurso dovish, mas os movimentos nas obrigações nas últimas semanas descontam uma subida mais agressiva das taxas e mais cedo do que o próprio presidente da Fed estima. Como o Banco Central Europeu, Powell teve muito cuidado ao separar o tapering dos aumentos das taxas. Isto encorajou os investidores a empurrar ligeiramente as yields em toda a extensão da curva dos EUA.

Durante anos, os mercados procuraram dos bancos centrais uma linguagem acomodatícia e cautelosa. Mas a situação mudou. Agora a preocupação é que a Fed não esteja a ser tão hawkish como deveria ser. "O curso mais provável da inflação e a avaliação da Fed sobre esta podem ser a verdadeira questão do momento", diz Christian Scherrmann, economista dos EUA da DWS. "Olhando para o comunicado atualizado, a Fed apega-se à narrativa de que a subida da inflação atual reflete em grande parte fatores que se espera sejam transitórios", explica.

Começam as apostas: 2022 ou 2023

Mesmo entre as gestoras, vemos uma divisão nas apostas. Até o momento, os mercados de fixed income dos EUA precificaram um aumento nas taxas de juro para junho de 2022. Na PIMCO, continuam a adiar para o primeiro trimestre de 2023, mas também reconhecem que o risco de surpresas aumentou. Outros, por outro lado, são mais agressivos nas suas previsões. Paolo Zanghieri, economista sénior da Generali Investments, continua a apontar para o quarto trimestre de 2022 como o momento mais provável para a primeira subida das taxas. “É importante observar que o FOMC considera que quando o pleno emprego for atingido (no mínimo no segundo trimestre de 2022) é possível que a inflação fique num nível compatível com uma subida das taxas”, argumenta.

Os mercados terão que esperar a reunião de dezembro em busca de uma pista mais firme sobre as taxas de juro. “Powell - sem surpresa - não se comprometeu com nenhum cronograma de aumento das taxas. Enfatizou a confiança nos dados, o foco da Fed na gestão de risco e a necessidade de opcionalidade para abordar um intervalo de resultados possíveis”, diz Anna Stupnytska, economista global da Fidelity International. Ultrapassados ​​os limiares da inflação e do mercado de trabalho para o tapering, no que diz respeito ao aumento das taxas de juro, a tolerância de evolução em ambas as áreas no âmbito do FAIT (Meta de Inflação Média Flexível) continua a ser incerta na opinião da perita. “Isto deixa muito espaço para interpretação, potencialmente permitindo que os mercados façam as suas próprias narrativas até que surjam mais esclarecimentos sobre a função de reação da Fed”, prevê.