David Greene (Amundi): “Os mercados são complacentes com uma série de riscos e podem ser propensos a uma correção”

correção, David Greene (Amundi): “Os mercados são complacentes com uma série de riscos e podem ser propensos a uma correção”
David Greene. Créditos: Cedida (Amundi)

O Amundi Funds Absolute Return Multi Strategy é um dos fundos de gestão alternativa de referência no mercado ibérico. O fundo gerou uma rentabilidade líquida anualizada nos últimos três anos de 5,9%. Conseguiu-o com uma volatilidade anualizada no mesmo período de 6,2%. “A maior parte da nossa rentabilidade provém das nossas posições de valor relativo, especialmente do lado da inflação e das matérias-primas no final de 2021 e início de 2022, quando a nossa decisão de aumentar a alocação a ativos ligados à inflação e matérias-primas se revelou oportuna”, explica David Greene à FundsPeople.

De acordo com o diretor de Especialistas em Investimento Multiativos, Retorno Absoluto e Soluções da Amundi, neste momento, são cautelosos com os ativos de risco, uma vez que consideram que os mercados de capitais estão a ser complacentes em relação a uma série de questões como a guerra na Ucrânia, o âmbito do ajuste monetário (através de aumentos de taxas e ajuste quantitativo),  aumento da inflação, abrandamento do crescimento, confinamentos na China e uma possível redução das previsões de lucros, especialmente na Europa. Aqui estão preocupados com a possibilidade de uma contração do crescimento económico no segundo semestre de 2022.

"Esperamos que a inflação permaneça mais elevada do que o esperado durante um período mais longo do que o previsto, e mesmo quando a inflação inverter, pode não cair tanto como as pessoas esperam. Embora as yields das obrigações já tenham subido, esperamos que permaneçam sob pressão no curto prazo, uma vez que os investidores de retalho só agora começam a perceber a magnitude das perdas sofridas em 2022 e podem avançar para liquidar as suas posições obrigacionistas", refere o especialista. Acreditam também que as matérias-primas continuarão sob pressão, devido a questões geopolíticas e às atuais restrições de abastecimento.

Filosofia e objetivos do fundo

O objetivo de investimento do fundo é alcançar uma rentabilidade competitiva e ajustada ao risco. Procuram-no investindo ativamente num vasto leque de ideias ou oportunidades de investimento. A equipa de investimento acredita na gestão ativa e vê o risco como uma oportunidade para ajudar a alcançar os seus objetivos.  Por isso, concentram-se na diversificação de riscos entre classes de ativos através de posições pouco correlacionadas e altamente diversificadas.

O processo de investimento centra-se naquilo a que chamam diversificação eficaz, alocando o risco entre vários pilares de investimento. "Isto porque as correlações entre classes de ativos são inerentemente instáveis: tendem a aumentar durante períodos de stress do mercado. Utilizando um quadro de cálculo de risco proprietário, os analistas de construção de carteiras trabalham com a equipa de gestão de carteiras na atribuição de riscos através de três pilares geradores de rentabilidade (macro, satélite e seleção de valores), bem como cobertura macro, cujo principal objetivo é mitigar o risco.

O fundo utiliza uma abordagem de investimento top-down e macro-driven. Concentram-se em proteger o capital dos investidores durante períodos de quedas, pois acreditam que a chave para o sucesso da rentabilidade a longo prazo é minimizar as quedas.

Posição atual e grandes mudanças recentes na carteira

Em ações, a exposição atual é baixa em termos históricos (12%). "Acreditamos que os mercados são complacentes com uma série de riscos, e podem ser propensos a uma correção. Reduzimos a nossa exposição aos EUA para 2,7%, e a nossa maior exposição é agora a Europa, (4,7%), principalmente na Suíça e no Reino Unido, que são mercados orientados para o value e defensivos. Também reduzimos a nossa posição curta em ações europeias para -1,4% e também estamos ligeiramente curtos em ações chinesas".

Nas obrigações, têm uma exposição muito baixa em duração de acordo com os padrões históricos (0,3 anos). "Temos uma posição um pouco longa em euro duration, mas ligeiramente curta nos EUA e no Reino Unido, pois acreditamos que as yields dos EUA têm de continuar a subir". Do lado das obrigações corporativas, permanecem expostos ao crédito de investment grade e de high yield, embora tenham coberto parte da sua exposição ao mercado da dívida de high yield. "Temos uma preferência pelo crédito em euros", revela.

No mercado de divisas, mantêm a sua exposição ao dólar (atualmente 15%). Também ao franco suíço (há muito considerado uma moeda de refúgio) e a outras moedas ligadas às matérias-primas. É o caso da coroa norueguesa, do dólar australiano e do dólar canadiano. Neste sentido, o fundo tem uma ponderação de 6,7% em matérias-primas. São sobretudo em metais de ouro, petróleo e indústria, que "ajudam a proteger contra o aumento da inflação e oferecem diversificação", conclui.