Fed acelera o tapering e planeia três subidas de taxas para 2022: as reações das gestoras internacionais

Fed, Fed acelera o tapering e planeia três subidas de taxas para 2022: as reações das gestoras internacionais
Créditos: Jason Briscoe (Unsplash)

Podemos falar de uma Reserva Federal hawkish se os mercados voaram depois da reunião? No encontro de dezembro, a Fed cedeu perante a inflação e o crescimento sólido e abertamente marcou uma política monetária de normalização. O presidente Jerome Powell deixa dois anúncios importantes: o ritmo da redução das suas compras de ativos duplica e o novo dot plot mostra que a maioria do FOMC apoia três subidas de taxas em 2022.

São duas medidas que claramente apontam para um crescimento do ajuste monetário. Reduziram as compras mensais do Tesouro americano para 20.000 milhões de dólares por mês e as dos valores de agências dos EUA para 10.000 milhões mensais. Mas quando terminar o tapering entraremos na fase de subida de taxas. E mais cedo do que foi planeado há meses.

Segundo o último gráfico de pontos (o famoso dot plot) a maioria dos membros do FOMC preveem subidas de taxas a partir de junho. Concretamente, três subidas no total em 2022. Também observamos que todos os membros da Fed agora esperam pelo menos um aumento em 2022. Além disso, segundo as suas projeções económicas, considera provável que se justifiquem mais cinco aumentos durante 2023-2024. Mas é precisamente isto que há tempo pediam os mercados.

Achatamento da curva de yields à vista

Quando há umas semanas anunciou o tapering das suas compras de ativos, vários vaticinaram que terá de adotar um ritmo mais agressivo. E assim se cumpriu. Como se esperava, a Fed duplicou o ritmo de redução das compras de ativos. Agora, a data de finalização do tapering situa-se em março (antes calculava-se que seria em junho). “Isto dá à Fed flexibilidade para o seu próximo passo: a subida das taxas”, explica Jason England, gestor de obrigações globais da Janus Henderson.

E isto terá implicações para as obrigações. “Independentemente, deverá exercer pressão sobre o extremo mais curto da curva do Tesouro dos EUA. O que conduzirá a um maior achatamento, com a trajetória das taxas de juro do front-end mais altos”, vê England.

Não é restritiva, é neutra

"Os mercados receberam com satisfação a muito esperada viragem agressiva da Fed para conter as pressões inflacionárias", diz Morgane Delledonne, diretora de análise da Global X. Tanto o S&P 500 como o Nasdaq subiram após o anúncio da Fed de duplicar o ritmo da redução gradual e da indicação de três subidas das taxas no próximo ano. Isto, interpreta Delledonne, indica que a decisão foi menos agressiva do que o esperado.

E Philippe Waechter, responsável de Investigação Económica da Ostrum AM concorda. “Em nenhum momento a política do Fed se tornou restritiva”, diz. Em 2022 e 2023, a taxa real dos fundos da Fed será negativa e pode ser zero em 2024. Portanto, para Waechter, o objetivo do banco central é claramente ser o mais neutro possível quando o ciclo já está bem avançado.

Para Allison Boxer e Tiffany Wilding, economistas da PIMCO para os EUA, a Fed tem, até agora, navegado com mestria o ajuste nas expectativas do mercado no caminho da política, sem restringir substancialmente as condições financeiras.

O emprego marcará as subidas nas taxas

Um dos pontos mais debatidos na conferência de imprensa pós-reunião foi o contexto necessário para se ver uma subida nas taxas. Para Powell, o critério permanece "quando o pleno emprego for atingido". E o que se entende com isto? O presidente da Fed apontou que deve ser amplo demograficamente e inclusivo, com uma taxa de participação mais forte. É, como aponta Mondher Bettaieb-Loriot, responsável de Obrigações Corporativas na Vontobel AM, uma definição ligeiramente mais dura (hawkish) se se comparar com o FOMC mais recente.

"A questão é quando poderemos chegar a essa situação", insiste Bettaieb-Loriot. Como aponta o especialista, no mês passado parecia que poderíamos atingir o pleno emprego em dezembro de 2022. Agora acelerou. Pode ser em qualquer momento de 2022, mas não antes da conclusão do taper acelerado. Isto explicaria um aumento da taxa média de juros dos fundos federais para 2022, que passaria de 0,3% para 0,9% de acordo com as novas projeções disponibilizadas na última reunião. “Por outras palavras, poderão começar a subir as taxas em meados do ano que vem, embora isto não seja um compromisso. De qualquer forma, o mercado de títulos do tesouro já desconta essa possibilidade”, analisa Bettaieb-Loriot. 

Seis subidas em dois anos: vertigem ou normalização?

Portanto, a grande questão que agora se abre para os mercados, para Seema Shah, estratega da Principal Global Investors, é: pode a economia dos EUA digerir este ritmo de subidas sem acabar por sofrer de dor de estômago? “Passados ​​os 20 meses que passamos, talvez seis aumentos num período de dois anos pareçam demais”, alerta. “Mas quando se compara com os ciclos de subida anteriores - especialmente de 2004 a 2006, quando a Fed fez 17 aumentos consecutivos - estamos confiantes de que a economia dos EUA pode suportar. Não só isso, mas também que a inflação dos EUA assim precisa”, destaca.