Fed retira de cima da mesa uma subida de taxas de 0,75%: reações das gestoras internacionais

Fed, Fed retira de cima da mesa uma subida de taxas de 0,75%: reações das gestoras internacionais
Jerome Powell. Créditos: Cedida

De uma vez, 50 pontos base. A maior subida de taxas numa reunião da Reserva Federal desde o ano 2000. A Fed anunciou na sua reunião de maio que ia elevar as taxas para a faixa dos 0,75-1%. Também decidiram que a redução do balanço começará em junho, com um valor inicial de 47.500 milhões de dólares por mês, metade do ritmo que terá no final. O que há um ano teria sido digerido como um cataclismo, agora levou os mercados dos EUA a fechar com subidas de 3% de forma generalizada. As principais bolsas europeias também se movimentaram na manhã de quinta-feira com subidas de 1,5%. Porque a verdadeira notícia da noite está numa frase de Jerome Powell: uma subida de 75 pontos base não está em cima da mesa.

Podemos dizer que foi uma subida de taxas dovish (acomodatícia). “Os investidores podem respirar de alívio porque o movimento não foi mais agressivo, já que alguns dos membros mais hawkish da Fed sugeriram uma subida de 75 pontos base nas últimas semanas”, ressalta Brian O'Reilly, responsável de Estratégia de Mercado da Mediolanum International Funds Limited.

“O que a Fed fez foi reduzir significativamente a incerteza em torno do seu caminho, desde que o faça corretamente, com o ajuste quantitativo a partir de junho”, considera Sebastien Galy, responsável de Estratégia Macroeconómica da Nordea AM. A Fed sugere que teremos mais dois aumentos de 50 pontos base pela frente, seguidos por um aumento de 25 pontos base em setembro, se a inflação arrefecer. A partir daí chegaríamos finalmente à taxa neutra, que no gráfico de pontos (dot plot) é de 2,5%, mas varia entre 2 e 3%.

Christian Scherrmann, economista dos EUA da DWS, considera muito importante que a decisão tenha sido apoiada por todos os membros do FOMC. Inclusive aqueles que especularam publicamente sobre a possibilidade de subidas de taxas superiores a 50 pontos base. “Isto demonstra que mesmo os mais hawkish não veem a necessidade de uma abordagem tão agressiva neste momento e que os comentários feitos antes da reunião empurraram as expetativas do mercado de acordo com a visão atual do FOMC sobre a provável trajetória futura das taxas de juro”, interpreta.

Uma pausa em 2023?

Na verdade, há gestoras que começam a ver o fim deste ciclo de subidas. Ou pelo menos uma pausa porque a economia americana já mostra sinais de desaceleração. Thomas Costerg, economista da Pictet WM, destaca o setor imobiliário. A taxa do crédito à habitação a 30 anos está a caminhar para os 5,5%, quando estava nos 3% há alguns meses, e já há sinais de que as compras de casas estão a cair à medida que a acessibilidade diminui. Portanto, o seu principal cenário é que as taxas subam novamente 0,5% em junho e 0,25% em julho, antes de uma longa pausa após o verão, quando a inflação e o crescimento económico desacelerarem. “Após o verão, pode voltar à sua preferência natural de suavizar o ciclo, evitando problemas com a sustentabilidade da dívida e uma recessão”, argumenta.

Este é o cenário que prevê Jason England, gestor de carteiras de Fixed Income Global da Janus Henderson. Sente que o mercado tem refletido os preços de uma Fed demasiado agressiva. "Afinal de contas, estamos perante a Fed de Powell, com um histórico de erro do lado da moderação", sentencia. "Mas com a inflação em máximos de várias décadas, a moderação tornou-se num termo relativo", afirma. Dado o mercado de trabalho ajustado, a Fed tem a liberdade de dar prioridade ao controlo dos dolorosos níveis de inflação para as famílias americanas. E até que isso seja alcançado, qualquer tendência para manter o crescimento, provavelmente ficará para segundo plano, considera o gestor.

"A declaração centrou-se apenas nos riscos de inflação e Powell sublinhou que a Fed está completamente focada em trazer a inflação de volta ao objetivo. No entanto, também reconheceu que a Fed deve ser ágil à medida que navega pelos dados recebidos", analisa Allison Boxer, economista dos EUA na PIMCO. Isto é coerente com a sua opinião de que um ritmo rápido de subida das taxas continuará e utilizar o verão para reverter rapidamente os cortes das taxas da era da pandemia, mas, em última análise, terá de ser ágil na navegação pelos riscos de quedas no crescimento.

Manter a cautela 

A opinião da Fidelity é semelhante. Salman Ahmed, responsável Macro e de Alocação Estratégica de Ativos, continua a acreditar que a Fed acabará por aumentar as taxas menos do que o mercado espera. “Mas, por agora, é provável que a postura hawkish se mantenha intacta devido à força do mercado de trabalho e à dinâmica inflacionista”, afirma. Na sua opinião, a Fed cometeu um erro de política o ano passado ao deixar a inflação descontrolar-se e, como resultado, pode estar a fazer um caminho estreito durante algum tempo ao procurar equilibrar o caminho de ajuste sem criar uma recessão ocidental. No que diz respeito à alocação de ativos, permanecem cautelosos.

Keith Wade, economista-chefe e estratega da Schroders, concorda em manter um pé sobre o travão. A sua análise sugere que uma recessão pode ser um compromisso inevitável para fazer reduzir a inflação. Apesar das esperanças de uma aterragem suave da economia. “A experiência demonstra que as recessões dos anos 80 e 90 seguiram um pico de inflação semelhante ao atual. Embora se falasse muito em conseguir uma aterragem suave, durante estes períodos, não foi esse o caso”, diz.