Energia: de uma dependência de petróleo a uma dependência de metal

Benjamin Louvet OFI AM
Benjamin Louvet. Créditos: Cedida (OFI AM)

TRIBUNA de Benjamin Louvet, commodity fund manager, OFI Asset Management. Comentário patrocinado pela OFI Asset Management.

Passados 12 anos desde a criação do nosso primeiro fundo de metais, o OFI Financial Investment – Precious Metals, lançámos o OFI Financial Investment – Energy Strategic Metals no dia 24 de janeiro. O objetivo deste novo fundo é investir no desempenho dos metais estratégicos para a transição energética de acordo com a equipa de gestão. Implementamos as mesmas características que tornaram num sucesso o nosso primeiro fundo: UCITS V, liquidez diária, sem investimentos em ações de empresas mineiras, portanto, nenhuma exposição ao mercado de ações. O fundo é denominado em euros, mas coberto face ao dólar, com as valorizações executadas com base nos preços de liquidação, não havendo por isso intervalo bid/ask.

Será que os metais são o novo petróleo?

Quem fala de metais tem de falar sobre as alterações climáticas. Já não há dúvida de que o aquecimento global é causado pelo homem devido à emissão de gases com efeito de estufa, especialmente o dióxido de carbono. Nos termos do Acordo de Paris, os países estabeleceram uma meta de manter o aquecimento global abaixo dos dois graus Celsius até 2100, se possível, abaixo de 1,5 graus. Mas, de acordo com o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC), só temos 20 anos até que o nosso orçamento para as emissões de CO2 seja esgotado ao ritmo atual das emissões. A nossa única hipótese é: livrar-nos dos combustíveis fósseis e fazer a transição para tecnologias de baixo carbono o mais rapidamente possível - especialmente eólica, solar, nuclear e hidroelétrica. E estas tecnologias são extremamente intensivas em metal.

O caso do cobre

A utilização do cobre é cada vez mais importante no contexto das novas tecnologias de baixo carbono. A necessidade crescente de cobre nos veículos elétricos e na produção de energia limpa tem pressionado a procura. Nos últimos anos, o aumento da utilização do cobre em procedimentos médicos como alternativa ao plástico, graças às suas propriedades antimicrobianas, também não abona a favor desta situação. Este aumento da procura aliado a uma redução drástica da oferta (relacionada com a atual pandemia) levou o mercado do cobre ao défice em 2020. A tendência não parece estar a melhorar para os anos vindouros, uma vez que a procura de cobre deve ser multiplicada por dois até 2030, a fim de fazer face à nova procura ligada à transformação do nosso sistema energético...

Os metais presentes no portefólio

O fundo tem uma exposição à performance dos seguintes metais: 14% cobre, 14% níquel, 12% alumínio, 12% prata, 12% platina, 12% zinco, 8% chumbo, 8% paládio e 8% ouro.

A alocação será fixada e trimestralmente rebalanceada, mas pode ser alterada uma vez por ano após a reunião do comité de investimentos, que pode decidir modificar a composição do índice a que o sub-fundo está exposto. O comité pode, nomeadamente, decidir adicionar componentes ao índice, removê-los ou modificar as ponderações dentro dos limites fixados pelo prospeto.

O que significará a transição energética para os preços das matérias-primas

Em termos de previsão, num relatório publicado em outubro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) destacou quatro metais: lítio, cobalto e o níquel deverão multiplicar de preço várias vezes até 2030 e o cobre deverá subir 60%. O FMI chama as suas estimativas de conservadoras. Apesar desta perspetiva muito positiva, esperamos ver volatilidade na evolução destes metais.


This is an advertorial intended solely for professional clients as defined in the Markets in Financial Instruments Directive. No information contained in this advertorial may be interpreted as having any contractual value. This advertorial is produced purely for illustrative purposes. It constitutes a presentation prepared and produced by OFI Asset Management based on sources that it considers reliable. The funds mentioned in this advertorial have been approved by the AMF and are authorized for distribution in France, Spain, Italy, Portugal and in other countries where the law authorizes this. Before making any investment, potential investors should verify whether they are legally entitled to subscribe for the fund in question. Potential subscribers must be provided with the relevant KIID before making any subscription. The operating rules, risk and reward profile, and fees relating to investments in a fund are set out in the fund’s KIID. The KIID and latest periodical reports are available on the website www.ofi-am.fr. OFI Asset Management may not be held liable for any decision made or not made based on information contained in this advertorial, or the use that may be made thereof by a third party. In the event that a fund is subject to a particular tax treatment, it should be noted that such treatment depends on the individual situation of each client and may be subject to change in the future.