Uma Fed mais hawkish confirma um tapering iminente: as reações das gestoras

Fed, Uma Fed mais hawkish confirma um tapering iminente: as reações das gestoras
Jerome Powell. Créditos: Cedida (Federal Reserve)

A Reserva Federal está a uma reunião de passar das palavras às ações. O banco central americano tinha passado as últimas reuniões a preparar os mercados para começar a concluir a compra de ativos. Agora deteta as condições propícias para começar o tapering.  Assim, salvo algum desastre nos dados económicos nas próximas semanas, pode começar já na próxima reunião da Fed.

Ou seja: o tapering (muito provavelmente) começará em novembro. E a velocidade? Jerome Powell falou de um ritmo de cerca de sete meses, de passar as compras líquidas de ativos para zero já em meados de 2022. Isto significará reduzir 15 mil milhões de dólares por mês.  Para contextualizar, o tapering de 2014 durou nove meses a um ritmo de 10 mil milhões de dólares por mês.

Insistimos na nuance de que ainda estamos a falar de probabilidades, porque ainda existe o risco de que se atrase para dezembro.  “O teto da dívida do Tesouro dos EUA deverá ser vinculativo em torno da reunião do FOMC de novembro. A Fed pode não querer contribuir para o que é provável que seja um período de alta volatilidade”, explica Tiffany Wilding, economista da PIMCO para os EUA. Trata-se de fatores políticos que acabam por influenciar a política monetária. “Se esta possibilidade continuar a ameaçar ou mesmo piorar, é muito provável que o livro de jogadas da Fed seja reescrito, com uma reviravolta mais dovish”, opina também Christian Scherrmann, economista da DWS.

A inflação finalmente entra em cena

Outro detalhe interessante na linguagem de Powell realçado por Morgane Delledonne, diretora de análise da Global X ETF, é que indicou que o banco central agirá se a inflação continuar a subir. “Esta é a linguagem mais agressiva que a Fed usou recentemente em relação à inflação, e pode indicar uma mudança de opinião sobre o aumento de preços que agora se está a espalhar para a alimentação, habitação e vestuário com base nos dados mais recentes.” Ou seja, o aumento transitório dos preços pode agora ser, na opinião da Fed, mais persistente do que se pensava anteriormente, especialmente porque os números para 2022 também aumentaram ligeiramente, explica Scherrmann.

Porque, como salienta Silvia Dall'Angelo, economista sénior da Federated Hermes, são decisões tomadas num momento desconfortável. “O crescimento, a inflação e os estímulos fiscais provavelmente atingiram o seu pico, enquanto os riscos em torno da evolução da pandemia não desapareceram”, afirma. E Anna Stupnytska, economista global da Fidelity International, concorda: “Com a probabilidade das pressões inflacionárias de serem mais persistentes e os riscos de crescimento inclinarem-se negativamente nos próximos meses, o caminho para a normalização da política da Fed parece rigoroso e difícil, com muito espaço para cometer erros.”  

Debate ou duelo sobre subidas de taxas

A coisa mais suculenta da reunião de setembro foi o debate sobre as taxas de juro. Durante meses, Powell tem insistido que o tapering não significa uma normalização acelerada das taxas de juro. Mas há os outros membros da comissão. O FOMC está dividido face a uma subida de taxas em 2022, como se pode ver no gráfico partilhada por Bruno Cavalier, economista-chefe da ODDO BHF AM.Ao longo do ano passado, o gráfico de pontos (o famoso dor plot) tinha indicado que esta subida só chegaria em 2024. Porquê esta reviravolta restritiva?

Fed, Uma Fed mais hawkish confirma um tapering iminente: as reações das gestoras

Segundo Paolo Zanghieri, economista sénior da Generali Investments Partners, é motivado por uma convicção mais firme de que, apesar de alguns sinais de abrandamento, a dinâmica subjacente da economia está a fortalecer-se e por preocupações de que um renascimento prolongado da inflação acabe por aumentar as expectativas.

Então, 2022 ou 2023?

Mas lembremo-nos que esta previsão média para a subida das taxas de juro esconde, na realidade, uma profunda divisão entre o Comité. Nove membros votaram a favor de uma subida antes do final de 2022, enquanto outros dois membros votaram a favor do seu adiamento para 2023. O que é evidente é que o bando dos falcões vai crescendo. E isso pode ser fundamental.

Entre as gestoras internacionais também há uma divisão neste ponto. Cavalier considera provável que a parte que está inclinada a esperar até 2023 inclua os pesos pesados do FOMC, começando por Jerome Powell. Zanghieri, por outro lado, calcula uma subida no final de 2022, duas em 2023 e quatro em 2024.

Outro ponto a salientar, que Sebastien Galy, estratega macro sénior da Nordea AM, destaca, é o ritmo relativamente moderado de ajuste a partir de 2023. Sugere, na sua opinião, que a Fed acredita que as forças deflacionárias a longo prazo passarão para primeiro plano. "Mas este é um exercício de sinalização e o verdadeiro impacto é manter bem contida a parte da frente da curva do Tesouro dos EUA para dar tensão à economia", insiste Galy. É por isso que a Fed fala, por um lado, na redução, mas mantém outro nas taxas. Não têm pressa. "O que suspeitamos que irá acontecer é que a Fed será demasiado lenta a abordar o crescente grau de alavancagem do sistema, o que conduzirá a uma correção na bolha de ativos no segundo semestre de 2022", prevê.

Com tudo isto, esta é uma reunião que será difícil de digerir, como diz John Plassard, da Mirabaud. "De facto, embora o tom tenha sido mais agressivo do que o esperado (especialmente no que diz respeito aos próximos aumentos das taxas), podemos perguntar-nos, com razão, porque é que as yields das obrigações do Tesouro continuam a ignorar o forte aumento das previsões de inflação", sentenceia.