Update do Eurizon Fund Absolute Prudent: posicionamento atual e uma mudança de opinião sobre as taxas de juro

Eurizon, Update do Eurizon Fund Absolute Prudent: posicionamento atual e uma mudança de opinião sobre as taxas de juro
Luca Sibani: Créditos: Cedida (Eurizon)

Se analisarmos os últimos três anos, de 2019 a 2021, o Eurizon Absolute Prudent Fund alcançou uma rentabilidade líquida anualizada de 0,8% que está em linha com o seu objetivo de rentabilidade, o Barclays Euro T Bills Index em 1,20 pontos percentuais. A volatilidade anual ex post foi de 1,5% e o rácio de Sharpe perto de 0,8%. “O mais interessante é que, dada a volatilidade dramática durante a pandemia, a queda máxima observada nestes três anos foi de 1,96%,o que confirma a abordagem conservadora da estratégia do fundo”, disse Luca Sibani, gestor do fundo, à FundsPeople.

O Eurizon Absolute Prudent Fund investe principalmente em obrigações e instrumentos do mercado monetário. “A estratégia difere da de outros produtos de retorno absoluto porque tem uma baixa correlação com os mercados financeiros. Em particular, com ativos de risco”, explica. Atualmente, estão posicionados para um cenário de risco de tailwinds com posições curtas nos principais índices de ações europeias e norte-americanas. Ao mesmo tempo, têm posições longas em ativos seguros através de opções de compra sobre obrigações.

Recentemente, a equipa mudou de opinião sobre as taxas de juro, após o grande recuo desencadeado pelos receios da inflação e pela retórica agressiva dos bancos centrais. “Apesar das elevadas taxas de inflação, os inúmeros aumentos esperados pelos participantes no mercado parecem excessivos, especialmente na zona euro. O fundo adotou agora uma exposição tática de 10% ao bund a 10 anos, elevando a duration total para 3,5 anos”.

Visão macro

Para Sibani, a economia mundial enfrenta os efeitos inevitáveis de uma longa e persistente expansão monetária e fiscal que irrompeu na sequência da pandemia de 2020. “O elevado valor da inflação que as economias desenvolvidas estão a viver, após décadas de ténues pressões sobre os preços para os consumidores, é também o resultado dos elevados preços das matérias-primas e dos bottlenecks no processo de fabricação que surgiram durante a pandemia, mas espera-se que estes choques de abastecimento se revertam até ao final do ano”.

Entretanto, os bancos centrais vão pressionar os mercados acelerando o processo de normalização. “Ou seja, drenar a liquidez e aumentar as taxas de juro, com a intenção de arrefecer a economia e a inflação”, refere.

Até agora, os mercados de obrigações globais sofreram com a mudança das curvas das taxas de juro. Fizeram-no para incorporar um ciclo de subidas rápidas. E os valores growth inverteram algumas das espetaculares subidas dos últimos anos em favor do value. Mas, na sua opinião, o processo de normalização dos bancos centrais é uma experiência que está na sua fase inicial e que apresenta um elevado risco de execução. “E se a economia mundial acabasse num cenário de aterragem difícil, em vez do soft landing que os investidores valorizam atualmente?”, questiona.