A crise energética terá impacto nas políticas monetárias dos bancos centrais?

eletricidade, A crise energética terá impacto nas políticas monetárias dos bancos centrais?
Créditos: Jason Blackeye (Unsplash)

Nos últimos meses, tem-se dito ativa e passivamente que a recuperação da inflação deve ser encarada como algo transitório e não estrutural. No entanto, a forte recuperação dos preços da energia nas últimas semanas e a crise energética associada fez com que as taxas de inflação aumentassem para níveis preocupantes. Só na Europa, o IPC da zona euro aumentou 3,4% face ao mesmo mês de 2020, o maior aumento desde 2008, segundo dados do Eurostat.  E a principal causa é o aumento de 17% nos preços da energia.  

“O preço do barril de petróleo duplicou no último ano e não estava tão alto desde 2014. Também o preço de mercado do gás natural aumentou cinco vezes nos mercados europeus desde a mesma época do ano passado. Os preços do carvão aumentaram 100% desde setembro de 2020”, explica Chris Iggo, CIO Core Investment na AXA IM

eletricidade, A crise energética terá impacto nas políticas monetárias dos bancos centrais?

As causas da subida

O que explica esta subida? Em termos gerais, dois fatores. O primeiro é a descompensação entre a oferta e a procura.  “O aumento dos preços deve-se à falta de ajuste entre a oferta e a procura e ao facto de não se ter utilizado a crise para ir substituindo a energia tradicional por energias renováveis”, afirma Ulrik Fugmann, co-responsável estratégias ambientais da BNP Paribas AM

E com o regresso da procura devido à recuperação tem-se visto um aumento dos preços no mercado de retalho que, recorda Bruno Cavalier, responsável de Economia da ODDO BHF AM, determina um terço do preço de venda a retalho da eletricidade (25% deve-se aos custos de distribuição e mais de 40% aos impostos).

O segundo fator refere-se ao impulso que está a ser dado à transição energética e é este ponto que sugere que o regresso da volatilidade observado nos preços será mantido a curto prazo. “A transição para uma economia de baixo carbono significa que os custos energéticos tanto para a indústria como para os consumidores são suscetíveis de aumentar estruturalmente pela primeira vez”, afirma Brad Tank, CIO de obrigações na Neuberger Berman

De facto, Cavalier faz eco de um relatório publicado pela OCDE em 2019 em que se comparava os preços da energia com base em várias combinações de energia. “No caso de a quota de renováveis ser de apenas 10%, o preço médio da eletricidade foi estimado em 70 dólares/MWh, com um desvio padrão de 106 dólares/MWh.  Num cenário em que esta quota sobe para 75%, o preço médio é reduzido em cerca de 25% e o desvio padrão aumenta 56%”, afirma este especialista.

Inflação transitória, mas não tanto

Dada a previsível volatilidade do mercado da energia, especialmente quando entramos no período de inverno com as alterações climáticas a gerarem situações cada vez mais extremas, a questão é óbvia: será que esta crise mudará esse conceito de transitório no que diz respeito à inflação?

“A inflação pode não ser tão transitória como se pensava anteriormente e parte dela pode permanecer estruturalmente enraizada na economia, enquanto o consumo e os lucros das empresas podem ser atenuados pelo aumento das faturas energéticas”, afirma Antonio Cavarero, diretor de Investimentos da Generali Insurance Asset Management.  Em concreto, Luca Paolini, estratega chefe da Pictet AM, avisa que “globalmente, esperamos que a inflação se mantenha acima da tendência e do consenso tanto este ano como em 2022”.

“É mais uma coisa com que os investidores se devem preocupar, pois não seria uma boa combinação se os preços da energia e as taxas de juro continuassem a subir. A relação entre o crescimento real e a inflação já diminuiu e, historicamente, isso não tem sido um grande sinal para os mercados de ações”, confirma Iggo.

As opções dos bancos centrais

Tendo em conta o que se viu, os bancos centrais têm duas opções. A primeira é responder ao aumento da inflação, adotando políticas mais agressivas. A segunda é assumir que estas novas taxas de inflação são o novo normal, tendo em conta que o aumento dos preços da energia é algo intrínseco a essa transição verde que se pretende alcançar. “Um endurecimento da política monetária não permitirá ultrapassar as limitações da produção ou do fornecimento de gás e eletricidade. O BCE cometeu o erro de aumentar as suas taxas de juro oficiais em 2011, no meio de uma recuperação dos preços do petróleo, e já sabemos como terminou”, afirma Cavalier. 

A segunda opção é, portanto, agora a mais provável e a menos arriscada. Especialmente tendo em conta que estes aumentos dos custos energéticos comprometem uma recuperação económica que também necessita de políticas monetárias flexíveis. 

Mas para que isso seja possível, é importante que os governos levem a cabo políticas que limitem que estes aumentos de preços sejam transferidos diretamente para os bolsos dos consumidores. Ao fim e ao cabo, a recuperação económica também depende do seu consumo. “Alguns governos estão dispostos a intervir para limitar os seus aumentos, através de reduções nos impostos sobre a energia (em Espanha, Itália e França); enquanto na Alemanha já existe um mecanismo de suavização, diz Maryse Pogodzinski, economista da Groupama AM.  E também faz eco da menção da Comissão Europeia à possibilidade de os Estados alterarem o IVA e os impostos especiais de consumo (impostos indiretos) a fim de reduzir o impacto do aumento dos preços.