Amundi negoceia a compra da Lyxor por 825 milhões de euros

negócio
Photo by Medienstürmer on Unsplash

Movimentos corporativos na indústria de ETF. A Amundi negoceia a compra da Lyxor por 825 milhões de euros. Segundo anunciou a gestora francesa, entrou em negociações exclusivas com a Société Générale. A Lyxor é um player importante no setor dos ETF e alternativos, com 124.000 milhões de euros em ativos totais. A operação consolidará a Amundi o segundo maior player no terreno dos ETF na Europa, atrás da BlackRock.

Fundada em 1998, a Lyxor é uma das pioneiras nos ETF na Europa. Atualmente conta com 77.000 milhões de euros em ETF. É o terceiro maior ator do mercado europeu, com uma quota de 7,4%. A isso somam-se outros 47.000 milhões em gestão ativa que provêm principalmente da sua plataforma de alternativos. Por isso, a Amundi pagará 825 milhões de euros ou 755 milhões excluindo o excedente de capital.

Com o fecho da compra da Lyxor, a Amundi irá tornar-se no segundo player no mercado de ETF na Europa, atrás da iShares (BlackRock). Terá um património combinado de 142.000 milhões de euros, uma quota de mercado de 14% na Europa e um perfil diversificado em termos de base de clientes e geografia. Segundo o comunicado, a entidade beneficiará de fortes impulsos para acelerar o seu desenvolvimento no segmento de ETF de rápido crescimento. Por sua vez, complementa a sua oferta em gestão ativa, em particular em ativos alternativos líquidos, assim como em soluções de assessoria.

A Amundi estima um alto potencial de sinergias:

  • Um valor empresarial que representa um múltiplo de PER com estimativas de 2021 de 10 vezes. Isto inclui só as sinergias de custos estimadas com os valores atuais.
  • Um retorno do investimento de mais de 10% ao ano, três anos depois da finalização, incluindo só as sinergias de custos estimadas com os valores atuais.

Esta aquisição está em linha com a estratégia do grupo Crédit Agricole, que tem como objetivo reforçar a sua posição nos negócios de captação de ativos.

Espera-se que a transação fique completa em fevereiro de 2022 no máximo. Ficará concluída depois de consultar os comités de empresa, e sujeita a receber as aprovações regulatórias e anti monopólio requeridas.