Análise da temporada de resultados do primeiro trimestre de 2022

S&P 500, Análise da temporada de resultados do primeiro trimestre de 2022
Créditos: Jason Briscoe (Unsplash)

A temporada de resultados está em pleno auge e tem sido, sem dúvida, intensa. Durante o primeiro trimestre, as empresas tiveram de ultrapassar múltiplos obstáculos, como o aumento dos preços das matérias-primas, as políticas dos bancos centrais, a invasão russa, novas perturbações na cadeia de abastecimento causadas pelos confinamentos na China e a queda da confiança dos consumidores. Por conseguinte, talvez seja surpreendente que os números agregados se mantenham, no geral, positivos e muito próximos dos níveis normais.

Como resume Felipe Villarroel, gestor da Vontobel AM, uma vez que quase 75% dos componentes do S&P 500 publicaram os seus resultados, podemos perceber que 81% superou as estimativas de lucro. “Esta é uma percentagem melhor do que no quarto trimestre do ano passado e está acima da média histórica. O alargamento das margens no primeiro trimestre é um fenómeno satisfatório que, além disso, resolveu uma das principais incertezas que preocupava os investidores à medida que a época de resultados se aproximava”, sublinha.

Entretanto, na Europa, são conhecidos os resultados de cerca de metade dos componentes do Stoxx 600. 75% dos números de vendas e 65% dos lucros das empresas que publicaram as suas contas surpreenderam positivamente. “Tal como nos EUA, estas percentagens estão em linha com as dos últimos dois trimestres. Os resultados dos bancos também mostraram resiliência, embora alguns reportem rácios de capital ligeiramente mais baixos, principalmente devido às alterações regulamentares esperadas. Em suma, o panorama geral é o de uma temporada de resultados saudável”, destaca o especialista.

Onde está o problema?

Mas isso não quer dizer que são boas notícias. As maiores empresas do S&P 500, que no final são as que ditam para onde se move o principal índice do mercado de ações americano, enfrentam dificuldades microeconómicas muito importantes, que têm pesado nos seus resultados.

“Obstáculos como o conflito na Ucrânia, aumento de salários, problemas de abastecimento, regulamentos mais rígidos e aumento dos preços da energia afetaram diretamente uma ou mais empresas no quinteto da Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft”, afirma Olivier de Berranger. O diretor de Investimentos e diretor de Gestão de Ativos da La Financière de l'Echiquier analisou os números apresentados por cada uma delas.

Google

A gigante da publicidade online sofreu diretamente as consequências do conflito na Ucrânia com a suspensão dos seus serviços publicitários na Rússia. No entanto, o mercado europeu no seu conjunto também afetou as suas receitas publicitárias, uma vez que, como em qualquer período de incerteza, os orçamentos de comunicação são a primeira variável de ajuste para reduzir as despesas das empresas.

Apple

A empresa sediada em Cupertino registou receitas acima das previsões, mas reviu os seus objetivos para o segundo trimestre por duas razões principais. A primeira tem a ver com a China, que enfrenta atualmente uma situação sanitária que coloca em apuros a barreira erguida pelo governo com a sua política zero COVID. Também para a Apple, a decisão de suspender a sua atividade no mercado russo é, e será, prejudicial do ponto de vista económico.

Facebook

Recentemente renomeada META, esta empresa conseguiu recuperar o crescimento dos utilizadores, mas desiludiu com os seus resultados. Este é mais um dos intervenientes que sofrem com a desaceleração do mercado publicitário europeu. Neste trimestre, a META tem problemas principalmente devido às novas regras adotadas pela Apple para proteger os dados dos utilizadores, que fazem com que a segmentação de publicidade seja menos precisa e, portanto, menos eficaz. Até 2022, o grupo estima que estes problemas irão privá-lo de lucros na ordem dos 10 mil milhões de dólares.

Amazon

A empresa, apanhada entre o aumento dos salários e o aumento das despesas de transporte, registou prejuízos no primeiro trimestre. É verdade que se devem principalmente a um investimento não rentável na Tesla dos camiões, a RIVIAN, mas a atividade de distribuição da Amazon vacila e obriga-a a rever em baixa as suas previsões para 2022.

Microsoft

A empresa continua a beneficiar do ímpeto da digitalização com a sua plataforma na nuvem Azure. O LinkedIn, impulsionado por um mercado de trabalho sob tensão, viu a receita aumentar 34%. Por outro lado, a divisão de dispositivos de computação Surface cresceu 11%.