Análise dos resultados da segunda volta das eleições legislativas francesas

França, Análise dos resultados da segunda volta das eleições legislativas francesas
Créditos: Jubilo Haku (Flickr Creative Commons)

A segunda volta das eleições legislativas francesas deu lugar a um parlamento sem maioria, o que provocou um abrandamento significativo na agenda das reformas. Nas próximas semanas haverá uma remodelação do gabinete e das negociações, o que poderá levar mesmo a um novo primeiro-ministro a facilitar um governo de coligação com Les Republicains. Mas os Conservadores estão divididos internamente, por isso um governo de coligação não é um dado adquirido.

“Se não for formada uma maioria estável, poderá surgir uma aliança mais complicada com o centro-esquerda, mas com mais riscos de crise governamental.  Um governo minoritário pode ter de procurar apoio numa base de projeto de lei a projeto de lei, e poderá surgir uma paralisia política. Nesse caso, o risco de novas eleições antecipadas também não seria excluído”, afirma Pietro Baffico. O economista da abrdn acredita que o programa de reformas de Macron será consideravelmente diluído.

Macron terá que ceder

“Embora os Les Republicains apoiem medidas próximas do seu programa, também vão exigir concessões, limitando os gastos sociais e aspirando a uma disciplina fiscal mais rigorosa. Macron mantém o controlo das políticas externas e de defesa, embora provavelmente enfrente uma maior oposição no que diz respeito a uma maior integração na UE. As pressões políticas decorrentes da crise do custo de vida são suscetíveis de reforçar os seus esforços para pressionar o envolvimento diplomático na Guerra da Ucrânia”.

Na sua opinião, estas eleições são uma manifestação de desafios políticos num ambiente inflacionário.  “Os eleitores ficaram mais desencantados, com uma taxa de participação mínima recorde de cerca de 46%. E mais insatisfeitos com o presidente em funções do que em 2017, como se refletiu na elevada abstenção nas presidenciais. Os partidos centristas e moderados estão enfraquecidos. Houve historicamente um elevado apoio aos partidos populistas, especialmente aos de extrema-direita, devido ao aumento dos custos de vida. A consequência é um espectro político fragmentado, em que os partidos são obrigados a comprometer-se com as suas políticas para evitar a paralisia”, conclui.