Análise dos últimos dados da inflação nos Estados Unidos: aceleração ou estabilização do índice de preços?

inflação, Análise dos últimos dados da inflação nos Estados Unidos: aceleração ou estabilização do índice de preços?
Créditos: Patrick Tomasso (Unsplash)

Os últimos dados publicados mostram que os preços no consumidor nos Estados Unidos aumentaram 7% em termos homólogos. É uma taxa não vista desde o início dos anos 80. Neste sentido, os detalhes mostram que o aumento dos preços é generalizado.

Os preços dos serviços – impulsionados pelos preços da habitação – tendem a superar as médias que vimos antes da pandemia e estão agora em níveis semelhantes aos anteriores à grande crise financeira, cerca de 4% em termos homólogos. Os preços dos bens de consumo duradouro, uma categoria duramente afetada pela disrupção das cadeias globais de abastecimento, aumentaram 16,8% em termos homólogos; um número recorde. Além disso, a inflação dos bens não duradouros não acelerou em dezembro, mas manteve-se em máximos (10,2%).

Visão da DWS: sem sinais de arrefecimento

Para Christian Scherrmann, economista da DWS para os Estados Unidos, não há sinais de que a inflação tenha arrefecido em dezembro. “A persistência das altas taxas de inflação, aliadas aos recentes dados robustos do mercado de trabalho, reforçam a narrativa dos falcões da Fed. Olhando para o futuro, parece que a Ómicron vai ditar o destino da economia em janeiro e, talvez, em fevereiro. Mas as atuais indicações sobre o desenvolvimento da nova variante sugerem que a Fed continuará no caminho certo para reduzir a sua política monetária acomodatícia, muito provavelmente já em março deste ano, aumentando as taxas pela primeira vez desde dezembro de 2018”.

Segundo o especialista, é preciso ter em conta que, embora a Ómicron tenha o potencial de abrandar os progressos no sentido do pleno emprego, tem também o potencial de impulsionar a inflação e, consequentemente, as expetativas de inflação. “Possivelmente, este facto significará ainda mais aumentos de taxas ao longo do caminho; acima dos três ou quatro atualmente antecipados pelos participantes no mercado”, avisa Scherrmann.

Visão da PIMCO: vê-se alguma estabilização

Tiffany Wilding, economista da PIMCO para a América do Norte, acredita que, embora o ritmo global da inflação tenha sido semelhante ao do mês passado, os detalhes subjacentes sugerem alguma estabilização da recente reaceleração. Isto é consistente com a sua opinião de que os valores mensais da inflação vão começar a moderar-se no próximo mês, e a taxa homóloga voltará a tender para o objetivo ao longo de 2022.

“A invulgar época de compras de Natal e a recuperação das viagens impulsionaram uma subida acentuada dos preços, enquanto a inflação dos preços das casas parece estar a estabilizar a um nível elevado. Outro mês forte foi suficiente para que o IPC subjacente subisse para 5,5% em termos homólogos, o ritmo mais rápido desde o início dos anos 90. Os dados confirmam as nossas expetativas de que a Reserva Federal vai começar a aumentar as taxas em março e a reduzir o seu balanço ainda este ano”.

Segundo explica, o último relatório coincide com as previsões de base de que o IPC atingirá um pico de cerca de 6% em fevereiro, antes de moderar na segunda metade do ano. No entanto, a empresa americana está cada vez mais focada nos riscos decorrentes dos surtos da variante Ómicron.

“Esperamos que o crescimento real no primeiro trimestre abrande significativamente devido à quebra das negociações sobre o plano Build Back Better e ao aumento dos casos de vírus no país. Mas continuamos preocupados com o impacto que uma nova rutura na produção na China e outros fornecedores-chave poderá ter nos inventários e preços dos retalhistas dos EUA”.