O BCE estende as ajudas monetárias até pelo menos 2022: reações das gestoras internacionais

europa BCE 2022, O BCE estende as ajudas monetárias até pelo menos 2022: reações das gestoras internacionais

O banco central anunciou na reunião de dezembro uma nova ronda de estímulos, que selam o seu apoio além do próximo ano. As empresas estrangeiras analisam as implicações para o investidor e para os mercados.

O Banco Central Europeu vai dar o seu apoio aos mercados até pelo menos 2022. Mais QE e uma maior flexibilização do crédito. É a mensagem clara e rotunda que enviou a entidade na sua reunião de dezembro. Uma reunião com os mercados previsível, mas não por falta de novidades. Tal como esperavam os investidores, a instituição presidida por Christine Lagarde anunciou esta quinta-feira uma bateria de estímulos: ampliou em 500.000 milhões de euros o programa de compra de ativos PEPP, estendeu o seu horizonte de compras para nove meses (mais do que o esperado) até março de 2022 e anunciou mais três rondas de TLTRO-III.

Assim, o programa de compra de ativos contra os efeitos da pandemia chega a 1,85 biliões de euros. Lembremos que em junho o BCE já aumentou o volume inicial em 600.000 euros. Por outro lado, o programa de reinvestimento dessas compras também foi prorrogado, até o final de 2023. Por outro lado, o terceiro programa de operações de financiamento de longo prazo com objetivo específico, o TLTRO-III, também foi prorrogado, para junho de 2022, com menos restrições para os bancos que queiram usufruir (de 50% para os 55% dos ativos elegíveis e garantias mais flexíveis) e a -1% de juros. Também anunciou quatro novos PELTRO e deixou o programa padrão do APP inalterado.

“Porquê uma extensão PEPP? Porque há boas razões para acreditar que a economia não será tão afetada até o final de 2021. Porquê 500 mil milhões? Porque o objetivo é preservar as condições financeiras favoráveis ​​por meio da flexibilidade na compra de ativos”, resume Frederik Ducrozet, economista da Pictet WM. De facto, o novo estímulo do BCE implica que este continuará a absorver cerca de três quartos da dívida emitida pelos países da zona euro no próximo ano, destaca. "Isso fornecerá apoio aos governos, que gastam em programas dispendiosos para manter negócios e empregos." "Em última análise, isso também é necessário devido à visão mais pessimista da economia do BCE", acrescenta Ulrike Kastens, economista do DWS.

Quanto a TLTRO, para Ducrozet o mais relevante é a extensão no tempo, embora o aumento nas alocações pareça pequeno demais para fazer uma grande diferença, especialmente para Itália e Espanha. “Na verdade, o pior das decisões do BCE de hoje é que o período de referência para TLTRO será ajustado de forma a tornar um pouco mais difícil para os bancos se qualificarem para beneficiar de juros negativos de -1% (os bancos podem ganhar até 1% com os empréstimos) ”, analisa.

Interpretação das medidas

 “O BCE enviou uma mensagem clara; não queremos sacudir o barco”, diz Andreas Billmeier, analista de dívida pública da Western Asset (Franklin Templeton). “O BCE quer transmitir a imagem de um banco central que tenta reduzir a incerteza no setor privado, ao mesmo tempo que mantém as condições financeiras onde estão. E conseguiu”.

Embora outros tenham ficado um pouco mais frios. “Em última análise, parece que o BCE não quer que o QE perca força antes que os governos da UE tenham a hipótese de fazer uso do fundo de recuperação da UE. No entanto, é claro que os investidores ficaram um tanto dececionados com a magnitude do aumento das compras, já que as yields dos títulos soberanos aumentaram ligeiramente (os preços caíram) e o euro fortaleceu-se em relação ao dólar americano”, interpreta Azad Zangana, Economista Sénior para a Europa na Schroders.

Para Paul Diggle, economista sénior da Aberdeen Standard Investments, o ponto-chave é que essas medidas estavam mais ou menos em linha com as expectativas, então o anúncio não teve muito impacto. No mínimo, a comunicação na conferência de imprensa deu a todo o evento um toque inútil de falcoaria, disse o especialista. "As previsões económicas mais suavizadas do BCE - com uma visão relativamente cautelosa da velocidade com que as vacinas permitirão um retorno ao normal - significam que provavelmente não é a última investida no estímulo monetário neste ciclo."

"As preocupações com a economia e a força da moeda provavelmente também estão a influenciar as previsões e mantém a retórica focada no potencial de fazer mais", interpreta Paul Brain, responsável de obrigações da Newton (BNY Mellon Investment Management). Portanto, espera que os anúncios não atrapalhem a forte tendência recente do euro em relação ao dólar americano, especialmente porque não mudaram a taxa de desconto, mas acharia interessante para o BCE expressar preocupação sobre isso no futuro. Algo que Lagarde se recusou a comentar inúmeras vezes, incluindo nesta reunião de dezembro. Finalmente, Brain espera que o spread entre os mercados de títulos periféricos e o núcleo continue a evaporar enquanto essas políticas flexíveis permanecerem em vigor.

Novas previsões macro

 Também foi uma reunião relevante porque o BCE atualizou as suas previsões macroeconómicas. E segundo os últimos dados, vê uma saída da crise mais lenta do que o esperado embora menos brusca. No novo cenário macroeconómico calcula uma contração de 7,3% do PIB em 2020, face à queda de 8% esperada em setembro. Mas por outro lado, antecipa uma recuperação mais débil no próximo ano, com um crescimento de 3,9% abaixo dos 5% previstos anteriormente. No entanto, para 2022, o BCE prevê uma expansão de 4,2% do. PIB, face ao anterior 3,2%, enquanto que para 2023 espera um crescimento de 2,1%.

A inflação, outro dos pontos débeis, também tem um prognóstico favorável. Na verdade, o BCE não acredita que a inflação chegue ao objetivo de 2% nem em 2023. Segundo as suas estimativas mais recentes, preveem que se situe perto de 1% em 2021, em 1,1% em 2022 e em 1,4% em 2023.

“Não há dúvida que o BCE terá que continuar a proporcionar um ajuste sólido no futuro previsível, embora a sua credibilidade poderá ver-se desafiada pelo mercado, especialmente à medida que a recuperação ganhe velocidade”, conclui Anna Stupnytska, economista global de Fidelity International.