Bill Gross: “O Tesouro americano a 10 anos, a 1,25%, só pode subir”

Bill Gross, Bill Gross: “O Tesouro americano a 10 anos, a 1,25%, só pode subir”
Bill Gross. Créditos: Cedida

Impulsionado por várias décadas de mercados bullish nas obrigações, Bill Gross tornou-se o rei das obrigações. Agora, longe da vida profissional, mas não dos mercados, o ex-gestor do maior fundo de obrigações do mundo oferece um futuro muito sombrio para a classe de ativos. Numa missiva ácida ao mercado, Gross partilha as suas perspetivas negativas para as obrigações.

"O Tesouro americano a 10 anos, com 1,25%, só pode subir", avisa o fundador da PIMCO. Pode não ser tão claro sobre a velocidade a que irá acontecer, mas não duvide que verá essa correção. A velocidade da reversão das obrigações é fundamental. Se apenas subisse 10 pontos base por ano na próxima década, um investidor ainda poderia não perder dinheiro. Mas a previsão de Gross é que o aumento das yields será muito mais rápido. 

E lembremo-nos que o quantitative easing está prestes a ser invertido. Para Gross é mais do que óbvio que os 120 mil milhões de dólares por mês que a Reserva Federal compra terminarão algures em meados de 2022. É apoiado por uma inflação superior a 2% e perspetivas de crescimento otimistas.

E sem a Fed, quem vai apertar a mão ao mercado? Para o ex-gestor, esta é a grande questão. O que será da dívida? Gross cita um estudo recente do Instituto de Finanças Internacionais que questiona a quantidade de dívida que o governo dos EUA pode vender mesmo a taxas tão baixas. De acordo com a IIF, a Fed absorveu 60% da emissão líquida dos EUA no ano passado. Quão dispostos estarão os mercados privados a absorver estes futuros 60% até meados de 2022? E mais além? Estas são duas perguntas que Gross deixa no ar.

A inflação pode ser a linha de vida procurada. Se atingisse o objetivo de 2%, poderia evitar outro taper tantrum. No entanto, quantos programas de gastos fiscais podemos permitir sem pagar com taxas de juro mais elevadas?

A liquidez é lixo? Os fundos de obrigações, também

E é por isso que lança a sua previsão. Vê as obrigações do Tesouro americano a 2% nos próximos 12 meses. Os cálculos por alto levam Gross a estimar uma descida nos preços de 4-5% e, portanto, um retorno total negativo de 2,5-3%.

Pouco se salva, na sua opinião. Para Gross, a liquidez é há muito um lixo (palavras suas ipsis verbis). E agora novos pretendentes são adicionados para serem baldes de investimento de lixo. Especificamente, fundos de obrigações a longo prazo. "A questão é se as ações serão adicionadas", sentencia. “O crescimento dos lucros das empresas é melhor que seja mais do que dois dígitos. Caso contrário, poderão juntar-se ao camião do lixo”, insiste.