Como mudou em 2020 o panorama de preferências sobre ETF nas plataformas nacionais?

Photo by Sean Pollock on Unsplash

Tendo em conta o ano volátil que foi o último ano, os Exchange Traded Funds – sendo produtos “híbridos” – viveram um crescimento espetacular. Prova disso é que no final de setembro de 2020, dos sete biliões de dólares investidos no mercado ETP, 97% desse montante estava investido em ETF. A FundsPeople observou, segundo os comentários mensais dos profissionais do Banco Best e Banco Carregosa, os ETF e tendências de gestão passiva que figuravam com mais frequência nos tops mensais de mais subscritos durante o ano de 2020. Neste sentido, revelamos à luz dos acontecimentos de cada mês e dos respetivos comentários dos profissionais Rui Castro Pacheco e João Queiroz, as tendências ocorridas em ETF. Nota para o facto de o ActivoBank também contribuir, mas apenas momentaneamente no início de 2020.

O início do ano ficou marcado por três acontecimentos: a morte do general iraniano Qasem Soleimani no Iraque, o início da pandemia e a incerteza decorrente do processo Brexit. Acontecimentos que levaram a uma subida da procura por ativos de menor risco, como o gás natural e metais preciosos, tanto no Banco Carregosa como no Banco Best. No Banco Best, registou-se uma elevada procura por ouro via o ETF Xtrackers Physical Gold, por gás natural através do ETF United States Natural Gas, assim como por índices obrigacionistas. Mais, o iShares $ Treasury Bond 7-10yr que investe no índice de obrigações do governo americano e o iShares J.P. Morgan $ EM Bond que investe no índice de obrigações emergentes apareciam entre as preferências dos investidores.

O mês de fevereiro representou a calma antes da tempestade. No Banco Carregosa as ações tecnológicas foram as privilegiadas e, no Banco Best, a principal incidência foi em índices acionistas, destacando-se o ETF iShares Core MSCI World UCITS. Também o United States Natural Gas, que procura seguir o preço do gás natural nos EUA, marcou presença na lista fornecida pela entidade. 

Março foi um mês bastante negativo para os mercados devido à propagação da Covid-19. Os ETF inverse & short foram as estratégias a que mais recorreram os investidores face à volatilidade registada. No Banco Best, a preferência recaiu sobre o ETF Vanguard S&P 500 EUR e iShares S&P 500 EUR Hedged (Acc). Os investidores apostaram também na descida do índice Euro Stoxx 50, com os ETF Xtrackers Euro Stoxx 50 Short Daily Swap 1C e Lyxor Euro Stoxx 50 Daily (-1x) Inverse Acc. Adicionalmente, o petróleo através do United States Oil Fund e do ProShares Ultra Bloomberg Crude Oil, foi um setor que continuou a marcar presença nas carteiras dos clientes no Banco Best.

Em abril ocorreu a recuperação generalizada dos mercados e o setor tecnológico e o de distribuição de retalho protagonizaram o maior destaque no Banco Carregosa. Do lado do Banco Best, a preferência incidiu sobre ações americanas através do iShares Core MSCI World UCITS ETF USD (Acc), o Vanguard S&P 500 UCITS ETF EUR e o SPDR® S&P 500 ETF Trust. O petróleo continuou na preferência dos clientes do Banco Best.

À semelhança do mês anterior, em maio e junho continuou a perspetiva de recuperação da atividade económica. No Banco Carregosa, o setor da tecnologia e cuidados de saúde lideraram as valorizações e, no Banco Best, o setor do petróleo, gás natural, commodities e a saúde foram os mais procurados. Ligado ao petróleo, uma vez mais, o ETF United States Oil e, no gás natural, os clientes do Banco Best optaram pelo ETF United States Natural Gas.

Julho e agosto corresponderam a um período em que, outra vez, o setor tecnológico liderou as preferências dos investidores, devido em grande parte ao desempenho das empresas tecnológicas. Neste sentido, o índice Invesco EQQQ NASDAQ-100 liderou as preferências dos investidores.

Numa altura em que nos aproximávamos das eleições presidenciais dos EUA, a volatilidade voltou a marcar presença no mês de setembro e outubro. No Banco Best, a maior consistência na presença do top ETF mais subscritos continuou a ser do petróleo, que se demonstrava através do ETF United States Oil. Também as empresas tecnológicas continuavam a assumir um grande interesse por parte dos investidores. 

Novembro traduziu-se em correções. Com o tema das vacinas alterou-se o cenário de investimento e perspetiva-se agora uma antecipação da recuperação económica. Mas, também o número de casos de Covid-19 aumentava, o que obrigava a medidas restritivas de movimentos. Uma vez mais as tecnológicas estavam em grande plano, mas desta vez, de uma forma mais seletiva. Neste mês, apenas o ETF iShares MSCI WORLD UCITS ETF (AAC) se manteve no top 3 do Banco Carregosa. A energia começava a ganhar cada vez mais destaque entre os investidores o que se traduzia, no Banco Best, na procura pelos ETF United States Natural Gas Fund e United States Oil Fund, bem como do SPDR® S&P Oil & Gas Exploration & Production. 

Chegámos ao último mês do ano e um segundo pico da pandemia estava cada vez mais próximo por toda a Europa. Embora esse cenário, os investidores acreditavam numa recuperação no curto prazo com o início do processo de vacinação. Assim, a tendência das preferências dos investidores registada nestes últimos meses do ano continuou. Isto é, os temas tecnologia e energia lideraram as preferências entre os investidores. Nas tecnologias, o Invesco QQQ Trust esteve em grande destaque nestes últimos meses de 2020, assim como a procura por instrumentos que beneficiavam do investimento em energia verde, através do First Trust NASDAQ® Clean Edge® Green Energy Index Fund. 

No panorama geral, os ETF com maior frequência no top de mais subscritos de 2020 incidem em temas como a tecnologia, energia, ouro e ações. O índice acionista preferido entre os investidores destas entidades foi o ETF iShares Core MSCI World UCITS – que marcou presença no top de ETF mais subscritos em quase todos os meses. Para fazer face à volatilidade do mercado como ocorreu no mês de março, setembro e outubro, os investidores recorreram a estratégias que apostavam em ETF inverse & short e apostaram na descida dos índices das maiores empresas europeias. Logicamente, o setor da saúde – pelas circunstâncias que todos sabemos – liderou as valorizações e foi dos temas mais procurados durante 2020. No final de 2020, viveu-se uma grande especulação no mercado europeu com os investidores tanto a procurarem posições curtas através do Xtrackers Euro Stoxx 50 Short Daily Swap UCITS ETF 1C, como posições longas. 

De notar ainda que a FundsPeople publicou recentemente um estudo sobre ETF que publicou a consultora TrackInsights em colaboração com a iShares (BlackRock), onde revelamos os cinco tipos de ETF que mais procuram os investidores profissionais. Também, à luz desse estudo, destaca-se o investimento passivo que começa a ganhar espaço nas carteiras dos investidores institucionais.