Desmontar quatro mitos em torno da adoção do ESG

ESG, Desmontar quatro mitos em torno da adoção do ESG
Créditos: Casey Horner (Unsplash)

A grande maioria (60%) dos investidores em todo o mundo rejeita a ideia de que as empresas só são responsáveis por gerar valor para os acionistas, de acordo com um inquérito realizado pela Natixis Investment Managers entre mais de 8.550 investidores individuais de 24 países diferentes. As conclusões revelam que os investidores também esperam que as empresas sejam responsabilizadas pelo impacto que causam no ambiente e na sociedade, e gostariam que os decisores políticos e o setor privado, incluindo os gestores de fundos, tomassem medidas adicionais nesta matéria. O estudo mostra um maior interesse pelo ESG e também desmonta vários mitos criados em torno da sua adoção.

1. O interesse em ESG não se limita aos millennials

A opinião popular é que a adoção de estratégias ESG tem sido induzida por millennials socialmente conscientes que querem que os seus ativos sejam o motor da mudança ambiental, social e ética. Embora os investidores em ESG sejam tipicamente mais jovens, a adoção generalizada e o interesse nestas estratégias indicam que agora atraem investidores mais convencionais. Um em cada quatro (27%) millennials afirma que investe em ESG, mas também 20% dos integrados na Geração X e 18% dos integrados na geração baby boom. Por outro lado, todos as faixas etárias mostram um forte interesse no ESG, incluindo 52% dos millennials, 52% da Geração X e 44% da geração baby boom.

2. O mundo encurta distâncias com a Europa

Embora a Europa mantenha a liderança na adoção antecipada de estratégias ESG, o resto do mundo está a encurtar distâncias. Os investidores norte-americanos (28%) já superam os investidores europeus (22%) e asiáticos (22%) quando se trata de adotar estratégias sustentáveis.

Na América do Norte, os investidores norte-americanos (32%) estão na liderança no que toca aos investimentos ESG, contra apenas 16% dos canadianos. Os países da América Latina são atualmente os que menos investem no ESG (13%), embora isso possa vir a mudar ao longo do tempo, uma vez que a região tem um grande número de investidores (62%) que dizem estar interessados no ESG, apesar de ainda não terem feito qualquer investimento nessa área.

3. Ter bom desempenho é tão importante como fazer o bem

Dada a atenção prestada ao aquecimento global e à sustentabilidade, não é de estranhar que 41% dos investidores em ESG o considerem uma forma de contribuir para a preservação do meio ambiente. No entanto, os investidores são pragmáticos nas suas opiniões. Aqueles que afirmam que as estratégias da ESG abrem novas oportunidades de investimento são quase tantos (37%) como aqueles que afirmam querer “alcançar um mundo melhor”, e quase tantos como aqueles que afirmam que, na sua opinião, as estratégias ESG são simplesmente uma forma melhor de investir (35%).

4. A prova da rentabilidade é convincente

Apenas um em cada cinco investidores continua agarrado ao conceito de que investir em estratégias ESG significa sacrificar o retorno do investimento.  O sentimento dos investidores mudou radicalmente desde 2017, quando a Natixis IM revelou que 64% dos investidores inquiridos acreditavam que teriam de sacrificar algum potencial de retorno para terem investimentos que se adequassem aos seus valores pessoais. Apenas 22% dizem que a falta de informação sobre o desempenho não financeiro os impede de investir em ESG.

Dados recentes confirmam que os investimentos do ESG têm o potencial de gerar resultados superiores. No final do terceiro trimestre de 2021, o S&P 500 ESG Index superou o S&P 500 Index em 3,7% nos três anos anteriores a 3 de outubro de 2021.