Diga aos seus clientes: o depósito bancário não resolve o problema… agrava-o

dinheiro riqueza
Créditos: Eric Muhr (Unsplash)

Os depósitos bancários e as contas remuneradas regressaram. Após anos de taxas de juro zero, em que estes produtos desapareceram como alternativa para os investidores/aforradores, as entidades estão a comercializá-los de novo. Os banqueiros privados e consultores financeiros têm pela frente uma importante tarefa pedagógica. Porque estes produtos não são uma boa opção de investimento se o cliente estiver à procura de preservação de capital. Ou seja: superar a inflação.

Pelo menos é o que se pode deduzir de dois gráficos apresentados pela J.P. Morgan Asset Management no seu último Guide to the Markets. No primeiro, a gestora indica qual seria a rentabilidade gerada por 100.000 euros colocados num depósito bancário a três meses. O valor seria de cerca de 500 euros. No entanto, esta quantidade estaria muito longe dos 8.000 euros necessários para que o cliente não perca poder de compra como consequência do aumento dos preços.

É uma situação muito diferente da que encontrávamos há pouco mais de 20 anos, quando o investimento em depósitos servia como proteção contra a inflação, embora a longo prazo esteja demonstrado que o depósito não é a melhor ferramenta para o conseguir. No segundo gráfico, a empresa americana analisa qual seria o efeito de uma inflação de 2% sobre o poder de compra de 100.000 euros se o cliente tivesse esse dinheiro permanentemente colocado nesses veículos. O efeito é demolidor.

Fonte: Guide to the Markets, J. P. Morgan AM