Efeitos do conflito bélico na política monetária: não descarrila, mas altera-a

Rússia, Efeitos do conflito bélico na política monetária: não descarrila, mas altera-a
Créditos: Sanziana Perju / ECB

As complicações multiplicam-se para os bancos centrais. Para a economia global, e em particular para a europeia, a guerra conduzirá a um choque de oferta negativo. Tudo indica que a inflação vai subir à medida que o preço da energia e da alimentação sobe. E também que irá pesar no crescimento, afetando os rendimentos reais disponíveis das famílias e aumentando os custos do fornecimento de empresas. “Isto complica a tarefa dos bancos centrais de tentarem calibrar uma resposta adequada para controlar a inflação sem prejudicar indevidamente a economia”, alertam na J. Safra Sarasin.

O que é claro é que os bancos centrais vão enfrentar um dilema. Serão forçados a escolher entre duas opções. Cada uma delas pode ter efeitos económicos negativos.  Como explica François Rimeu, estratega sénior da La Française AM, a primeira opção seria respeitar os seus mandatos, mantendo assim a sua credibilidade e continuando o ajuste da política monetária para combater o aumento da inflação. “Com a procura dos consumidores potencialmente sob pressão, esta é uma escolha difícil de fazer e pode ter efeitos negativos no crescimento”, diz.

A segunda opção seria adiar o aumento das taxas até que a situação acalmasse, o que implicaria correr o risco de consolidação da inflação. “Neste momento, não esperamos que o risco geopolítico impeça a Fed de aumentar as taxas em 25 pontos base em cada uma das suas próximas reuniões. Além disso, acreditamos que a incerteza geopolítica reduz as hipóteses de uma subida de 50 pontos base em março”, diz o especialista da empresa francesa.

Fed: um endurecimento mais lento

Andrew McCaffery, responsável global de investimentos da área de Gestão de Ativos na Fidelity International, tem afirmado consistentemente que a Fed teria de ajustar a sua política mais lentamente do que o anunciado. Assim o considerava devido aos elevados níveis de dívida acumulados para enfrentar as consequências da pandemia.

“A crise na Ucrânia torna este cenário ainda mais provável porque, apesar de ter impulsionado preços de energia ainda mais elevados, também representa riscos para o crescimento, especialmente na Europa. Os bancos centrais podem lutar para mudar radicalmente o seu discurso se o crescimento começar a enfraquecer e não vão voltar ao modo expansionista”. Em vez disso, espera que continuem a tentar ajustar a política, mas lentamente, na esperança de evitar uma recessão.

A Fed está sob grande pressão

Na Loomis Sayles, do grupo Natixis IM, acreditam que a Fed está sob grande pressão para aumentar o preço do dinheiro. “Vai avançar com uma subida de 25 pontos base em março.  Esperamos que outros bancos centrais continuem com uma política mais ajustada, embora a magnitude das subidas de taxas possa ser moderada”.

Na empresa estão convencidos de que o conflito não irá prejudicar a política monetária. É claro que acreditam que, a longo prazo, provavelmente criará um ambiente de decisão de política monetária mais complexo, uma vez que os bancos centrais enfrentam os riscos de uma possível estagnação. “Podem ter de adaptar as suas estratégias em conformidade”, dizem.

A situação do BCE

Por outro lado, o BCE poderá enfrentar uma situação diferente. Pelo menos, não tão confortável como a da Fed. A crise pode ter um efeito negativo mais forte no crescimento europeu do que no crescimento dos EUA, e a inflação não é tão elevada como nos Estados Unidos. Mais concretamente, o mercado laboral dos EUA não parece tão tenso como no caso europeu, com uma inflação salarial de apenas 1,5% em termos homólogos durante o quarto trimestre de 2021, enquanto nos EUA o indicador de crescimento salarial de Atlanta se situou em 5,1%.

Recorde-se que Robert Holzmann, membro do BCE, declarou que “o conflito na Ucrânia pode atrasar a retirada de estímulos”.  Isto indica que a autoridade monetária europeia está disposta a adotar uma posição menos restritiva, se necessário.

Tudo pode depender da evolução do conflito. O facto de o presidente russo, Vladimir Putin, ter ativado a força nuclear e de os países europeus estarem a fechar o seu espaço aéreo a aviões russos é mais um passo na escalada de tensão.

“A principal fonte de incerteza é a forma como a Ucrânia e as potências ocidentais vão reagir. A resposta deve materializar-se sob a forma de sanções mais severas. Mas há também a questão de saber se, em algum momento, o Ocidente estará disposto a intervir militarmente”, disse Johanna Kyrklund, diretora de Investimentos da Schroders. Neste campo a incerteza é, por enquanto, escassa.