Estamos de volta à casa de partida na luta contra a pandemia? Falam as gestoras

Ómicron, Estamos de volta à casa de partida na luta contra a pandemia? Falam as gestoras
Créditos: Diana Polekhina (Unsplash)

A variante Ómicron está a recordar-nos o pior da pandemia: uma subida nos casos, confinamentos, restrições e (por enquanto, parciais) encerramentos de economias. Mas isso não significa que vamos andar para trás na luta contra a pandemia.

É verdade que, tal como explicado por Gilles Moëc, economista-chefe da AXA IM, e Chris Iggo, diretor de Investimentos da gestora, “o aparecimento da variante obriga-nos a considerar um risco negativo no nosso cenário central para 2022”. É isso que muitos economistas estão a fazer neste momento: reduzir as suas expetativas de crescimento para o próximo ano, face aos efeitos que a nova tensão poderá ter na atividade económica.

Os especialistas reconhecem que “a combinação de uma elevada taxa de propagação da variante e um número ainda significativo de pessoas sem qualquer proteção pode significar que serão necessárias medidas restritivas adicionais nas próximas semanas para preservar a capacidade dos cuidados de saúde”. E alertam: “Isto fará uma mossa no crescimento do PIB neste inverno, embora provavelmente seja uma mera pausa na trajetória de recuperação. Não voltámos à casa de partida na luta contra a pandemia”, sublinham.

A relação entre infeções e internamentos é agora mais fraca

Numa linha muito semelhante, pronuncia-se Richard Dunbar, responsável de Multi-Asset Analysis da abrdn. “Somos encorajados pela forma como a COVID-19 está a progredir globalmente. Os processos de vacinação têm sido um sucesso, especialmente nos mercados desenvolvidos. Os países emergentes atrasaram-se nesse caminho, mas o recente aumento da aceitação na China é encorajador”.

De acordo com o especialista, se a variante Ómicron serviu alguma coisa, cabe-nos a nós fazer uma pausa e refletir. “A nova estirpe levou a um aumento das taxas de infeção em todo o mundo. No entanto, a relação entre infeções e internamentos parece ser mais fraca, de acordo com o que sabemos nesta fase inicial”.

“A Ómicron lembra-nos que o mundo só pode ser tão bom quanto o elo mais fraco da cadeia de vacinação. Esta verdade evidente deve estar muito na cabeça dos líderes mundiais no próximo ano e deve permitir a continuação da reabertura da economia mundial”.