Fevereiro com quebra significativa nos ativos em fundos mobiliários portugueses

Fundos de investimento, Fevereiro com quebra significativa nos ativos em fundos mobiliários portugueses
Photo by Raimond Klavins on Unsplash

Fevereiro de 2022 é um mês que apanhou muita gente de surpresa. Não só observávamos já uma correção relevante de alguns setores no mercado de ações, como a inflação mais persistente do que o esperado fazia com que se desenhasse no horizonte políticas monetárias mais restritivas com o consequente impacto de curto prazo nos títulos de rendimento fixo. Em cima desta combinação, eclodiu uma guerra no leste da Europa, com toda a incerteza que isso representa.

O bolo dos fundos mobiliários de domicílio português não ficou imune à volatilidade e viu os seus ativos recuar de forma relevante no mês. Mais especificamente, o conjunto dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM) e fundos de investimento alternativo (FIA) perdeu 561 milhões de euros, um valor que representa uma queda de 2,88%. Fecharam o mês nos 18,9 mil milhões de euros. Os OICVM foram mais penalizados, perdendo 2,9% no mês, enquanto os FIA viram o valor mensal sob gestão decrescer 0,1% para 327,7 milhões de euros.

Fundos de investimento, Fevereiro com quebra significativa nos ativos em fundos mobiliários portugueses

Quotas de mercado

As duas sociedades gestoras líderes - Caixa Gestão de Ativos e IM Gestão de Ativos - foram as mais penalizadas em termos de variação de quota de mercado no mês de fevereiro. Também entre as maiores, a BPI Gestão de Ativos e Santander AM reforçaram a sua posição relativa, enquanto a da GNB Gestão de Ativos se manteve inalterada.

Fundos de investimento, Fevereiro com quebra significativa nos ativos em fundos mobiliários portugueses

Atividade no mês

No mês deu-se a fusão por incorporação do fundo Montepio Euro Telcos no Montepio Acções Europa, ambos geridos pela Montepio Gestão de Activos.