Fotografia atual da indústria americana de ETF

ETF, Fotografia atual da indústria americana de ETF
Créditos: Luca Micheli (Unsplash)

Os Estados Unidos são o mercado por excelência para os ETF. No final de 2021, tinham sido investidos 6,33 biliões de euros nestes produtos. É o maior volume alguma vez alcançado por estes veículos.

Estes são dados da ETFGI, uma empresa independente de consultoria e análise especializada em ETF fundada por Deborah Fuhr, que mostram que no ano passado os fundos cotados registaram captações líquidas nos Estados Unidos no valor de 808.000 milhões de euros. Dois terços desses fluxos líquidos foram atraídos por produtos de ações.

Em termos percentuais, o crescimento dos ativos face ao ano anterior foi de 32%. O património aumentou 1,53 biliões. Praticamente metade do crescimento registado em 2021 pela indústria americana de ETF tem sido através de captações, enquanto a outra metade é explicada pelo comportamento favorável dos mercados. Estas entradas representam uma aceleração muito forte em relação a 2020, quando se situavam em cerca de 440.000 milhões.

Se na Europa cerca de dois terços dos ativos estão nas mãos de três entidades, nos Estados Unidos a concentração é ainda maior. Os três principais provedores representam 78,5% do património. Neste sentido, a iShares (BlackRock), com 2,16 biliões e uma quota de mercado de 34,2%, a Vanguard, com 1,83 biliões e uma fatia do a bolo de 28,8% e a State Street Global Investors, com quase um bilião (15,4% do total) são os grandes players da indústria americana ETF.