Fundo soberano da Noruega: como adaptou a sua carteira à recuperação pós-COVID-19

Noruega, Fundo soberano da Noruega: como adaptou a sua carteira à recuperação pós-COVID-19
Créditos: Mikita Karasiou (Unsplash)

Todas as apresentações de resultados do fundo soberano norueguês, o segundo maior do mundo, com 1,17 biliões de euros em ativos sob gestão, são seguidas por milhares de investidores de todo o mundo. Não é em vão, já que este fundo pode gabar-se de ter alcançado retornos positivos em quase todos os ambientes de mercado, visto que fechou em positivo 17 dos seus 22 anos.

Há poucos dias publicou os seus resultados para o primeiro semestre de 2021, período marcado pela recuperação económica global graças ao regresso à normalidade que se vislumbra com a chegada de vacinas a uma grande parte da população. Durante este período, o fundo obteve uma rentabilidade de 9,4%, o que significa adicionar cerca de 95.000 milhões de euros ao seu já enorme património.

Se há um ativo que lhe permitiu fechar a primeira metade do ano com este bom valor foi as ações. Representam 72,4% da carteira e geraram uma rentabilidade de 13,7% para o fundo.

Os investimentos em ações foram os que mais contribuíram para a rentabilidade no primeiro semestre, especialmente para os investimentos nos setores da energia e finanças. Os investimentos em empresas de energia tiveram uma rentabilidade de 19,5%”, afirma Nicolai Tangen, diretor-geral da Norges Bank Investment Management.

Não foi o único ativo que trouxe alegrias. O mesmo aconteceu com o setor imobiliário não cotado, que contribuiu com 4,6% de rentabilidade para a carteira e com um peso de 2,4% na mesma. O bom desempenho destes ativos permitiu compensar o mau resultado de outros, como as obrigações, que retiraram 2% de rentabilidade ao fundo ou a posição recentemente lançada em infraestruturas de energias renováveis não cotadas, cuja rentabilidade foi de -1,9%.

Mais infraestruturas

De facto, quando se analisa a carteira do fundo no final do primeiro semestre de 2021 e comparando com a que tinha quando se despedia do fatídico 2020, vê-se como a grande mudança tem sido precisamente esse compromisso com as infraestruturas não cotadas de energias renováveis. Concretamente, o fundo continua a alocar 72% da sua carteira a ações, 25,1%, a obrigações (pouco mais dos 24,7% que atribuiu no final de 2020), 2,4% em imóveis não cotados, e a novidade é que 0,1% é agora atribuído a infraestruturas de energias renováveis não cotadas.

Alterações setoriais

No entanto, registaram-se alterações significativas na forma como distribui a sua carteira de ações por setor. Por exemplo, uma das mais significativas é a redução de peso que o setor financeiro representa na sua carteira. Se no final de 2020 representava 20% da sua carteira de ações, sendo, portanto, o setor com mais peso, agora é de 14,5%. Isto deixa a tecnologia como o setor com mais peso, com 19,8% do total investido em ações. O segundo setor com mais presença é o do consumo discricionário, um dos que é chamado a beneficiar mais em tempos de recuperação económica. O seu peso é de 15,4% do total de capitais próprios. Do outro lado da moeda, o setor das utilities é o que tem menos peso, 2,4% quando em 2020 o último lugar da lista era ocupado pelo setor das telecomunicações.

Noruega, Fundo soberano da Noruega: como adaptou a sua carteira à recuperação pós-COVID-19

Estas variações por setores também trouxeram alterações em termos das dez principais posições em ações. Enquanto a Apple continua a ser a maior posição no portefólio e a Microsoft a segunda, agora o terceiro maior valor é a Alphabet, a ação que mais contribuiu para a boa rentabilidade do fundo neste primeiro semestre, destronando assim a Amazon, que passa para uma quarta posição.

Menos dívida pública

Quanto ao rendimento fixo, há também alterações significativas. Uma delas é a redução do peso das obrigações do Estado. Hoje representam 50% da carteira de rendimento fixo quando em 2020 pesavam 56%. O peso das obrigações corporativas também foi ligeiramente reduzido de 26,1% para 24,9%. Em termos de regiões, os EUA continuam a ser a região onde mais investem, seguida do Japão e do Reino Unido, que substitui a Alemanha.

Noruega, Fundo soberano da Noruega: como adaptou a sua carteira à recuperação pós-COVID-19