O efeito Fisher: a relação entre o dinheiro, a inflação e as taxas de juro

puzzle
Photo by Markus Winkler on Unsplash

O efeito Fisher é o ajuste perfeito das taxas de juro e da taxa de inflação. A relação entre o dinheiro, a inflação e as taxas de juro também se denomina assim devido a Irving Fisher, economista que estudou pela primeira vez esta relação. Mas, o que nos mostra o efeito Fisher? A base encontra-se na teoria quantitativa do dinheiro que relaciona a quantidade de dinheiro em circulação com o nível geral dos preços.

Segundo o princípio da neutralidade do dinheiro, a longo prazo um aumento da taxa de crescimento do dinheiro eleva a taxa de inflação, mas não afeta nenhuma variável real. Uma importante aplicação deste princípio refere-se à influência do dinheiro nas taxas de juro. Estas variáveis relacionam a economia atual com a economia futura através da sua influência no aforro e no investimento.

Diferença entre taxa de juro nominal e real

Para entender a relação entre o dinheiro, a inflação e as taxas de juro, é preciso ter clara a distinção entre a taxa de juro nominal e real. Enquanto a primeira é o que conhecemos através do banco; o segundo corrige o tipo nominal para ter em conta o efeito da inflação. A taxa de juro real é o tipo de taxa de juro nominal menos a taxa de inflação.

Crescimento da oferta monetária e taxas de juro

O efeito Fisher é crucial para entender as variações que experimenta a taxa de juro nominal com o passar do tempo, já que estabelece que este se ajusta para ter em conta a inflação esperada.

Dito de outro modo, para que a taxa de juro real não fique afetada, a nominal é ajustada com o fim de ter em conta as variações da taxa de inflação. Portanto, a relação será a seguinte. Se os bancos centrais elevarem a taxa de crescimento do dinheiro, o resultado a longo prazo será tanto um aumento da taxa de inflação como uma subida da taxa de juro nominal.

Horizonte temporal: longo ou curto

Enquanto a teoria de Fisher é amplamente aceite entre os economistas, se nos focarmos no horizonte temporal, surgem nuances. Por um lado, estão os monetaristas, nos quais o próprio Fisher se incluía. Argumentam que, no longo prazo, os preços perdem a sua rigidez e se ajustam à oferta de dinheiro. Defendem que a inflação é um fenómeno monetário, causado por variações na oferta de dinheiro.

No entanto, os keynesianos baseiam a sua abordagem no curto prazo, no qual os preços são relativamente rígidos. Defendem que a inflação é afetada principalmente por variáveis ​​reais como a taxa de desemprego.

Podemos esperar uma inflação desenfreada?

Ao longo de 2020, vimos que os bancos centrais puxaram da sua artilharia de políticas monetárias expansivas para mitigar a crise da COVID-19. Num contexto já acomodatício, isto causou um aumento significativo na oferta de dinheiro. Começámos 2021 e a recuperação da inflação na Europa e nos EUA levanta a questão: será o começo de algo maior?

Para Esty Dwek, estratega chefe do mercado global da Natixis IM Solutions, não é esse o cenário que se contempla. “Não esperamos um surto de inflação este ano, embora deva subir” devido a três fatores: “política monetária ultra-acomodatícia, biliões em programas de QE e mais biliões em medidas de estímulo fiscal.” Embora possamos começar a ver a inflação subir, isso não parece ser preocupante.

Bruno Cavalier, economista chefe da ODDO BHF AM, explica que “o aumento repentino da inflação europeia não reflete uma pressão real sobre os preços ou salários, mas sim a influência de vários fatores técnicos ou temporais”. O especialista acrescenta que embora “o BCE queira que a inflação recupere, já que está bem abaixo da meta há quase 10 anos, será difícil distinguir em tempo real entre uma aceleração cíclica e o possível início de um novo regime de inflação”. Embora o fator revelador seja o mercado de trabalho, também será alterado pela pandemia, acrescenta o especialista.

Para Jeremy Lawson, economista-chefe da Aberdeen Standard Investments, as preocupações com uma inflação significativamente mais alta também parecem estranhas no contexto atual. Lawson explica que “se o crescimento da oferta monetária tem sido forte, é simplesmente o efeito da flexibilização monetária e fiscal conjunta. Os empréstimos e estímulos ao setor privado aparecem como depósitos no sistema bancário”. E ressalta que “a grande queda na velocidade do dinheiro é um melhor sinal do verdadeiro estado da procura”. Estão convencidos de que “o núcleo da inflação permanecerá, em média, igual ou abaixo das metas do banco central na maioria dos países na próxima década”.