High yield floating rate bonds: posicionadas para brilhar num ambiente de subida de taxas e inflação

high yield, High yield floating rate bonds: posicionadas para brilhar num ambiente de subida de taxas e inflação
Créditos: Kupono Kuwamura (Unsplash)

Menor duration e maior rentabilidade potencial. É a resposta dos investidores ao que se espera que seja um ambiente de inflação e subida das taxas de juro.  No crédito, as obrigações investment grade foram uma melhor almofada para o contexto que enfrentámos em 2020, mas com um novo cenário macro em 2021, as emissões de empresas high yield estão a ter um melhor desempenho.  A melhoria dos fundamentais e das taxas de incumprimento, aliada à expetativa de uma política monetária mais rigorosa, tornaram o high yield numa opção para se protegerem contra as subidas de taxas e a inflação. E neste segmento, as floating rate bonds brilharam ainda mais.  

high yield, High yield floating rate bonds: posicionadas para brilhar num ambiente de subida de taxas e inflação

Assim, as high yield floating rate bonds superaram outras áreas do mercado obrigacionista de high yield até agora em 2021. Com um retorno de 5,3% até agosto, ultrapassou o high yield global, europeu e americano. Porquê?

Menor risco no aumento de taxas

A própria Reserva Federal deixou claro que o seu plano é começar a reduzir as compras de ativos antes do final de 2021. E se a recuperação continuar, o Banco de Inglaterra e o Banco Central Europeu poderão seguir os passos do tapering, vê a equipa de obrigações de mercados públicos da M&G Investments. Se isso acontecer, o aumento das yields das obrigações soberanas afetará inevitavelmente também o crédito.  

Daí a menor exposição à duration e um maior apetite por emissões high yield. As obrigações high yield têm uma sensibilidade mais baixa às taxas do que o investment grade ou as obrigações governamentais. E, no entanto, ainda é alta, destacam na M&G. A duração média do ICE BofA Global High Yield Index é de cerca de 3,9 anos. Por outro lado, as high yield floating rate bonds têm uma duração típica perto de zero. “Isto isola-as dos efeitos negativos da subida das taxas. Com os cupões indexados, fornecem um rendimento que acompanha a subida das taxas”, explica a equipa da M&G.

Menor volatilidade em tempos de stress

Historicamente, as high yield floating rate bonds têm mostrado uma menor volatilidade, especialmente em períodos de stress do mercado. A beta das floating rate bonds de high yiel é inferior à das obrigações convencionais de high yield. Têm uma duração média de spread de 1,6 anos contra 3,9 anos no segundo caso.

Potencial de aumento de capital

A maioria as obrigações high yield tem call options incorporadas. Isto permite ao emitente comprar de volta as obrigações numa data e preço especificados. Com as yields em mínimos e os preços em máximos que não se viam há vários exercícios, o mercado high yield de taxa fixa enfrenta um grande desafio de potencial de ganhos de capital.  Muitas destas obrigações estão atualmente a negociar no limiar ou mesmo acima do seu próximo call price. Especificamente, 67% das obrigações high yield dos EUA, de acordo com os dados da M&G. Em comparação, apenas 35% das high yield floating rate bonds enfrentam esta restrição de convexidade negativa.

Fatores técnicos na procura

Os CLO são compradores significativos de high yield floating rate bonds. A continuação da subida nas transações de M&A significa que os CLO vão continuar a impulsionar a procura técnica de high yield floating rate bonds. Embora a seca de 2020 tenha sido um headwind para a classe de ativos, a oferta de mercado normalizou e o volume recente atingiu mesmo um recorde em agosto.