Implicações para as carteiras da última decisão da Fed

fed subida de taxas carteiras, Implicações para as carteiras da última decisão da Fed
Créditos: Cedida

Com a subida histórica da taxa de juro em 75 pontos base, a Fed envia uma mensagem clara ao mercado. A política monetária dos EUA acelerou o seu tom restritivo. Que implicações isso tem para os portefólios? As gestoras internacionais falam do seu posicionamento.

A mensagem geral é que a volatilidade veio para ficar. “Ao debilitar o alcance do seu forward guidance, a Fed corre o risco de manter uma elevada volatilidade nos mercados, cujos olhos estão ainda mais focados na inflação. Qualquer surpresa adicional sobre a inflação acima do esperado ajudará a aumentar a pressão sobre as taxas”, prevê Franck Dixmier, diretor de Investimento Global de Rendimento Fixo da Allianz GI.

Pressão no longo prazo da curva

De forma mais notável, a volatilidade será sentida em vencimentos mais longos do que na parte dianteira da curva, acredita Jason England, gestor de carteiras da Janus Henderson. Na sua opinião, o feroz movimento de subida das yields de prazos mais curtos, deixou-os mais próximos do que o mercado pode esperar para o caminho das taxas nos próximos 24 meses. Na mesma linha, Eva Sun-Wai, gestora da M&G Investments, pensa: "Não surpreendente que devamos esperar que o longo prazo reaja mais fortemente às perspectivas de crescimento". Dado que os retornos entre esses dois conjuntos de vencimentos são bastante próximos, a Inglaterra não acredita que a yield incremental de manter títulos com prazos mais longos justifique os riscos elevados num ambiente macro ainda incerto.

E a reação do mercado após a reunião da Fed é um bom exemplo disso. As taxas de longo prazo caíram no meio de uma perspetiva de crescimento mais lenta, enquanto as yields a 2 anos caíram 20 pontos-base, com as expectativas de cortes nas taxas em 2024. Com um aperto tão agressivo este ano, os riscos de recessão aumentaram ainda mais em 2023. Tendo isto em conta e também o aumento das yields até agora, Lucía Gutiérrez-Mellado, diretora de Estratégia da J.P. Morgan Asset Management para Portugal e Espanha acredita que as obrigações básicas de elevada qualidade e duração intermédia podem ser os ativos de rendimento fixo mais atrativos a serem considerados neste momento.

Cautela. Não é momento de ser herói

Em geral, há um consenso entre os gestores de que não é hora de sermos heróis. Porque apesar da correção, a macroeconomia ainda não passou pela dor real. “A economia global está a desacelerar, como esperado, dada a política monetária mais restritiva nas economias desenvolvidas”, diz Kristina Hooper, estrategista de mercado global da Invesco. Assim, a especialista favoreceria, taticamente, uma postura de risco reduzido com uma leve sobreponderação a ações. Dentro das ações, optaria por ações defensivas, de qualidade e baixa volatilidade. Dentro do rendimento fixo, estariam subponderados no risco de crédito.

Salman Ahmed, responsável global de macro & Alocação estratégica de ativos na Fidelity International, mantém-se cauteloso. Está subponderado tanto em ações, como crédito e rendimento fixo dos EUA, face a outros países do mundo desenvolvido. "Enquanto atravessarmos esta fase de forte hawkishness, pensamos que este posicionamento faz sentido", diz. Defende que os mercados de crédito seguem vulneráveis dado o alcance da desaceleração e da recessão que o atual aperto induzido pela Fed pode precipitar. No entanto, argumenta também que estamos a aproximar-nos de um ponto no qual os danos ao crescimento, que já se encontram sob a linha de fogo, irão começar a impor-se à inflação como a principal preocupação, tanto dos responsáveis políticos como dos mercados.

Abordagem defensiva mesmo em ações

Esta postura defensiva está também a ser implementada na componente das ações. Porque a volatilidade também é observada no mercado de ações. "Acalmar a volatilidade das obrigações deveria ser o primeiro passo para a estabilização do mercado de ações”, diz Olivier de Berranger, diretor de Investimentos da La Financière de l'Echiquier.

Vincent Mortier, diretor de Investimentos do Grupo Amundi, e Monica Defend, diretora do Amundi Institute, permanecem cautelosos em relação às ações dos países desenvolvidos. Veem que as perspetivas de lucros continuam ainda demasiado otimistas e o risco é de queda. "O atual repricing está a eliminar a maior parte da sobrevalorização, mas os níveis atuais são vulneráveis a qualquer deterioração dos fundamentais corporativos", afirmam. A resiliência dos lucros das empresas e a sua capacidade de fixação de preços serão os principais motores da grande discriminação nos mercados de ações.

O mercado está em modo esperar para ver. "Cada vez mais vemos os investidores a procurarem uma capitulação total e cortes significativos nas estimativas antes de se tornarem mais construtivos sobre uma empresa ou setor", aponta James Rutherford, diretor de Ações Europeias da Federated Hermes. Nas suas carteiras, favorecem as empresas que estão em posição de jogar ao ataque em vez da defesa, com fortes free cash flows que lhes permitem investir em I&D e recomprar de volta as suas próprias ações. Estas empresas sairão da turbulência económica ou de mercado numa posição comparativa mais forte.