Ranking das gestoras de fundos de pensões e alocação a investimento indireto

Os fundos de pensões têm um papel crucial na economia moderna, proporcionando segurança financeira para milhões de pessoas após a reforma. Nos últimos anos, a importância destes instrumentos tem aumentado significativamente, à medida que a expectativa de vida cresce e as pressões sobre os sistemas públicos de segurança social se intensificam.

Em Portugal, há 16 entidades, entre sociedades gestoras e empresas de seguros, que administram fundos de pensões abertos e fechados. De acordo com o Relatório de Evolução da Atividade dos Fundos de Pensões do último trimestre de 2023, da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), no final do ano, o número de fundos de pensões sob gestão era de 239, 111 abertos e 45 em formato PPR.

De acordo com a análise efetuada com os dados da ASF e da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP), o total gerido em fundos de pensões abertos e fechados, a final de 2023, por parte das entidades gestoras de fundos de pensões ascendia a 18,9 mil milhões de euros. A Ageas Pensões é a entidade com maior montante gerido em fundos de pensões abertos e fechados, com 6,2 mil milhões de euros, seguida da BPI Vida e Pensões, com 3,3 mil milhões de euros.

Dentro do universo que inclui todos os fundos de pensões abertos e fechados, observamos as entidades gestoras deste tipo de estratégias e a respetiva alocação por parte das mesmas a fundos de investimento (tradicionais e ETF). O investimento indireto representa, em média, 36%. A Victoria Vida é a entidade que apresenta, nos fundos de pensões abertos e fechados, maior alocação a fundos de investimento, seguida da Golden SGF.

Ranking das gestoras de fundos de pensões (abertos e fechados) e alocação a investimento indireto

Entidade gestora de Fundos de PensõesTotal gerido em Fundos de Pensões Abertos e Fechados (milhões de Euros)Alocação dos Fundos de Pensões Abertos e Fechados a Fundos tradicionais e ETF (%)
Ageas Pensões6,26241,5%
BPI Vida e Pensões3,25734,5%
GNB SGFP2,32019,2%
Futuro SGFP1,91549,3%
SGFP Banco de Portugal1,7818,5%
Santander Pensões1,15655,9%
CGD Pensões82936,0%
BBVA Fundos56645,2%
CA Vida23718,3%
Golden SGF21570,9%
Santander Totta Vida208ND
Real Vida Seguros13529,6%
Allianz SGFP17ND
Victoria Vida1790,1%
Lusitânia Vida10ND
Zurich Vida7ND
Total18,93536%*
Fonte: ASF e APFIPP. Dados a final de 2023.
*Média ponderada de alocação a fundos de investimento, segundo a ASF.
ND: Não disponível

Focando apenas no universo de fundos de pensões abertos, para o qual a disponibilidade de dados mais minuciosos é maior, observamos em detalhe que tipo de instrumento dentro do investimento indireto está mais representado nesses produtos, distinguindo ainda por gestão nacional e internacional.

Os ETF concentram 23% (média ponderada) do investimento indireto dos fundos de pensões abertos. É a BPI Vida e Pensões a que mais se evidencia neste campo, com 46% em investimento indireto neste tipo de produtos, por parte dos fundos de pensões abertos que gere. Os fundos mobiliários de gestão internacional, por seu lado, alcançam uma média ponderada de 18,7%. Destaque para a Victoria Vida cujo valor nesta categoria atinge os 83,1%.

Os fundos mobiliários e imobiliários de gestão nacional não vão além de uma média ponderada de 0,9% cada um, sendo a GNB SGFP a que se destaca na alocação aos primeiros com 7,1% e a CGD Pensões nos segundos, com 4,7%.

Alocação dos fundos de pensões abertos por tipo de instrumento de investimento indireto

Fundos com gestão nacionalFundos com gestão internacional
Entidade Gestora de Fundos de PensõesTotal Gerido em Fundos de Pensões Abertos (Milhões de Euros)Fundos Mobiliários (%)Fundos Imobiliários (%)Outros Fundos de Ativos Privados/Ilíquidos (%)Fundos Mobiliários (%)Exchange-Traded Funds (%)Fundos Imobiliários (%)Outros Fundos de Ativos Privados/Ilíquidos (%)
Ageas Pensões841,70,0%0,5%0,0%12,0%29,1%0,2%0,4%
BPI Vida e Pensões712,90,0%0,6%0,0%1,0%46,0%0,4%0,0%
Futuro667,20,2%0,9%0,1%39,6%10,2%0,4%0,1%
GNB SGFP408,97,1%0,0%0,0%13,7%1,2%0,0%0,0%
BBVA Fundos362,30,0%0,0%0,0%48,5%25,8%0,0%0,0%
CGD Pensões309,80,0%4,7%0,0%4,6%11,7%0,0%0,0%
Golden SGF133,00,0%1,9%1,5%32,2%30,3%0,0%3,4%
CA Vida118,30,3%0,2%0,3%5,7%11,6%0,0%0,8%
Real Vida Seguros82,70,7%0,0%0,4%7,8%14,2%2,6%2,0%
Victoria Vida11,10,0%0,0%0,0%83,1%5,9%0,0%0,0%
Santander Totta Vida6,70,0%0,0%0,0%18,1%4,8%0,0%0,0%
Zurich Vida5,50,0%0,0%0,0%0,0%9,7%0,0%0,0%
Allianz SGFP **2,30,0%0,0%0,0%0,0%0,0%0,0%0,0%
Santander Pensões1,00,0%0,0%0,0%59,8%33,4%0,6%0,0%
Lusitânia Vida--------
SGFP Banco de Portugal--------
Total3,6640,9%0,9%0,1%18,7%23,0%0,3%0,3%
Fonte: ASF, APFIPP, FundsPeople LAB e próprias entidades gestoras. Dados a final de 2023.
** Valores de 2022.
ND: Não disponível

As entidades gestoras de fundos de pensões

Ageas Pensões

  • É a entidade gestora que detém o maior montante investido em fundos de pensões em Portugal, com mais de 6 mil milhões de euros, tanto em fundos de pensões abertos como fechados, o que representa 33% da quota nacional.
  • A alocação a fundos de investimento no conjunto de todas as carteiras geridas corresponde a 41,5% do investimento, por parte dos fundos de pensões.
  • No que respeita aos fundos de pensões abertos, a expressão de fundos nacionais é muito reduzida, sendo que 12% da alocação corresponde a fundos mobiliários internacionais e 29% a ETF.
  • Os fundos que arrecadam maior montante de investimento nos fundos de pensões abertos são dois ETF, o iShares MSCI Europe ESG Screened UCITS ETF e o iShares MSCI World ESG Screened UCITS ETF, da iShares.

BPI Vida e Pensões

  • Gere mais de 3 mil milhões de euros em fundos de pensões abertos e fechados, o que corresponde a uma quota nacional de 17%.
  • Mais de 30% da alocação desses fundos de pensões é feita através de investimento indireto, via fundos de investimento.
  • Nos fundos de pensões abertos, o investimento através de ETF representa quase metade da alocação, 46%.
  • O iShares Barclays Cap Euro Copr (AMS) e o iShares Core S&P 500 (XAMS), da iShares, são os produtos de investimento indireto com maior montante investido.

GNB SGFP

  • Com uma quota nacional de 12%, detém um património em fundos de pensões abertos e fechados de mais de 2 mil milhões de euros.
  • O investimento indireto representa 19,2% do investimento dos fundos de pensões abertos e fechados.
  • O investimento sob a forma de fundos mobiliários nacionais representa 7,1% da alocação por parte do total de todas as carteiras geridas fundos de pensões abertos. Os fundos internacionais equivalem a 13,7%.
  • Os fundos com maior investimento por parte dos fundos de pensões abertos são o NB Corporate Euro e o GNB Momentum Sustentável, ambos GNB GA.

Futuro SGFP

  • Gere quase 2 mil milhões de euros em fundos de pensões abertos e fechados, o que se traduz numa quota nacional de 10%.
  • O investimento por via de fundos de investimento e ETF dos fundos de pensões abertos e fechados representa quase metade da alocação.
  • Nos fundos de pensões abertos, o investimento através de fundos mobiliários internacionais é de 39,6%. Os ETF equivalem a 10,2%.
  • O ETF da iShares, o iShares Government Bond 3-5 e o fundo da DWS, o DWS Floating Rate Notes, são os produtos que mais investimento reunem por parte dos fundos de pensões abertos.

SGFP Banco de Portugal

  • Representa 9% de quota nacional da gestão de fundos de pensões, com ativos sob gestão na ordem dos 1,8 mil milhões de euros.
  • Entidade que gere os os fundos de pensões dos funcionários do banco central nacional. Gere dois fundos, um de benefício definido e um de contribuição definida.
  • 8,5% do investimento em fundos de pensões abertos e fechados é feito por via de investimento indireto.
  • No âmbito da responsabilidade social e ambiental, a entidade admite o reforço em social e green bonds e em fundos de investimento que privilegiam o investimento em empresas que respeitam princípios de sustentabilidade.

Santander Pensões

  • A gerir 1,2 mil milhões de euros em fundos de pensões abertos e fechados, representa uma quota nacional de 6,1%.
  • O investimento indireto constitui mais de metade do investimento das carteiras de fundos de pensões abertos e fechados, mais concretamente, 55,9%.
  • A alocação a fundos de investimento no conjunto de todas as carteiras geridas dos fundos de pensões abertos é feita apenas via fundos internacionais, sendo 59,8% através de fundos mobiliários e 33,4% de ETF.
  • Os ETF Amundi Euro Government Bond II UCITS ETF, da Amundi e o UBS ETF Barclays EUR, da UBS AM, são dois dos fundos de investimento com maior montante investido por parte dos fundos de pensões abertos.

CGD Pensões

  • Com uma quota nacional de 4,37%, gere 829 milhões de euros em fundos de pensões abertos e fechados.
  • 36% do investimento por parte dos fundos de pensões abertos e fechados é feito pela via de investimento direto.
  • Os fundos imobiliários internacionais representam 4,7% da alocação dos fundos de pensões abertos, sendo a entidade que mais expressão tem nesta categoria de fundos. Já 11,7% correpondem a ETF.
  • O iShares Eur Government Bond, da iShares e o Xtrackers US TSY Euro HD, da Xtrackers, são os produtos que mais investimento detêm por parte dos fundos de pensões abertos.

BBVA Fundos

  • O volume sob gestão em fundos de pensões abertos e fechados atinge os 566 milhões de euros, em 2023, o que corresponde a uma quota nacional de 3%.
  • A alocação através de fundos tradicionais e ETF, por parte dos fundos de pensões abertos e fechados, equivale a 45,2%.
  • Dentro dos fundos de pensões abertos, quase metade do investimento é realizado via fundos mobiliários internacionais e 25,8% via ETF.
  • Destaque para o BBVA Sustentável Moderado ISR, como um dos poucos fundos de pensões do mercado nacional com foco em sustentabilidade.
  • O Lyxor UCITS Euro Global, da Lyxor AM e o M&G Lux Euro Credit, da M&G Investments, são os fundos que arrecadam maior montante por parte dos fundos de pensões abertos.

CA Vida

  • Com uma quota nacional de cerca de 1,25%, gere 237 milhões de euros em fundos de pensões abertos e fechados.
  • A entidade gestora de patrimónios e fundos CA Gest tem a responsabilidade de gestão dos fundos da CA Vida.
  • O investimento em fundos tradicionais e ETF representam 18,3% do investimento por parte dos fundos de pensões abertos e fechados.
  • Cerca de 11,6% da alocação do conjunto de todas as carteiras geridas de fundos de pensões abertos corresponde a ETF e 5,7% a fundos mobiliários internacionais.
  • Os ETF SPDR ETF-Blb Barclays 10+Y US Treasury Bond, da State Street Global Advisors e o Lyxor MSCI EMU ESG Broad CTB DR ETF, da Lyxor AM, são os produtos onde está alocado maior montante por parte dos fundos de pensões abertos.

Golden SGF

  • Entidade gestora detida pela Golden Wealth Management.
  • O volume sob gestão dos fundos de pensões abertos e fechados, representam uma quota nacional de 1,13% e 215 milhões de euros.
  • É, de entre as entidades nacionais gestoras de fundos de pensões, a segunda que maior alocação apresenta em fundos tradicionais e ETF, por parte dos fundos de pensões abertos e fechados, cerca de 71%.
  • Nos fundos de pensões abertos, 32,2% do investimento é realizado através de fundos mobiliários internacionais e 30,3% de ETF. Ainda nos fundos de pensões abertos, é a que tem maior representação em fundos de ativos privados ou instrumentos privados, tanto nacionais, como internacionais.
  • O Kopernik Global All-Cap Equity Fund, da Heptagon e o Fundsmith Equity Fund, da Fundsmith, são os dois fundos com maior montante investido.

Santander Totta Vida

  • A quota nacional de gestão de fundos de pensões abertos e fechados representa 1,1% do total.
  • Os fundos mobiliários com gestão internacional correspondem a 18,1% da alocação do conjunto de fundos de pensões abertos geridos pela entidade e os ETF a 4,8%.
  • O abrdn SICAV II Euro Corporate Bond Sustainable Bond Fund, da abrdn e o UBS ETF Barclays EUR, da UBS AM são alguns dos fundos com maior valor investido por parte dos fundos de pensões abertos.

Real Vida Seguros

  • Os ativos sob gestão dos fundos de pensões abertos e fechados correspondem a 135 milhões de euros e a 0,71% de quota de gestão nacional.
  • 30% é quanto representa o investimento indireto por parte de fundos de pensões abertos e fechados.
  • A alocação nos fundos de pensões abertos em ETF ronda os 14% e os 8% em fundos mobiliários com gestão internacional.
  • É, de entre as entidades nacionais, a que maior alocação detém em fundos imobiliários internacionais, por parte dos fundos de pensões abertos, cerca de 2,6%.
  • Os fundos com maior montante investido por parte dos fundos de pensões abertos são o iShares JPM USD EM Bond EUR, da iShares e o Lyxor China Enterprise, da Lyxor AM.

Allianz SGFP

  • Com 17 milhões de euros em ativos sob gestão por parte dos fundos de pensões abertos e fechados que gere, representa não mais que 0,09% de quota nacional.
  • Dos cinco fundos de pensões que administra, apenas um é aberto, o fundo de pensões Reforma Mais, sendo as obrigações, por via de investimento direto, a principal classe de ativos onde investe.

Victoria Vida

  • Os fundos de pensões abertos e fechados totalizam, em ativos sob gestão, 16,5 milhões de euros e 0,09% de quota de gestão nacional.
  • De entre as entidades nacionais de fundos de pensões, é a que mais aloca em fundos tradicionais e ETF, por parte dos fundos de pensões abertos e fechados, concretamente, 90% do investimento.
  • Mais de 80% do investimento por parte do conjunto de todas as carteiras geridas de fundos de pensões abertos está em fundos mobiliários internacionais, sendo a entidade que mais se destaca nesta categoria de fundos. Os ETF representam 5,9%.
  • O BGF Euro Short Duration Bond, da BGF e o Mercer Abs Ret Fixed Income Fund, da Mercer GI, são alguns dos fundos preferenciais dos fundos de pensões abertos.

Lusitânia Vida

  • Responsável por uma quota nacional de 0,05% na gestão total de fundos de pensões abertos e fechados e 10 milhões de euros em ativos sob gestão.
  • Atualmente, todos os fundos de pensões que administra são fechados.

Zurich Vida

  • É a entidade que com a menor quota nacional de gestão de fundos de pensões abertos e fechados, cerca de 0,04% e 7 milhões de euros.
  • O investimento indireto por parte do conjunto de fundos de pensões abertos gerido pela entidade é, essencialmente, feito via ETF, na ordem dos 10%.
  • O Amundi Euro Stoxx 50 ETF DR Fund 8,55%, da Amundi e o iShares Europe Property Yield Fund, da iShares, são dois dos fundos que integram os fundos de pensões aberto, nomeadamente, o Zurich Vida Empresas.