Quem gere patrimónios em Portugal?

As entidades que gerem patrimónios em Portugal efetuam esse serviço, resumidamente, de duas formas. Através de um mandato de gestão discricionária, em que a gestora tem autonomia sobre o investimento de uma determinada parcela de património de um cliente; ou, por outro lado, através da consultoria para investimentos, ou comummente chamado serviço de advisory. Tal como o nome indica, trata-se de um aconselhamento personalizado feito pela gestora ao cliente, tenho por base algum ou alguns instrumentos financeiros. Enquanto os ativos geridos sob a primeira abordagem são refletidos nas estatísticas de gestão discricionária, os ativos sob o serviço de advisory não o estão.

As contas da CMVM de final de 2020 indicavam que a gestão de patrimónios em Portugal somava 48,8 mil milhões de euros. Um valor que decresceu – e muito – no pós-pandemia e mais ainda na segunda metade de 2021, mas não como resultado dessa mesma pandemia como se pode ler aqui e aqui.

Mostramos-lhe então o perfil de quem gere patrimónios em Portugal: quem são, que tipo de clientes servem (institucionais, particulares...) e que valores lhes estão alocados nos serviços que prestam.

As informações que se disponibilizam em seguida foram compilados com recurso a dados da CMVM, APFIPP, Morningstar, website/relatório e contas das próprias entidades, ou informação interna recolhida pela FundsPeople.

O enfoque preferencial nos números disponíveis publicamente leva a que alguns dados mostrem alguma antiguidade e que sejam consideradas informações em datas distintas em cada segmento.

Guiámo-nos pelas informações da CMVM de final de 2020 por uma questão de uniformização de datas das diferentes fontes de informação.

Quota de mercado por entidade gestora

tabla 1
Fonte: CMVM. Dados em milhões de euros.

ABANCA

  • Apresentava 28,7 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Apesar do reduzido AuM neste segmento, no início de 2020, o serviço de advisory – definido como não independente na entidade – era descrito à FundsPeople como core na entidade.
  • É a entidade mais robusta na comercialização de fundos estrangeiros em Portugal, com 1.275 milhões de euros de montante distribuído no final de 2020.
  • Na gestão discricionária apresenta atualmente um serviço distribuído por três grandes estratégias/carteiras.
  • Pedro Carvalho é o responsável pela equipa de gestão discricionária.
  • João Pina Gomes, da entidade, foi referenciado como um dos selecionadores favoritos, na última consulta feita pela FundsPeople, bem como Pedro Carvalho.

ASK Patrimónios

  • Apresentava 14,7 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária, segundo dados da CMVM de final de 2020
  • Executam um serviço maioritariamente baseado em carteiras perfiladas, constituídas por fundos de terceiros.
  • Nas carteiras tailor-made há espaço para o investimento direto.
  • Gere as carteiras de três Unit Linked da Real Vida Seguros.
  • Pedro Barata, CFA é o responsável de investimentos da entidade.

Atrium Investimentos

  • Apresentava 289,9 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Apresenta serviços de gestão de carteiras tailor made, mas também de gestão de carteiras perfiladas.
  • As carteiras perfiladas seguem três perfis, que se materializam nos multiativos Atrium – Conservador, Moderado e Equilibrado.
  • A entidade é investment manager do Atrium Portfolio SICAV, domiciliado no Luxemburgo e constituída por sete sub-fundos com cerca de 385 milhões de euros. 
  • A entidade presta ainda o serviço de consultoria para investimento. No relatório e contas da entidade de 2020 apontavam para um valor de 116,3 milhões de euros alocado a este segmento.  
  • Mário Vigário é o CIO da entidade.
  • Renato Rocha é o responsável pela consultoria de investimentos da entidade. 

Millennium bcp

  • Apresentava 2.927 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal segundo dados da CMVM no final de 2020.
  • Na desagregação feita no relatório e contas da entidade de 2020, apresentava-se a seguinte divisão relativamente aos ativos sob gestão e custódia no total de 6.133 milhões de euros:
    • 2.901 milhões de euros alocados ao Banco Comercial Português
    •  1.422 milhões de euros alocados ao Banque Privée BCP (Suisse)
    •  809 milhões de euros alocados à Interfundos
    • 1.001 milhões de euros alocados ao Millennium TFI (gestora de fundos mobiliários; subsidiária polaca)
  • A DWM do Millennium BCP é o departamento que presta os serviços neste segmento.
  • Apresentam o serviço de gestão de carteiras, mas também de advisory, ambos com uma forte componente da gestão ativa e recurso a fundos de terceiros. 
  • O BCP é o segundo maior distribuidor de fundos estrangeiros em Portugal, com 696,9 milhões de euros de montante comercializado no final de 2020.
  • Duarte Francisco, Inês Castro e Guilherme Cardoso, da entidade, constaram da lista da última edição dos Selecionadores Favoritos, elaborada pela FundsPeople.
  • Inês Castro é a responsável de Seleção de fundos na DWM do Millennium bcp e Nuno Botelho, responsável da DWM do Millennium BCP

BiG

  • Apresentava 358 milhões de euros de ativos geridos em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • A área de wealth management do BiG subdivide-se em três áreas distintas: private, personal e institutional. O administrador responsável pelas três áreas é Peter Rodrigues. Pedro Coutinho é responsável pela área private, que que conta atualmente com 1.4 mil milhões de ativos sob supervisão.
  • A gestão das carteiras é efetuada pela equipa de gestão de ativos, liderada por Rui Broega. Recentemente foi um dos destacados na lista de selecionadores favoritos 2021 recolhida pela FundsPeople.
  • É a entidade gestora responsável do Unit Linked BiG Alocação, com várias opções de investimento através de fundos autónomos (Conservador, Moderado, Equilibrado, Dinâmico, Acções Estratégico e Obrigações Estratégico). O produtor de seguros é a Real Vida Seguros. 
  • A entidade também gere 8 fundos PPR da marca Futuro e ainda, através da SGF, um fundo de pensões aberto da mediadora de seguros MDS.
  • Os dados de fundos PPR e fundos de pensões do universo BiG e administrados pela Futuro, disponíveis na base de dados da Morningstar, apontam para 222,55 milhões de euros em ativos sob gestão, à data de 30 de novembro de 2021.
  • Apresentava 161,2 milhões de euros comercializados em fundos estrangeiros, segundo dados da CMVM de final de 2020

Banco Invest

  • Apresentava 10,4 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Na gestão de patrimónios apresentam três carteiras perfiladas, consoante o nível de risco.
  • Apresenta uma extensa rede de private financial advisors no país.
  • No final de 2020 apresentava 109,9 milhões de euros de montante comercializado em fundos estrangeiros.
  • Paulo Monteiro é o responsável pela Gestão de Ativos da entidade, e o seu nome constou da última lista de selecionadores favoritos.

Banco Carregosa

  • Apresentava 160,1 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Apresenta quatro carteiras de alocação geridas consoante o perfil de risco dos clientes.
  • A seleção de fundos, liderada por Tiago Gaspar, é um serviço disponível online, em três perfis distintos.   
  • No relatório e contas a entidade destacava que 2020 foi o primeiro ano em pleno do serviço de consultoria para investimentos.
  • No final de 2020, a entidade tinha 9 milhões de euros em fundos estrangeiros comercializados. Em termos totais, o relatório e contas de 2020 atribui à entidade um valor de 18,3 milhões de euros em OIC comercializados.
  • Mário Carvalho Fernandes, CFA é o CIO da entidade.

Banco Português de Gestão

  • Apresentava 17,5 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020
  • Os três principais clientes que a gestora serve são a Fundação Oriente (5.068 milhões de euros), a Fundação Stanley Ho (5.478 milhões de euros) e a STDP - Sociedade Transnacional de Desenvolvimento de Participações (5.563 milhões de euros), como relatado no relatório e contas da entidade de 2020.
  • Paulo Pacheco, CFA é o responsável da gestão de ativos da entidade.

Banco Santander Totta e Santander Asset Management

  • O primeiro apresentava 391,1 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020 e a segunda 5.795,1 milhões de euros.
  • A Santander Asset Management é, portanto, responsável pelo grosso da gestão dos portefólios de gestão discricionária do grupo.
  • Para além das carteiras de gestão discricionária, a entidade é também responsável pela gestão de produtos da seguradora Santander Seguros, nomeadamente quatro produtos Unit-linked.
  • A consultoria de investimento (não independente) é a base de serviço à clientela de private banking da entidade
  • No final de 2019, a entidade dava conta à FundsPeople de perto de 6 mil milhões de euros de ativos sob gestão em private banking.
  • Em ativos comercializados em fundos estrangeiros apresenta 477,1 milhões de euros, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Paulo Sá Luis, da Santander Totta, foi um dos nomeados como selecionador favorito em 2021.
  • Nuno Henriques é o CEO da Santander Asset Management.

Bankinter Gestión de Activos e Bankinter

  • A primeira apresentava 664,5 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020. A segunda 86,6 milhões de euros.
  • Apresentam três perfis de carteiras modelo.
  • A sucursal do banco em Portugal era a segunda entidade comercializadora de fundos estrangeiros com maior volume: 741,5 milhões de euros no final de 2020.
  • Três profissionais da entidade foram nomeados na consulta referente aos selecionadores favoritos 2021: José Miguel Calheiros, Miguel Taledo de Sousa e Nuno Salvador.
  • Miguel Taledo de Sousa é o diretor de investimentos da entidade.

BBVA Asset Management

BEST

  • Apresentava 13,1 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • A entidade oferece duas formas de gestão dedicada às carteiras. O serviço de gestão de carteiras per se, e um serviço de gestão discricionária, que tem por base um serviço de robot-advising, em parceria com a DWS.
  • A entidade comercializa cinco Unit-linked, produzidos pela seguradora GamaLife: três deles geridos pela GNB GA e dois pelo Haitong.
  • Em número de fundos estrangeiros comercializados, a entidade continua a ser a mais robusta em Portugal, com 87 SICAV e/ou fundos disponíveis. Em montante, isso traduzia-se em 475,6 milhões de euros, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Rui Castro Pacheco, da entidade, é um dos selecionadores favoritos de 2021.
  • Carlos Almeida é o diretor de investimentos.

Bison Bank

Biz Valor

  • Apresentava 44,3 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de março de 2021.
  • Clientes da gestão de patrimónios são essencialmente particulares, classificados como high net worth individuals.
  • Apresentam um serviço personalizado, mas com um grande foco no investimento direto.  
  • Recorrem a algoritmos de inteligência artificial e modelos computorizados na seleção dos títulos.
  • Do Biz Group faz parte a BIZ Capital SGOIC, dedicada à gestão de fundos de investimento.

BMO Global Asset Management

  • Apresentava 14.762,9 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Em julho de 2021, a entidade deixou de gerir as carteiras da Ageas - o seu principal cliente - que internalizou esse serviço.
  • Desse modo, hoje em dia a entidade não consta do ranking da gestão individual de ativos apresentado pela CMVM.

BPI Gestão de Ativos

  • Apresentava 3.453,2 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • Relatório e contas de final de 2020 dava conta da seguinte desagregação de valores geridos:
    • seguros de capitalização Unit-linked: 2.903 milhões de euros
    • clientes de gestão de carteiras (em 2020 passou-se a contabilizar o mandato de gestão imobiliária do Fundo Pensões do Banco BPI): 556 milhões de euros
      • dentro do que a entidade considera os clientes da gestão discricionária a divisão de montantes entre clientes institucionais e de private banking "delegados do Banco BPI" é a seguinte:        
        • institucionais: 126 milhões de euros
        • private banking: 37 milhões de euros

Caixa Gestão de Ativos

  • Apresentava 9.791,5 milhões de euros de montante gerido em gestão discricionária no final de 2020, segundo dados da CMVM.
  • No entanto, dados do mais recente relatório e contas da entidade, referente a 2020, apontam para:
    • 2,62 mil milhões de euros em ativos sob consultoria para investimento;
    • 6,13 mil milhões de euros em ativos sob gestão discricionária de carteiras.
  • Guilherme Piedade, da entidade, foi um dos mais votados na consulta referente aos selecionadores favoritos 2021.

 Casa de Investimentos

Crédito Agrícola Gest

  • Apresenta 1.377,4 milhões de euros sob gestão em gestão discricionária em Portugal, segundo dados da CMVM de final de 2020.
  • No entanto, dentro do segmento de gestão de patrimónios da entidade vemos a seguinte desagregação com base nos dados mais recentes disponíveis:
    • Dados da entidades seguradoras:
    • Dados do relatório e contas mais recente da entidade gestora (2019):
      • carteiras de dívida pública detidas por Caixas Crédito Agrícola Mútuo – 87,1 milhões de euros em 2019
      •  gestão discricionária de carteiras de particulares e de empresas (valor residual) – 1,04 milhões de euros em 2019
  • Paralelamente, no segmento dos fundos mobiliários a entidade gere apenas o fundo CA Institucionais, um fundo de obrigações de subscrição particular, destinado às carteiras de investimento do grupo. No campo dos fundos imobiliários tem sob gestão o fundo ImoValorCA.
  • Luís Carvalho é o CIO da entidade.
  • Ricardo Silva, selecionador de fundos da entidade, era um dos apontados na votação dos selecionadores favoritos 2021.

Heed Capital

  • Apresenta 23,2 milhões de euros em gestão discricionária no final de 2020, segundo a CMVM.
  • À FundsPeople referiam que trabalham num modelo de gestão de carteiras tailor made.
  • Apresentam um grande foco em investimento direto.
  • A entidade é consultora de investimentos do fundo de direito luxemburguês Incometric Fund Heed Património, que se cifra em perto dos 23 milhões de euros de ativos sob gestão no final de 2021.
  • Paralelamente, a entidade é a responsável pela gestão de três fundos mobiliários da marca EuroBic, e dois fundos de capital de risco.
  • Pedro Fernandes é o CIO da entidade

GNB Gestão de Ativos

  • Apresentava 5.136,8 milhões de euros em gestão discricionária, no final de 2020, segundo a CMVM.
  • A entidade desagregava este património da seguinte forma:
    • Clientes particulares: 399 milhões de euros
    •  Clientes institucionais: 4.738 milhões de euros.
  • A entidade tem a seu cargo a gestão de seguros unit-linked perfilados, cuja seguradora produtora é a GamaLife.
  • A gestora de patrimónios  é investment  manager dos fundos do grupo domiciliados no Luxemburgo. 
  • A gestão discricionária na entidade pode ser feita de três formas: carteiras de investimento direto, carteiras de investimento via fundos, ou carteiras tailor-made. As primeiras duas opções encontram-se disponíveis com quatro perfis distintos.
  • João Pina Pereira é o CEO e CIO da entidade.
  • Duas selecionadoras da entidade - Carla Veiga e Ana Martins – foram referidas na votação dos selecionadores favoritos de 2021

Golden Wealth Management

  • A Golden Assets apresentava 367,7 milhões de euros em ativos sob gestão em gestão discricionária no final de 2020, segundo a CMVM. A CMVM também reporta à mesma data 3,1 milhões de euros em carteiras de gestão discricionária alocados à Golden Broker nessa data
  • Segundo o relatório e contas da entidade de 2020, a gestão discricionária da entidade apresentava 5 carteiras perfiladas disponíveis.
  • A entidade apresenta também o serviço de consultoria para investimento. Em 2020, o relatório e contas da entidade revela que tinham recebido 945,6 mil euros de comissões neste serviço no ano, ou seja 30% do total de comissões auferidas pela entidade em 2020. 
  • Sérgio Silva é o CIO da entidade.
  • De realçar que o grupo Golden faz parte da estrutura acionista da gestora de fundos de pensões SGF, detida em 71,3% pela entidade.

Haitong Bank

IBCO Gestão de Patrimónios

InvestQuest

  • Apresentava 4,2 milhões de euros em gestão discricionária, segundo dados de março de 2021 da CMVM.
  • A entidade dispunha de carteiras perfiladas. Apresenta ainda serviços de multi-familly office e ainda serviços destinados às fundações.
  • A entidade viu o seu registo junto da CMVM cancelado, com efeitos a partir do dia 23 de novembro de 2021, na sequência da revogação da autorização desta sociedade pelo Banco de Portugal na mesma data.

LM Capital Wealth Management

  • Apresentava 983,5 milhões de euros em gestão discricionária, segundo dados de final de 2020, da CMVM.
  • É a entidade independente de grupos bancários com o volume sob gestão mais elevado.
  • No relatório e contas de 2020 a entidade reportava a seguinte desagregação de volume gerido, do total de 1.060 milhões de ativos sob gestão:
    • Gestão de carteiras: 983,5 milhões de euros
    • Prestação de serviços de informação de consultoria de património: 67,8 milhões de euros
    • Consultoria para investimentos: 9,04 milhões de euros.
  • O serviço de prestação de serviços de informação, reportam no mesmo documento, visa a "preparação de um relatório com a informação consolidada de todas as contas bancárias e de custódia de instrumentos financeiros das quais o cliente é titular”.
  • A gestão de carteiras que a entidade executa tem por base a arquitetura aberta.
  • Além do investimento direto e ETF, investem em fundos de investimento ativos.
  • Carla Prates é a CIO da entidade, e foi uma das referenciadas na última lista de selecionadores nacionais favoritos.

LusoPartners

  • Apresentava 19,7 milhões de euros de ativos sob gestão em gestão discricionária segundo a CMVM no final de 2020.
  • Na gestão de carteiras apresentam carteiras com perfis pré-definidos ou alternativas de investimento personalizadas.

LYNX Asset Managers

  • Apresentava 7 milhões de euros de ativos sob gestão em gestão discricionária segundo a CMVM no final de 2020.
  • José Mendes é o diretor de investimentos da entidade.

Montepio Gestão de Activos

  • Apresentava 1.607 milhões de euros de ativos sob gestão em gestão discricionária segundo a CMVM no final de 2020.
  • O negócio de gestão de carteiras da entidade está fundamentalmente centrado nos seus clientes institucionais, no caso os fundos de pensões e PPR pertencentes à Futuro, do mesmo grupo.
  • Estes são produtos que investem em fundos de investimento. Recorde, por gestora de fundos de pensões, quais os fundos de investimento preferidos dos seus veículos.  
  • Rui Nápoles é o diretor de investimentos da entidade.
  • Ana Onofre, da entidade, foi um dos nomes mencionados na lista de selecionadores favoritos 2021.

Optimize Investment Partners

  • Apresentava 90,2 milhões de euros de ativos sob gestão em gestão discricionária segundo a CMVM no final de 2020.
  • No relatório e contas de 2020 a entidade desagrega a gestão de carteiras no valor de 33,6 milhões de euros da seguinte forma:
    •  Optimize Gestão Privada (carteira tailor-made): 22,7 milhões de euros
    •  Optimize Gestão Privada Selecção: 0,43 milhões de euros
    •  Optimize Capital Pensões: 5,5 milhões de euros
    •  Optimize IP SICAV: 4,95 milhões de euros