Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais
Créditos: Mohamed Ajufaan (Unsplash)

Por ocasião das férias de verão, perguntámos às gestoras internacionais pelas suas recomendações de leitura. Em seguida uma extensa lista de propostas, sem nenhuma ordem em particular, de títulos relacionados com a economia.

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

Num início de verão marcado pelas excelentes rentabilidades de quase toda a totalidade de ativos este ano, Francisco Rodríguez D’Achille, sócio e diretor de Desenvolvimento de Negócio da Lonvia, ressalta uma leitura fresca e diferente que toca num tema muito atual: The Price of Tomorrow, de Jeff Booth. Fala da deflação e do papel da disrupção tecnológica e da inteligência artificial nos nossos modelos económicos futuros. O livro toca em aspetos interessantes de reflexão sobre o difícil que é pensar diferente do resto das dinâmicas do mercado, quais são os mitos nos quais vivemos hoje em dia, o boom tecnológico e o futuro da energia, entre outros.

Para ressaltar uma frase do livro, dentro de muitas interessantes, Rodríguez D’Achille menciona a seguinte: “À medida que as nossas economias se movem para a digitalização onde a tecnologia e o big data tocam praticamente em tudo, isto não só cria deflação estrutural como também as move para uma interconexão nunca vista. A informação não tem as mesmas barreiras que os recursos físicos: pode viajar sem nenhum tipo de fronteiras”.

Analisar o vivido com a pandemia

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

Não nos podemos esquecer do quanto estes tempos estão a ser históricos. Isto é, estamos a viver uma pandemia, ao fim e ao cabo. Mas pensar nela não tem de ser negativo. De facto, A New Earth, de Eckhart Tolle, que menciona Morgane Delledonne, aborda-a com um olhar mais amável. “Não poderá haver um melhor momento para ler este livro tão otimista, após vários meses de medos globais causados pela COVID-19, medidas de distanciamento sociais e confinamentos”, afirma. Para a diretora de Análise da Global X, é uma leitura obrigatória para qualquer um que queira ser mais consciente de quem somos e de entrar no mundo da amabilidade e consciência. Para ajudar a fechar as feridas, Nina Hodzic, responsável de integração ESG da Allianz GI, propõe The Lonely Century, de Noreena Hertz. Fala sobre o aumento da solidão, que está a acontecer por todo o mundo, e dos profundos efeitos que tem na nossa saúde e na economia. Parece-lhe um livro muito oportuno devido à pandemia e pergunta-se se poderá atuar como uma chamada de atenção sobre como queremos construir um futuro melhor pós-COVID.

Nessa linha de reflexão está também o livro Pandemocracy. A philosophy of the coronavirus crisis, de Daniel Innerarity, que nos recomenda Martina Álvarez, diretora de Vendas para a Península Ibérica da Janus Henderson: “Um bom cliente/amigo sugeriu-me esta leitura obrigatória no verão passado (ele sabe quem é, obrigada mais uma vez!)”, reconhece Álvarez. Nasce como uma reflexão filosófica de urgência após um acontecimento histórico como é a pandemia, e torna-se numa das leituras que nos fazem refletir sobre a nossa sociedade e direitos, a globalização e também o papel individual e as obrigações que temos.

O que têm em comum o Reddit e o assalto ao Capitólio

Como o grande exercício de 2021 não eclipsa alguns movimentos geopolíticos que deixámos para trás. A leitura também é uma desculpa para refletir sobre tendências mais profundas que estão a acontecer na sociedade. The Revolt of the Public and Crisis of Authority in the New Millennium, de Martin Curri, é a sugestão de Alexendre Deneuville, gestor da equipa de dívida corporativa da Carmignac. Para ele foi uma leitura fascinante e recomenda-a.

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

O autor, um experiente analista geopolítico, expõe a tese de que a digitalização da sociedade reverteu o equilíbrio entre a cidadania e as elites que gerem as principais instituições hierárquicas da Era Industrial: o Governo, os partidos políticos e os meios de comunicação. Consequentemente, estas instituições veem-se cada vez mais questionadas por parte dos informados e desprovidas de autoridade. Escrito em 2014, o livro fundamenta o seu argumento em acontecimentos que tiveram lugar em anos anteriores, como a eleição de Barack Obama, a Primavera Árabe ou o movimento Occupy Wall Street, mas consegue prever com uma inquietante clarividência a possibilidade de que aconteçam eventos surpreendentes como as eleições de Donald Trump e Emmanuel Macron e o Brexit.

Na sua opinião, oferece um valioso enquadramento para analisar alguns dos desconcertantes acontecimentos que vivemos atualmente, como a irrupção no Capitólio americano no passado mês de janeiro ou a apropriação da esfera financeira por parte dos investidores de retalho que negoceiam através da Robinhood e se organizaram no Reddit. “No caso de Gurri estar certo, esta crise de autoridade ainda agora começou e nós, na qualidade de investidores, devemos compreender melhor a continua perda de legitimidade de algumas instituições que antes consideráveis inexpugnáveis”, afirma Deneuville.

Compreender o que importa ao ESG

Além do rally no mercado, em 2021 falámos muito de ESG. Por isso, por que não refletir sobre os desafios atuais? Uma opção interessante é o livro Rethinking Readyness, de Jeff Schelgelmilch, que propõe Miguel Luzárraga, responsável de Vendas da AllianceBernstein para Portugal e Espanha. À medida que a sociedade humana continua a desenvolver-se, aumentámos o risco de desastres a grande escala. Desde os cuidados de saúde até às infraestruturas e à segurança nacional, os sistemas desenhados para nos manter seguros também aumentaram o potencial de catástrofes. A pressão constante das alterações climáticas, os conflitos geopolíticos e a nossa tendência de ignorar o que é difícil de compreender exacerba os perigos potenciais. Como nos podemos preparar e prevenir os desastres do século XXI que se avizinham? É a pergunta que nos deixa no ar Luzárraga.

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

E Isabel Vento, responsável de desenvolvimento de negócio da BlackRock, acrescenta a essa leitura sobre investimento sustentável o livro Impact, de Sir Ronald Cohen. Na sua opinião, Impact é um livro muito esclarecedor sobre a direção que o capitalismo tem de tomar para se tornar sustentável a longo prazo. Sir Ronald Coehn apresenta nesta obra, que foi amplamente reconhecida por personalidades institucionais – ou até pelo cantor dos U2 Bono -, a forma através da qual a tremenda realocação de capital desencadeada pelos fundos de impacto – em linha com o que adiantou Larry Fink – abrirá a porta a que denominou de Revolução do Impacto. “Em suma, é uma leitura fundamental para compreender o que pode facilitar o processo de transformação para um mundo melhor”, afirma Vento.

Propor-se a desafiar convenções sobre as alterações climáticas

Um dos grandes focos do investimento sustentável é a luta contra as alterações climáticas. Aqui há duas propostas para entender o verdadeiro desafio. Por um lado, Como Evitar os Desastres Climáticos, de Bill Gates, do qual nos fala Ana Claver, CFA, responsável da Robeco para a Península Ibérica, US Offshore e América Latina. “Uma forma fácil de entender os riscos e oportunidades do maior desafio que enfrenta a humanidade, o risco climático”, conta.

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

Por outro lado, Carlos Capela, responsável da Federated Hermes para Portugal e Espanha, propõe Unsettled, What Climate Science Tells Us, What It Doesn't and Why it Matters, de Steven E. Koonin. Para Capela, possivelmente um dos livros mais educativos em matéria de alterações climáticas. Steven Koonin, antigo subsecretário de energia do governo de Obama e ex-professor de Física Teórica na Caltech, trata de ir mais além dos títulos acerca das alterações climáticas, proporcionando provas contra alguns mitos populares e detalhando pequenas verdades, por exemplo, que as ondas de calor nos EUA não são agora mais comuns do que nos anos 1900, e que as temperaturas máximas neste país não aumentam nos últimos 50 anos. “Tudo isto, argumentando que as alterações climáticas são reais e a influência do ser humano sobre estas também”, afirma.

Inovar para não morrer

E se o ESG chegou para ficar, temos de pensar na próxima grande tendência do mercado. Talvez ajude How Inovation Works, de Matt Ridley, do qual nos fala Pablo Martínez Bernal, responsável de Vendas para a Península Ibérica da Amiral Gestion. “Ridley nunca defrauda e o seu último livro trata um tema fundamental para o progresso humano: a inovação”, afirma Martínez Bernal. O livro explica de forma ligeira, mas rigorosa o que é inovação (unir ideias dispersas), os pontos-chave para a inovação (partilhar e reunir essas ideias) e as suas limitações (o resultado da resistência que geram). Com uma revisão histórica das principais inovações, Ridley consegue prender o leitor desde a primeira página.

Falando em inovar, porque não fazê-lo connosco mesmos? “O mundo e a economia são muito rápidos e é fácil tornar-se obsoleto”, reconhece Jaime Albella, diretor de Vendas da AXA IM. Por isso, um livro que o surpreendeu foi o Marketing Digital para los que no saben de Marketing Digital. “Ainda que possa parecer que não tem a ver com a economia, é precisamente o contrário. O livro foca-se no processo de venda digital das empresas. E como todos sabemos, as vendas são a primeira linha da demonstração de resultados e, em seguida, o que descontamos para apresentar para calcular o valor estimado”, conta Albella.

Olhar para o passado para aprender sobre o futuro

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

Para quem gosta de leituras mais académicas e enriquecedoras, Albella destaca Apuntes de Historia Económica Española y Perspectivas, de José Antonio Santos. “É uma delicatessen. Como combina a evolução do mercado de ações com os diversos episódios económicos que Espanha tem sofrido”, afirma. “São tiradas conclusões muito interessantes e irrefutáveis ​​que prefiro deixar ao leitor para não estragar o livro. Só quero dizer que ajuda muito a entender a situação económica atual e, portanto, quais serão as consequências”. Como disse Napoleão, quem não conhece a sua história está condenado a repeti-la.

E uma terceira sugestão, um pouco mais distante da economia, mas na opinião de Albella muito útil para entender a situação política atual. É a República, de Platão. “É incrível que um livro mesmo passado tanto tempo ainda é atual. Na verdade, lê-lo é uma chamada de atenção para a situação que temos no mundo. É impressionante que num diálogo com Sócrates proponha soluções que seriam perfeitamente aplicáveis ​​hoje para resolver muitos dos problemas que temos”, avança Albella.

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

Sabemos como investimos? Ponha-se à prova

Esta pausa estival também pode ser uma oportunidade para conhecer em maior profundidade o investidor. Carlos Aparicio, responsável da MFS IM para Portugal e Espanha, sugere uma leitura fácil e muito divertida para qualquer um, quer trabalhe ou não na indústria financeira: Where Are the Customers’ Yachts?: or A Good Hard Look at Wall Street de Fred Schwed, Peter Arno e Jason Zweig. O livro, que foi escrito há mais de 80 anos, continua a ser perfeitamente válido hoje. “Recomendo-o, não como um manual de investimentos, mas como uma grande amostra das diferentes emoções que nos conduzem a cometer erros nos mercados financeiros”, explica Aparicio.

Porque temos de nos conhecer muito bem se quisermos evoluir como investidores. Para isso, Antonio Losada, da equipa de Vendas da Goldman Sachs AM, resgata um clássico. Thinking, Fast and Slow, Daniel Kahneman. Além disso,

Decifrar o cliente do futuro próximo

livros, Leituras para o verão (I): Livros sobre economia recomendados pelas gestoras internacionais

Também pode ser uma oportunidade de se familiarizar com a geração que está a substituir os baby boomers como o motor do consumo: os millennials. “Os millennials são muito criticados. São acusados ​​de não saber para onde vão, de ter um comportamento quixotesco e até de serem egoístas. Agora, na relação com o dinheiro, esses jovens, tão frequentemente difamados, desafiam as suas próprias reputações: são conservadores e excessivamente cautelosos com o dinheiro que ganham”, adianta Iván Díez Sainz, sócio e diretor de Desenvolvimento de Negócio da Lonvia. É uma das lições de Millennial Money, de Patrick O’Shaughnessy. “Um presente que nos tornou amigos da Zona Value”, reconhece.

É uma janela interessante para a geração que começa a dominar o mercado de trabalho. Chegando à maioridade no meio do pior ambiente económico que o mundo enfrentou desde a Grande Depressão, veem os mercados de ações e outros investimentos aparentemente arriscados com ceticismo. No entanto, os millennials têm a oportunidade de beneficiar muito investindo com sabedoria e começando cedo. E isso é bom, porque a geração mais jovem de assalariados não poderá contar apenas com as suas reformas e subsídios da segurança social quando se aposentarem, defende Díez Sanz. Se os millennials desejam alcançar um certo grau de prosperidade financeira, terá que investir, e fazê-lo de forma mais estratégica do que os seus pais e avós.